Arquivo de dispositivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em sistemas operacionais, um arquivo de dispositivo, ou arquivo especial, é uma interface para um driver de dispositivo que aparece no sistema de arquivos como se fosse um arquivo ordinário. Isto permite que o software interaja com os drivers de dispositivo utilizando as chamadas de sistema (system calls) padronizadas para operações de entrada/saída, simplificando muitas tarefas.

Frequentemente, os arquivos de dispositivo são utilizados como simples interfaces para dispositivos periféricos, como impressoras. Mas eles também podem ser usados para o acesso de recursos específicos nestes dispositivos, como partições em um disco. Finalmente, os arquivos de dispositivo são uteís para o acesso a recursos do sistema que não tem conexão com um dispositivo físico, como o /dev/null e geradores de números aleatórios.

Arquivos especiais do Unix[editar | editar código-fonte]

Existem dois tipos de nós de dispositivo nos sistemas operacionais tipo Unix, conhecidos como arquivos especiais de caractere e arquivos especiais de bloco. A diferença entre eles reside na forma como são processadas as operações de entrada/saída pelo sistema operacional e pelo hardware. Estes dois tipos de arquivo podem ser chamados de "arquivos especiais de dispositivo" em contraste com os named pipes, que não são conectados a um dispositivo e também não são arquivos ordinários.

Arquivos de dispositivo do MS-DOS[editar | editar código-fonte]

O MS-DOS emprestou o conceito de arquivos especiais do Unix, mas os renomeou para arquivos de dispositivo. Devido ao fato de versões antigas do MS-DOS não suportarem hierarquia de diretórios, os arquivos de dispositivo eram diferenciados dos arquivos regulares pelo uso de palavras reservadas para nomeá-los. Isto implica que certos nomes de arquivo são reservados para arquivos de dispositivo, e não podem ser utilizados para nomear arquivos e diretórios. Os nomes reservados, por sua vez, foram criados para serem compatíveis com a manipulação de "arquivos especiais" por parte do comando PIP no CP/M.

Alguns dos arquivos de dispositivo são listados abaixo:

Nome do arquivo propósito
CON dispositivo de console
PRN impressora
AUX Dispositivo auxiliar
COM0 COM1 COM2 COM3 COM4 COM5 COM6 COM7 COM8 COM9 portas seriais
LPT1 LPT2 PRN portas paralelas
NUL Bit bucket

Uma palavra reservada não pode sequer ser utilizada como extensão de arquivo, os nomes de arquivo "nul.doc" e "con.html" são inválidos. Isto acaba confundindo usuários leigos e aborrecendo usuários técnicos.

A documentação da Microsoft se refere aos "arquivos de dispositivo MS-DOS" mesmo no sistema Windows NT, que não é baseado no MS-DOS.