Arquelau de Atenas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Arquelau de Atenas
Pré-socráticos
Nome completo Ἀρχέλαος
Escola/Tradição: Escola Jônica
Data de nascimento: Século V a.C.
Local: Atenas ou Mileto
Principais interesses: filosofia da natureza, moral
Trabalhos notáveis Afirmou que o princípio do Movimento era a separação do quente do frio
Influenciado por: Anaxágoras
Influências: Sócrates?, Eurípides?

Arquelau de Atenas (em grego antigo: Ἀρχέλαος; século V a.C.) foi um filósofo da Grécia Antiga, discípulo de Anaxágoras e a tradição o apresenta como mestre de Sócrates. Além da filosofia da natureza, Arquelau preocupou-se com a moral. Ele afirmou que o princípio do Movimento era a separação do quente do frio, a partir da qual ele procurou explicar a formação da Terra e a criação de animais e humanos.

Vida[editar | editar código-fonte]

Arquelau foi um filósofo da Escola Jônica, apelidado Physicus por ter sido o primeiro a ensinar filosofia da natureza em Atenas. Esta afirmação de Diógenes Laércio,[1] é contestada por Clemente de Alexandria,[2] mas os dois podem ser reconciliados supondo que Arquelau tenha sido o primeiro Ateniense a fazê-lo. De acordo com Simplício,[3] que provavelmente obteve a informação de Teofrasto, Arquelau era nativo de Atenas, embora Diógenes Laércio[1] diga que ele é natural de Mileto. Era filho de Apolodoro, ou como alguns dizem, de Mydon, Midon,[4] ou Myson; foi discípulo de Anaxágoras; e é referido que ensinou em Lâmpsaco antes de se ter estabelecido em Atenas. É dito geralmente que ensinou Sócrates e Eurípides. Se tiver sido realmente instrutor de Sócrates, ele nunca foi mencionado por Xenofonte, Platão, or Aristóteles, e esta história pode ter sido apenas uma tentativa de ligar Sócrates à Escola Jónica. Contudo, Diógenes Laércio refere, sob a autoridade de Íon de Quios, um contemporâneo de Sócrates, que Sócrates terá ido com Arquelau numa viagem a Samos.[5] Além disso, alguns estudiosos notaram no relato "autobiográfico" de Sócrates no Fédon de Platão [6] uma referência à teoria de Arquelau sobre a geração e alimentação dos primeiros animais.[7] A tradição que liga Arquelau a Eurípides pode ter surgido da confusão com o patrono de Eurípides, Arquelau, rei da Macedónia.

Filosofia[editar | editar código-fonte]

Anaxágoras, professor de Arquelau

Não sobreviveram quaisquer fragmentos de Arquelau; as suas doutrinas podem ser extraídas a partir de Diógenes Laércio, Simplício, Pseudo-Plutarco, e Hipólito.

Arquelau defendia que o ar e a infinidade são o princípio de todas as coisas, pelo que Pseudo-Plutarco[8] supõe que ele queria dizer ar infinito; e é-nos dito, que por esta afirmação ele pretendia excluir a Mente da criação do mundo.[9] Se assim foi, ele abandonou a doutrina de Anaxágoras no seu ponto mais importante; e parece mais seguro concluir que enquanto ele queria ensinar a noção materialista de que a Mente é formada de ar, ele ainda defendia a Mente infinita como a causa de todas as coisas. Esta explicação tem a vantagem de concordar com Simplício.[3]

Começando com a Matéria primitiva, (idêntica ao ar misturado com a Mente), por um processo de expessamento e afinamento, surgiu o frio e o calor, ou a água e o fogo, um passivo, o outro activo. Arquelau deduziu o movimento a partir da oposição de quente com frio, causada pela vontade da Mente material. Esta oposição separava o fogo e a água, e produziu uma massa viscosa de terra. Enquanto a terra endurecia, a acção do calor sobre a sua humidade deu origem aos animais, que ao princípio eram alimentados pela lama da qual surgiram, e que gradualmente adquiriram o poder de propagar as suas espécies. Os Humanos também apareceram, inicialmente em formas menores. Todos estes animais foram dotados de mente, mas os humanos separaram-se dos outros, e estabeleceram leis e sociedades. Foi apenas a partir deste ponto que ele parece ter passado para a especulação ética, pela proposta de que o certo e o errado não são "por natureza, mas por costume" (em grego: οὐ φύσει ὰλλὰ νόμῳ) - um dogma, sugerido a ele possivelmente pelos sofistas contemporâneos.

Das outras doutrinas de Arquelau, ele defendia que a Terra era plana, mas que a superfície deveria estar pressionada em direcção ao centro; pois se estivesse absolutamente ao mesmo nível, o sol deveria nascer e levantar-se em todos os lugares ao mesmo tempo.[10] Ele referiu também que o Sol era a maior das estrelas. Ele explicou a Fala pelo movimento do ar; por causa disto, ele parece ter adoptado as teorias de Anaxágoras.[11]

Referências

  1. a b Diógenes Laércio, ii. 16
  2. Clemente de Alexandria, Stromata, i.
  3. a b Simplício, in Phys. Aristot. fol. 6, b.
  4. Suda, Archelaos
  5. Diógenes Laércio, ii. 23
  6. Platão, Fédon, 96b
  7. John Burnet 1911, Plato: Phaedo, p. 100.
  8. Pseudo-Plutarco, Plac. Phil. i. 3.
  9. Stobaeus, Ecl. Phys. i. 1, 2.
  10. Hippolytus, i. 8
  11. Pseudo-Plutarco, Plac. Phil. iv. 19.

Fontes[editar | editar código-fonte]


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.