Artur Cimirro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Artur Cimirro
Nascimento 30 de Setembro de 1982  (32 anos)
Nacionalidade Brasileiro
Ocupação compositor, pianista virtuose e crítico de arte

Artur Cimirro, (Bagé, RS, 30 de Setembro de 1982) é um pianista virtuose [1] , compositor e crítico de arte brasileiro[2] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Bagé, Rio Grande do Sul, Brasil, Artur Cimirro iniciou seus estudos em 1995 com o violão e a partir de 2001 dedicou-se apenas ao piano. Cimirro teve aulas com Leandro Menezes Faber e participou de master classes com vários pianistas.

Artur Cimirro tem feito recitais no Brasil e em outros países como Espanha, Alemanha, França, Suíça. Polônia, Bulgária, Nova Zelândia e Austrália convidado por Universidades de Música e Festivais Internacionais [3]

Durante seus estudos Artur Cimirro desenvolveu uma técnica interpretativa que é chamada de "Sistema Científico de Interpretação" [4] onde as obras são analisadas levando em consideração os fatores históricos que envolvem compositor e obra, com uma fidelidade à leitura da partitura nos eu contexto composicional.

Como compositor, Artur Cimirro é influenciado pelas diferentes linguagens de compositores/pianistas como Franz Liszt, Leopold Godowsky, Ferrucio Busoni, Kaikhosru Sorabji. Dentre as obras de Cimirro contam uma Sonata para piano (seu Op. 3) que dura cerca de 2 horas para ser executada em seus 6 movimentos bem como obras sinfônicas incluindo dois Poemas Sinfônicos (sendo o n.º 1 "A Máscara da Morte Escarlate" baseado em conto homônimo de Edgar Alan Poe e o No.2 "Curupira"). No presente momento uma ópera chamada "O Rei dos Judeus", com texto em Aramaico, baseada na vida de Jesus Cristo está sendo composta por Cimirro.[5] Além disso, Cimirro fez seu segundo grupo de "Prelúdios Excêntricos Op.13" especialmente para os pianos de 102 teclas criados pela empresa Stuart & Sons e também foi o primeiro compositor no mundo a fazer obras para os pianos de 108 teclas (Começando em um dó abaixo do lá grave dos pianos de 88 teclas e terminando em um si acima do dó agudo - 8 oitavas para cada tecla), idealização recente de Wayne Stuart.

Cimirro foi o primeiro estrangeiro a vencer na Polônia o “V Konkurs na Projekt Nagraniowy Zapomniana Muzyka Polska”, em 2008, com o projeto de gravação de CDs com a obra completa do compositor Carl Tausig (1841-1871).[6]

Desde então críticos especializados de música tem o comparado aos maiores ícones do virtuosismo pianístico como Liszt, Godowsky, Cziffra e Horowitz. Devido às suas transcrições e paráfrases Cimirro também foi chamado de "A Reencarnação de Liszt".[7]

Em Maio de 2010 Artur Cimirro recebeu no Rio Grande do Sul o troféu "Bravo - Álvaro Godoy" em reconhecimento a sua trajetória como pianista pelo mundo.

Em 2011 foi convidado pela Stuart & Sons Handcrafted Pianos a fazer gravações e concertos na Austrália, o resultado desta turnê foi o CD e DVD "Artur Cimirro plays Stuart & Sons in Terra Australis"[8] .

Artur Cimirro foi também o primeiro pianista internacional a tocar no maior piano do mundo, um piano de 5,7 metros feito por Adriann Mann, um jovem neo-zelandês de 23 anos, fazendo dois concertos especiais em uma fazenda na zona rural da cidade de Timaru (Nova Zelândia)[9] .

Artur Cimirro é dono do blogue Opus Dissonus onde atua como crítico de arte.

Composições[editar | editar código-fonte]

OBRAS COM NÚMERO DE OPUS
  • Op.01 8 Estudos para piano
  • Op.02 Reminiscências de Carmina Burana para piano
  • Op.03 Sonata para piano (com 108 teclas)
  • Op.04 Variações em forma de estudo sobre 'Dies Irae' para piano
  • Op.05 Noturno No.1 para piano
  • Op.06 Prelúdio, Passacaglia & Chacona para piano
  • Op.07 Homenagem à Cziffra - 6 Paráfrases de Concerto sobre temas famosos para piano
  • Op.08 3 Prelúdios Excêntricos para piano
  • Op.09 Tocata, Intermezzo & Romance para piano/mão esquerda solo
  • Op.10 2 Scherzi para piano
  • Op.11 Noturno No.2 para piano
  • Op.12 4 Peças Românticas para piano
  • Op.13 Prelúdios Excêntricos para piano (com 102 teclas - pianos Stuart & Sons)
  • Op.14 Tocata Quântica para piano
  • Op.15 Noturno Sinfônico para orquestra
  • Op.16 A Máscara da Morte Escarlate - Poema Sinfônico No.1 para orquestra
  • Op.17 Exu para orquestra
  • Op.18 Curupira - Poema Sinfônico No.2 para orquestra
  • Op.19 Noturno No.3 para piano
  • Op.20 Prelúdios Excêntricos para piano (com 108 teclas)
OBRAS SEM NÚMERO DE OPUS
  • 53 Ensaios [piano] (1998-2000)
  • Concerto [piano & orquestra] (1999/2001)
  • 3 Prelúdios [piano] (2001)
  • Arabesque Amazônico [piano] (2001)
  • Dança dos Demônios [piano] (2001-2)
  • Fantasia [piano & orquestra] (2002)
  • 2 Valsas [piano] (2002-3)
  • Abertura para 'Édipo' [orquestra] (2003)
  • Uma Valsa Mefisto - Homenagem a Franz Liszt [piano] (2003-4)
  • Fantoches [piano] (2004)
  • Homenagem a K.Sorabji [piano] (2007)
  • 5 Variações sobre um tema de Beethoven para W.Prado [piano] (2009-11)


Transcrições[editar | editar código-fonte]

Mais de 70 transcrições de obras de: Isaac Albéniz, Johann Sebastian Bach, Ludwig van Beethoven, Hector Berlioz, Leonard Bernstein, Johannes Brahms, Dimitri Cervo, Frédéric Chopin, Maurice Duruflé, Arthur Honegger, Franz Liszt, Wolfgang Amadeus Mozart, Alberto Nepomuceno, Sergei Rachmaninoff, Maurice Ravel, Nikolai Rimsky-Korsakov, Camille Saint-Saens, Franz Schubert, Robert Schumann, Heinrich Schütz, Dimitri Shostakovich, Ígor Stravinsky, Piotr Ilitch Tchaikovsky, Heitor Villa-Lobos, Antonio Vivaldi e Richard Wagner

Discografia[editar | editar código-fonte]

2011 - Artur Cimirro plays Stuart & Sons in Terra Australis

Referências

  1. Mosman Daily, Sydney/Austrália, artigo de Kate Crawford - 18/05/2011
  2. Opus Dissonus Blog
  3. Página Oficial de Artur Cimirro
  4. Entrevista com Marcos H. Pfeifer em Movimento.com
  5. Entrevista com Marcos H.Pfeifer em Movimento.com
  6. Muzyka21, Maio 2008, p. 8.
  7. Revista Brasileiros, Julho 2012 p.46
  8. Website da Stuart & Sons
  9. Matéria da TV1-NZ

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]