Arquitetura racionalista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde março de 2013).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde março de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Pavilhão da Alemanha na Expo de Barcelona (detalhe).

A arquitetura racionalista é uma corrente surgida na Europa após a Primeira Guerra Mundial. A Art Nouveau, que rompeu com a contradição e sinalizou o primeiro passo fazia um plastificado das linhas construtivas, derivou em ornamentalismo vazio, pelo que no início do século XX originou-se de uma corrente que rechaçava o tal ornamento e aproveitava as descobertas da chamada Segunda Revolução Industrial, cujo objetivo era encontrar um caminho intermediário entre a renúncia à imitação do antigo e a um excessivo tecnicismo padronizador..

Conjugando todos os propósitos racionalizadores e funcionalistas da arquitetura da Revolução Industrial, que haviam encontrado seu campo de experimentação entre 1890 e 1914, formulam-se no pós-guerra distintas opções arquitetônicas de objetivos e métodos próximos, com um repertório formal com constantes relações até condicionar quase um estilo internacional que apresenta semelhanças com as vanguardas pictóricas, especialmente com o cubismo, baseada nos seguintes princípios:

• Esqueleto estrutural do edifício no lugar de simetria axial • Predileção pelas formas geométricas simples, com critérios ortogonais • Emprego da cor e do detalhe construtivo no lugar da decoração sobreposta • Concepção dinâmica do espaço arquitetônico • O uso limitado de materiais como o aço, o concreto ou o vidro (novos materiais)

Entre 1925 e 1940, a orientação racionalista difunde-se em toda a Europa, já por obras isoladas ou por penetração de métodos construtivos novos, originando a formação de diversas escolas. Esta difusão está basicamente ligada ao trabalho dos grandes mestres, tanto os meramente racionalistas como os pioneiros do início do século, que recebem encargos de todo o mundo e que, mediante associação ou colaboração com arquitetos locais, contribuem para expandi-lo apesar das resistências oficiais e acadêmicas.

Assim, pode-se dizer que o racionalismo arquitetônico, é a depuração do saturado, deixando somente o essencial, o prático e funcional para cada situação.

Na escola francesa destaca-se o importante trabalho de pesquisa do arquiteto Le Corbusier, principal figura do racionalismo europeu e mundial.

Origem[editar | editar código-fonte]

O racionalismo arquitetônico corresponde a uma tendência introduzida na Europa, no início do século XX, que mantém forte compromisso com as conquistas da estética do cubismo. A experiência da Bauhaus (1919) é decisiva para o desenvolvimento de uma linhagem racionalista no campo da arquitetura. As pesquisas formais e as tendências construtivistas realizadas com o máximo de economia na utilização do solo e na construção; a atenção às características específicas de diferentes materiais (madeira, ferro, vidro, metais etc.), a idéia de que a forma artística deriva de um método, ou problema, previamente definido, o que leva à correspondência entre forma e função; e o recurso permanente às novas tecnologias estão entre os principais postulados da escola criada e dirigida por Walter Gropius (1883 - 1969). A utilização de materiais novos, a estrutura aparente, as coberturas planas, o despojamento da ornamentação, as grandes superfícies envidraçadas e a preocupação com o espaço interno do edifício constituem outros pontos centrais da chamada arquitetura racionalista.

Arquitetos racionalistas mais importantes[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Melvin, Jeremy, ...Isms: Understanding Architectural Styles, New York: Universe Publishing, 2006
  • Frampton, Kenneth, Modern Architecture: A Critical History, New York: Thames & Hudson Inc., 1992
Ícone de esboço Este artigo sobre arquitetura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.