Arquelau (general)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Julho de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Arquelau (grego antigo "Άρχέλαος") foi um general (e provavelmente também genro) de Mitrídates VI do Ponto que viveu no Século II a.C..

Combateu contra Roma na Primeira Guerra Mitridática.

Em 89 a.C., duranta a disputa entre Mitrídates e Nicomedes IV da Bitínia pelo controle da Capadócia,[1] Arquelau, com 40.000 soldados de infantaria e 10.000 de cavalaria, derrotou o exército bitínio [2] na batalha do rio Ánias e o exército romano, no comando de Aquílio, na batalha do Monte Scorobas.

Em 87 a.C. foi enviado a Grécia com um grande exército e armada, e ocupou o Pireu após três dias de combates com Bruttius Sura, prefeito da Macedônia, quem no ano anterior derrotara a armada mitridática no comando de Metrófanes e capturado a ilha de Skiathos. Aqui, foi assediado por Sula, obrigado a retirar-se para Beócia e derrotado por completo em Queroneia. Regressou no comando de outro exército pôntico, mas foi novamente derrotado em Orcômeno (85 a.C.), após dois dias de batalha. Quando a paz foi assinada, Arquelau, descobrindo que Mitrídates suspeitava de ele, desertou para o bando romano, por quem foi bem recebido,[carece de fontes?] e serviu de assessor a Lúculo na terceira e última guerra mitridática.[3]

Teve dois filhos:

O seu neto, chamado Sisines, adotou também o nome de Arquelau, em reconhecimento do seu avô. Foi entronado por Marco Antônio como último rei da Capadócia.[4]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. James Ussher, The Annals of the World [em linha]
  2. Memnon de Heracleia, Livros XV e XVI, citado por Fócio, Biblioteca de Fócio [em linha]
  3. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Lúculo, 8.3 [em linha]
  4. Apiano, As Guerras Civis, Livro V, 1.7 [em linha]