Armand (vampiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Armand é um vampiro, personagem das Crônicas Vampirescas, escritas por Anne Rice. Sua primeira aparição está no livro Interview with the Vampire, que foi adaptado para o filme de mesmo nome, no qual Armand foi interpretado por Antonio Banderas. Mais tarde, o ator Matthew Newton é quem viria a interpretá-lo no filme Queen of the Damned (BR: A Rainha dos Condenados / PT: A Rainha dos Malditos), também baseado nas Crônicas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Armand nasceu no século XV, em Kiev, hoje capital da Ucrânia, com o nome de Andrei. Aos 15 anos, foi vendido como escravo para um bordel em Veneza, na Itália. Maltratado e extremamente humilhado, negava-se a obedecer aos que o haviam comprado, considerando ações pecaminosas e execráveis as que lhe eram exigidas. Por essa razão, ele fora castigado e trancafiado em uma cela, recusando-se a comer e falar.

O sofrimento que lhe fora infligido fez com que perdesse a memória, a ponto de esquecer sua língua, o lugar de onde viera e até mesmo seu nome. Certa noite, um vampiro chamado Marius o resgatou do bordel em que se encontrava, levando-o para casa e cuidando para que recuperasse a saúde e a razão. Marius passou a chamá-lo de Amadeo.

No palazzo de Marius, cuja natureza vampírica ele desconhecia, recebeu educação e passou a conviver com os demais aprendizes. Porém, diferentemente dos outros garotos, Amadeo mantinha um relacionamento íntimo e até mesmo sexual com Marius, o que fez com que, a certa altura, ele tomasse conhecimento de que seu Mestre não era humano, mas um bebedor de sangue imortal.

Ao saber disso, Amadeo externou seu desejo de ser transformado em vampiro a Marius que, mesmo desejando-o como companheiro para a eternidade, não queria tirar-lhe a vida, o que deu causa a um grande conflito entre os dois.

Por dois anos, ele viveu no palazzo, até que se encontrou à beira da morte em razão de uma luta com um lorde inglês obcecado por ele. Marius chegou ao palazzo à noite e, ao vê-lo naquela situação, não teve escolha a não ser realizar sua tão desejada transformação, pois lhe era impossível vê-lo morrer.

Pouco tempo após Amadeo ter se tornado vampiro, um grupo de bebedores de sangue que se denominavam Filhos das Trevas, liderados por Santino, invadiu o palazzo e o levou, juntamente com os demais aprendizes que lá se encontravam, deixando Marius muito queimado e aparentemente destruído. Os aprendizes foram mortos, jogados em uma enorme fogueira, enquanto Amadeo, tendo despertado simpatia em Santino, fora salvo para que se juntasse ao bando, o que só foi conseguido após um período de tortura e privação a que o submeteram.

Fraco e sem esperanças de reencontrar Marius, Amadeo se junta aos Filhos da Trevas, mudando seu nome para Armand e tornando-se um grande líder da congregação em Paris. Assim permaneceu até que, no final do século XVIII, conheceu o vampiro Lestat, que destruiu todas as suas crenças ao mostrar que, apesar de não seguir nenhum dos velhos costumes e estar alheio a qualquer tradição ou regra de conduta dos vampiros, nada de mal lhe acontecia. Pelo contrário, ele andava entre os mortais, nos chamados “lugares de luz” e o pior, entrava em igrejas sem que um raio divino o fulminasse, como era a crença entre os Filhos da Trevas.

Descrente e sem rumo, Armand passa a chefiar os que restaram de sua antiga assembléia no Théâtre des Vampires. Nesse meio tempo, encontra Louis e Claudia, vampiros criados por Lestat, que recorrem a ele em busca de respostas sobre a origem dos vampiros, os motivos de sua existência e tudo o mais que ele pudesse lhes revelar.

Armand vê em Louis um possível companheiro para sua eternidade solitária, enquanto vê em Claudia um empecilho à união dos dois. Assim sendo, aproveita-se da súbita reaparição de Lestat e seu espírito vingativo, uma vez que Claudia havia tentado destruí-lo pouco antes de vir a viver em Paris com Louis, para pôr fim à existência desta.

Armand e Louis então passam um tempo juntos, mas a afeição entre eles logo desaparece e ambos seguem caminhos diversos.

Já no século XX, Armand conhece Daniel, o repórter do livro Interview with the Vampire, que se tornaria seu amante e futuro consorte nas trevas, pois, tal como acontecera com ele, Daniel se viu à beira da morte e foi transformado em vampiro, tornando-se sua primeira cria. Porém, Daniel logo se desiludiu com o que imaginava ser a vida dos imortais bebedores de sangue, abandonando Armand, que também não mais suportava sua companhia.

