Arturo Pérez-Reverte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Arturo Pérez-Reverte

Arturo Pérez-Reverte (Cartagena, 24 de novembro de 1951) é um novelista e jornalista espanhol. Desde o ano de 2003 é, também, membro da Real Academia Espanhola da língua.

A sua obra está traduzida em quase trinta idiomas.

Antigo repórter de guerra, dedica-se em exclusivo à escrita desde finais dos anos 1980, tendo editado romances como "O cemitério dos barcos sem nome", "Território Comanche", "O hussardo", "O pintor de batalhas" e os seis romances da série de aventuras "Capitão Alatriste".

Temas como o cansancio do héroi, a aventura, a amizade, a viagem como perigo, a morte coma última viagem, e a cultura e a memória como única salvaçao que permite compreender a realidade, suportar a dor e conhecer a identidade da pessoa e do mundo sao frequentes em seus romances. A visão que o escritor tem da existência em geral é sombria. Odeia o humanismo cristião e acredita que a filosofia pagana tem uma visão mais exata e cruel do mundo.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Foi repórter de guerra durante vinte anos. Esteve nas guerras do Libano, Nicarágua, Moçambique, Eritréia e Jugoslávia, entre outras.
  • Em plena guerra da Eritréia, foi salvo por milicianos no deserto. Porém foi obrigado a lutar com eles, presenciando estupros e torturas horríveis. Finalmente conseguiu chegar a Khartum, no Sudão, num velho e sujo caminhão.
  • A sua visão da existencia é profundamente pessimista, por causa da sua experiencia como repórter de guerra.
  • Sempre polêmico, escreve artigos na revista dominical XLSemanal. Neles critica com dureza a sociedade espanhola, a Igreja católica, o sistema financieiro internacional, a precariedade laboral juvenil, o feminismo radical, o separatismo basco e catalão, a linguagem politicamente correta, o terrotismo da ETA, entre outros temas.
  • O seu romance "A Rainha do Sul", sobre uma mulher narcotraficante mexicana foi adaptado em versão novela nos Estados Unidos, fazendo grande sucesso na comunidade latina.
  • É um profundo admirador da cultura mexicana, tendo feito dois romances ambientados no país: "A Rainha do Sul" e "Olhos azuis".
  • Como lembrança dos seus anos de repórter de guerra, tem em casa um fuzil Kalashnikov totalmente inutilizado pela polícia espanhola. É capaz de montá-lo e desmontá-lo até com as luzes apagadas.
  • Um artigo seu criticando duramente o presidente do governo espanhol Zapatero criou bastante polêmica em Espanha.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.