Arroio do Padre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Arroio do Padre
Prédio na área central da cidade

Prédio na área central da cidade
Bandeira desconhecida
Brasão de Arroio do Padre
Bandeira desconhecida Brasão
Hino
Aniversário 17 de abril
Fundação 17 de abril de 1996 (18 anos)
Gentílico arroio-padrense
Prefeito(a) Leonir Aldrighi Baschi (DEM)
(2013–2016)
Localização
Localização de Arroio do Padre
Localização de Arroio do Padre no Rio Grande do Sul
Arroio do Padre está localizado em: Brasil
Arroio do Padre
Localização de Arroio do Padre no Brasil
31° 26' 34" S 52° 25' 19" O31° 26' 34" S 52° 25' 19" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Sudeste Rio-grandense IBGE/2008[1]
Microrregião Pelotas IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Enclave de Pelotas
Distância até a capital 268 km
Características geográficas
Área 124,321 km² [2]
População 2 730 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 21,96 hab./km²
Altitude 290 m
Clima subtropical Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
PIB R$ 23 550,452 mil IBGE/2008[4]
PIB per capita R$ 8 248,84 IBGE/2008[4]
Página oficial

Arroio do Padre é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul. Sua população estimada em 2004 era de 2.739 habitantes. A rodovia RS-737, também conhecida como FEDERECA, corta o municipio, que é enclave de Pelotas e o liga à rodovia BR-116. Por ela, chega-se à zona urbana de Pelotas.

É um município que faz parte da bacia hidrográfica do rio Camaquã, criado em 16 de abril de 1996, pela Lei estadual nº 10.738, emancipando-se de Pelotas.

A maioria dos moradores é descendente de pomeranos e em várias casas ainda se fala o dialeto trazido da Pomerânia (região histórica da Alemanha, hoje pertencente à Polônia): O pomerano (pommersch), uma variante do baixo-alemão, também conhecido como plattdeutsch.

História[editar | editar código-fonte]

Origem da denominação[editar | editar código-fonte]

O nome do antigo distrito, hoje município, Arroio do Padre advém do nome do organizador e primeiro administrador de Feitoria – o padre Francisco Xavier Prates. Era professor do Mosteiro de São Bento e do Convento Santo Antônio no Rio de Janeiro, tendo falecido em 1784, e irmão de Paulo Xavier Rodrigues Prates, mais tarde proprietário da região da cidade de Canguçu e da ilha hoje da Feitoria e de todo o primitivo Rincão do Canguçu, a concluir-se de mapa elaborado por Alberto Coelho da Cunha, refletindo as sesmarias concedidas em Pelotas.

O padre Prates era cunhado do então tenente-coronel Manuel Marques de Sousa, herói da expulsão dos espanhóis da Vila de Rio Grande em 1º de abril de 1776. Ou, por outro lado, subcomandante da Legião de Cavalaria Ligeira da Fronteira do Rio Grande, com base na estância do Pavão e ao comando de seu proprietário, o então coronel Rafael Pinto Bandeira e raiz histórica da 8ª Brigada de Infantaria Motorizada que tem como patrono o marechal Manuel Marques de Sousa.

Política[editar | editar código-fonte]

O prefeito é Leonir Aldrighi Baschi (DEM), o vice é Luiz Carlos Lichtnow (DEM), com mandato até 31 de dezembro de 2016.

O primeiro prefeito do municipio do Arroio do Padre foi Almiro Buss (PDT) com Gilnei Fischer (PFL) como vice no ano de 2000. Em 2004, foi eleito como prefeito Gilnei Fischer(PFL) com Jaime Starke (PP) como vice. No ano de 2008 foi eleito como prefeito Jaime Starke(PP) e como vice Gilmar Schlesener (PDT).

Em 2006, foi o município brasileiro no qual o presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve a menor votação (apenas 11,4%).

Em 2002, o município já havia chamado a atenção do país por garantir ao candidato a governador Germano Rigotto (PMDB) a maior votação do todo o Rio Grande do Sul no segundo turno, com 84,7% do total de votos, contra 11,2% do candidato do PT, Tarso Genro. Naquele mesmo pleito, o candidato a presidente José Serra (PSDB) recebeu 79,7% do total de votos, e Lula, 15,8%.[5]

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia é dominada pelo setor primário. Destacam-se as plantações de tabaco, milho e verduras. A pecuária leiteira também tem papel importante na economia do município.

O município tem como características o minifúndio e a policultura. É formado por pequenas propriedades rurais, cada uma em torno de 20 hectares, que são cultivadas com mão-de-obra familiar.

Demografia[editar | editar código-fonte]

A grande maioria dos moradores é descendente de pomeranos e em várias casas ainda é falado o pomerano (pommersch), uma variante do baixo-alemão, conhecido também como plattdeutsch. Quanto à religião, a mairoria dos habitantes é evangélica luterana. Embora o nome do município possua uma referência à Igreja Católica (padre), quase não há católicos dentre seus habitantes. A maioria dos habitantes é membro das igrejas luteranas (IECLB, IELB e a IELI).

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Arroio do Padre é um dos quatro municípios do Brasil que são enclaves, estando geograficamente situado "dentro" do município de Pelotas. Os outros três são Águas de São Pedro-SP, Ladário-MS e Portelândia-GO.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  5. Rejeição a Lula faz Arroio do Padre votar em Geraldo Alckmin, BBC Brasil.com, 20 de outubro de 2006..

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.