Mais tarde, ele atende ao pedido de ajuda de Lestat que, tal como é retratado no livro Memnoch, dizia ter se encontrado com o diabo e queria conselhos sobre uma proposta que este lhe fizera. Lestat resolve aceitar a proposta e é levado por Memnoch (o próprio diabo) ao paraíso e ao inferno.

Retornando Lestat à Terra, Armand passa por um choque tremendo ao visualizar a relíquia que ele trouxera consigo, o véu de Verônica, que, segundo Lestat, fora lhe dado pelo próprio Cristo durante sua Paixão. Armand acredita que nada daquilo foi uma armação para Lestat, que Memnoch era mesmo o diabo e precisava de ajuda, o que trouxe à tona suas antigas crenças na existência de um Deus.

Armand, completamente consternado e em busca de uma espécie de redenção para sua alma, decide se destruir expondo-se à luz do sol. Porém, com quinhentos anos de idade, ele se tornara muito forte e nem mesmo o sol conseguiu reduzir seu corpo a cinzas.

Na sua agonia por estar extremamente queimado, ele ouvia repetidamente Sybelle, uma moça de vinte e cinco anos, tocando a Sonata n. 23 (Apassionata) de Beethoven, trazendo algum alívio à sua dor. Sybelle vivia com Benji, um menino de doze anos comprado como escravo para que lhe fizesse companhia. Ambos resgatam Armand de um telhado coberto de neve, onde ele agonizava queimado e, após uma rápida recuperação, Armand se apaixona por eles, passando a protegê-los e passar com eles suas noites.

Quando retorna para ver o que acontecera com Lestat, Armand o encontra completamente imóvel diante do altar de uma capela, onde os antigos e muitos vampiros curiosos também estavam, a fim de saber o que havia acontecido. Encontrando-se com Marius, ele deixa Sybelle e Benji sob seus cuidados, a fim de tentar se aproximar do corpo sobrenatural de Lestat e tomar seu sangue, para ver o que ele vira na viagem com Memnoch.

Ele alcança seu intento, consegue beber de Lestat. Quando retorna para buscar seus filhos mortais, descobre que eles haviam se tornado imortais como ele, pelas mãos de seu antigo Mestre. Foi uma enorme frustração para ele, fazendo com que tentasse em vão lutar contra Marius, exteriorizando sua raiva. Porém, Sybelle e Benji o acalmam, dizendo que era o que eles queriam, ser como ele, para poder lhe fazer companhia séculos afora. Ele ouve a explicação de Marius, que diz ter feito aquilo por amor. Ambos têm uma pequena discussão, na qual Marius explica suas novas concepções de mundo a Armand. Este continua confuso, mas aceita ficar na casa de Marius por um tempo, junto com Pandora, Sybelle e Benji.

O personagem[editar | editar código-fonte]

Armand é descrito nas crônicas com uma aparência infantil, de um adolescente de 17 anos (idade em que foi transformado em vampiro), mãos delicadas, imberbe, cabelo castanho-avermelhado ondulado, na altura dos ombros. Muitas vezes, durante a narrativa, é comparado em sua aparência a um anjo de Botticelli, com um aspecto sempre inocente. Embora não se enquadre no rol dos "antigos", vampiros que já existem há milênios, ele é um dos mais velhos que aparecem nas crônicas, com trezentos anos a mais que o vampiro Lestat.

Possui muitos poderes, dentre os quais o chamado Dom da Mente (capacidade de ler pensamentos), uma força incalculável, sendo também conhecida sua capacidade de realizar encantamentos, deixando mortais e imortais atordoados e confusos e permitindo-o enganá-los com maior facilidade.

Uma de suas peculiaridades está na ligação que possui com a religião, talvez por ter nascido em um ambiente extremamente penitente (os monges de sua cidade natal costumavam ser enterrados vivos, recebendo apenas o alimento necessário à sobrevivência, a fim de salvarem sua alma).

As crônicas[editar | editar código-fonte]

Ao contrário do que aparece no filme "Entrevista com o Vampiro", Armand não tem cabelos longos, lisos e negros, e sim um pouco abaixo do pescoço, ondulados e castanho-avermelhados. Escreveu sua prórpia biografia chamada "O Vampiro Armand", onde conta toda a sua história desde Kiev Rus até os dias atuais.

No livro O Vampiro Lestat, descobrimos que Lestat já conhecia Armand antes de Louis, e que havia destruído uma seita na qual os vampiros acreditavam que eram filhos do diabo.

Após Entrevista com o Vampiro, Armand aparece no livro O Vampiro Lestat e ainda em A Rainha dos Condenados, ao lado do repórter que entrevistou Louis e novamente em Memnoch, o quinto volume das crônicas.

Fonte: Livro de Anne Rice intitulado "O Vampiro Armand".