Artigo científico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2012)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Artigo científico é o trabalho acadêmico que apresenta resultados sucintos de uma pesquisa realizada de acordo com o método científico aceito por uma comunidade de pesquisadores. Por esse motivo, considera-se científico o artigo que foi submetido a exame por outros cientistas, que verificam as informações, os métodos e a precisão lógico-metodológica das conclusões ou resultados obtidos.

Em geral, é produção de 40 páginas ou menos. Pode ser resultado de sínteses de trabalhos maiores ou elaborados em número de três ou quatro, em substituição às teses e dissertações; são desenvolvidos, nesses casos, sob a assistência de um orientador acadêmico. São submetidos às comissões e conselhos editoriais dos periódicos, que avaliam sua qualidade e decidem sobre sua relevância e adequação ao veículo.

Origem[editar | editar código-fonte]

Conforme Souza, M. F. S, et all (2004, p. 71-89), "Nas correspondências trocadas entre as várias cortes europeias (Mecanismo de comunicação). As ideias circulavam através de cartas já que eram para grupos restritos. As cartas tornaram-se um método de expressão crítica que ficou conhecido como Republique des Lettres. Correspondência entre Paris e Londres. Tiveram problemas com este método de troca de informações, pois cada dia aumentava o fluxo de correspondências e a solução veio com a forma impressa.A imprensa se destacou com a publicação de seus métodos científicos dentre os intelectuais e propriamente " endinheirados" da época, o que repercute os dias atuais tendo nas pessoas da alta sociedade os mais cultos na maioria das vezes. Podem ser originais, de revisão, teóricos, de análise e classificatório".

Apresentação[editar | editar código-fonte]

É apresentado segundo a linguagem e método próprios de uma área da ciência e, de modo geral, com uma estrutura lógica de argumentação, apresentando inicialmente o problema ou objetivo da investigação, o conjunto de hipóteses, as possíveis soluções do problema ou modos de se atingir o objetivo, uma descrição dos métodos e técnicas utilizados, uma análise dos resultados obtidos, uma conclusão que aponta qual hipótese foi verificada experimentalmente.

Como há diversidade no que seja o método em cada área da ciência, a forma do artigo científico pode variar em sua apresentação, não existindo uma estrutura única que assegure, por si mesma, a cientificidade de um artigo ou texto que se pretenda científico.

Diante dessa impossibilidade de uma construção textual objetivamente científica, há a necessidade do exame do artigo pela comunidade científica, pois a ciência é uma forma de conhecimento de caráter público, cuja validade só se estabelece após o debate em torno dos resultados apresentados e do caminho percorrido - o método - que conduziu a sua construção.

Deste modo, o artigo científico, ao tornar público e aberto ao debate o conhecimento elaborado em pesquisa, é um meio fundamental para a divulgação e desenvolvimento da ciência.

Após o período de globalização, tem contribuído para a organização das informações nas diversas áreas do conhecimento de modo a tornar oficial a busca mais profunda de um determinado conhecimento.Facilita o direcionamento das pesquisas e as escolhas de onde se deve investir mais no conhecimento científico.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • CAMARGO, Ana Maria de Almeida; BELLOTTO, Heloísa Liberalli (orgs.). Dicionário de terminologia arquivística. São Paulo: Associação dos Arquivistas Brasileiros – Núcleo de São Paulo / Secretaria de Estado da Cultura – Departamento de Museus e Arquivos, 1996.
  • ECO, Umberto. Como se Faz uma Tese - 14ª ed., São Paulo: Ed. Perspectiva, 1996.
  • EMBRAPA. Manual de Referenciação Bibliográfica da Embrapa[1]
  • FRANÇA, Júnia Lessa et al. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.
  • GARCIA, Mauricio. Normas para elaboração de dissertações e monografias. São Paulo: Universidade do Grande ABC, 2000.
  • SOUZA, Maria Fernanda Sarmento et all. Critérios de qualidade em artigos e periódicos científicos: da mídia impressa à eletrônica. Transinformação, Campinas, v.16, n.1, p. 71-89, jan./ abr.2004. Disponível em:< http://revistas.puccampinas.edu.br/transinfo/search.php?op=search&query=Crit%E9rios+de+qualidade+em+artigos+e+peri%F3dicos+cient%EDficos%3A+da+m%EDdia+impressa+%E0+eletr%F4nica&limit=all>. Acesso em: 08 Dez. 2012.