Ary Coslov

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ary Coslov
Nome completo Ary Coslovsky
Nascimento 10 de setembro de 1942 (71 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação ator e diretor de televisão e de teatro
Outros prêmios
Premios SHELL e APTR (2009) pela direção da peça "Traição" de Harold Pinter
IMDb: (inglês)

Ary Coslov [Ary Coslovsky] (Rio de Janeiro, 10 de setembro de 1942) é um ator e diretor brasileiro de teatro e de televisão.

Trabalhos como diretor de televisão[editar | editar código-fonte]

Principais trabalhos como diretor de teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1977 - "Palácio do tango" de Maria Irene Fornes
  • 1978 - "Sanduiche" de diversos autores
  • 1986 - "Pedra a tragédia" de Mauro Rasi, Vicente Pereira e Miguel Falabella
  • 1986 - "Dona Rosita a solteira" de Garcia Lorca
  • 1986 - "Ligações horrorosas" de Luis Carlos Góes
  • 2001 - "Polaroides explícitas" de Mark Ravenhill
  • 2002 - "Entre o vermute e a sopa" textos de Machado de Assis e Arthur Azevedo
  • 2003 - "O Irresistível Sr. Sloane" de Joe Orton
  • 2005 - "Em busca do homem perdido" de Bia Montez e Fatima Valença
  • 2008 - "Traição" de Harold Pinter (Prêmios SHELL e APTR)
  • 2009 - "A Carpa" de Melanie Dimantas e Denise Crispum
  • 2010 - "A Varanda de Golda" de William Gibson
  • 2011 - "Por pouco" de Samuel Benchetrit
  • 2012 - "Pinteresco" - 10 textos de Harold Pinter
  • 2013 - "Fish & chips" - de Tereza Briggs-Novaes
  • 2014 - "Relações aparentes" de Alan Ayckbourn

Trabalhos como ator de televisão e cinema[editar | editar código-fonte]

Você Decide:

  • 1992 - Entre a Tempestade e a Calmaria
  • 1993 - Você Toda Nua
  • 1997 - Morte em Vida

Principais trabalhos como ator de teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1963 - "Aonde vais, Isabel?" de Maria Inês de Almeida
  • 1963 - "Roleta paulista" de Pedro Bloch
  • 1964 - "O Hóspede inesperado" de Agatha Christie
  • 1964 - "A Tempestade" de William Shakespeare
  • 1965 - "Mortos sem sepultura" de Jean-Paul Sartre
  • 1965 - "Labirinto" de Fernando Arrabal
  • 1966 - "A Bossa da conquista" de Ann Jellicoe
  • 1967 - "Pequenos burgueses" de Maksim Gorki
  • 1967 - "Os Corruptos" de Lillian Hellman
  • 1968 - "Juventude em crise" de Ferdinand Bruckner
  • 1972 - "Tango" de Slawomir Mrozeck
  • 1974 - "Tropix" de Mossa Bildner
  • 1975 - "Titus Andronicus" de William Shakespeare
  • 1978 - "A Fila" de Israel Horowitz
  • 2010 - "Produto" de Mark Ravenhill

Ligações externas[editar | editar código-fonte]