Artéria ilíaca interna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde novembro de 2007). Ajude e colabore com a tradução.
Artéria ilíaca interna
Frente do abdômen, mostrando as marcas da superfície pelas artérias e pelo canal inguinal.
Nome em Latim arteria iliaca interna
Gray's subject #155 614
Origem artéria ilíaca comum
Ramos iliolumbar artery, artéria sacral lateral, artéria glútea superior, artéria glútea inferior, artéria retal média, artéria uterina, artéria obturatória, artéria vesical inferior, artéria vesical superior, artéria umbilical obliterada, artéria pudenda interna
MeSH A07.231.114.444
Dorlands/Elsevier a_61/12154560

A artéria ilíaca interna (antigamente chamada de artéria hipogástrica) é a principal artéria da pelve.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A artéria ilíaca interna vasculariza as paredes e vísceras da pelve, as nádegas, os órgãos reprodutivos e o compartimento medial da coxa.

É um vaso curto e pequeno, menor que a artéria ilíaca externa, com cerca de 4 cm de comprimento.

Trajetória[editar | editar código-fonte]

Ela surge na bifurcação da artéria ilíaca comum, em oposição à articulação lombosacral (disco intervertebral L5/S1), e , passando abaixo da margem superior do forame isquiático maior, se divide em dois largos troncos, o anterior e o posterior.

Relações da artéria em diversos pontos: é posterior ao ureter, anterior à veia ilíaca interna, ao tronco lombosacral, e ao músculo piriforme; perto de sua origem, é medial à veia ilíaca externa, a qual descansa entre a artéria e o músculo psoas maior; está acima do nervo obturatório.

Ramos[editar | editar código-fonte]

A disposição exata dos ramos da artéria ilíaca interna é variável. Geralmente, a artéria se divide em uma divisão anterior e uma posterior, com a posterior dando origem às artérias glútea superior, iliolombar e sacral lateral. As restantes geralmente são originadas da divisão anterior.

Abaixo estão os ramos da artéria ilíaca interna, que possui muitas variações em seus ramos:

Divisão Ramo Sub-ramo Para
Posterior artéria iliolombar ramos lombares e ilíacos músculo psoas maior, músculo quadrado lombar, músculo ilíaco
Posterior artérias sacrais laterais ramos superior e inferior anterior sacral foramina
Posterior artéria glútea superior - forame isquiático maior
Anterior artéria obturatória (às vezes artéria epigástrica inferior) - obturator canal
Anterior artéria glútea inferior - forame isquiático maior
Anterior artéria umbilical artéria vesical superior (geralmente, mas às vezes ela se ramifica diretamente do tronco anterior) ligamento umbilical medial
Anterior artéria uterina (nas mulheres) ou artéria para o ducto deferente (nos homens) superior and vaginal branches útero, ducto deferente
Anterior artéria vaginal (nas mulheres, também pode ser ramo da artéria uterina) ou artéria vesical inferior (nos homens) - vagina, bexiga urinária
Anterior artéria retal média - reto
Anterior artéria pudenda interna muitos ramos - veja artigo para detalhes forame isquiático maior

Estrutura em fetos[editar | editar código-fonte]

Nos fetos, a artéria ilíaca interna é duas vezes mais larga que a ilíaca externa, e é continuação direta da ilíaca comum.

Ele sobe ao longo do lado da bexiga, e corre para cima na parte de trás da parede anterior do abdômen para o umbigo, convergindo em direção ao lado oposto.

Depois de passar através da abertura umbilical, as duas artérias agora denominado umbilical, entra o cordão umbilical, onde são enrolados em torno da veia umbilical, e, finalmente, se ramificam na placenta.

No momento do nascimento, quando cessa a circulação placentária, apenas a porção pélvica da artéria umbilical permanece dando origem à artéria vesical superior (ou artérias) do adulto, o restante da veia é convertida em um cordão contínuo de fibras, o ligamento umbilical medial (também conhecido como a artéria hipogástrica obliterado) que se estende da pelve para o umbigo.

Variações[editar | editar código-fonte]

Em dois terços de um grande número de casos, a variação do comprimento da ilíaca interna é entre 2,25 e 3,4 cm; no terço restante era mais freqüentemente mais comprida do que curta, sendo o comprimento máximo de 7 cm e o mínimo de 1 cm.

Os comprimentos das artérias ilíacas comum e interna apresentam uma proporção inversa entre cada um: a artéria ilíaca interna sendo comprida quando a ilíaca comum é curta, e vice versa.

O local da divisão da artéria ilíaca interna varia entre a margem superior do sacro e a borda superior do forame isquiático maior.

Circulação colateral[editar | editar código-fonte]

The circulation after ligature of the internal iliac artery is carried on by the anastomoses of:

Imagens adicionais[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]