Aserá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Aserá (em ugarítico: 𐎀𐎘𐎗𐎚, 'ṯrt; hebraico: אֲשֵׁרָה‎) é, na mitologia semítica, uma deusa mãe canaanita da fertilidade, do amor e da guerra, que aparece em várias fontes acadianas escritas pelo nome de Ashratum/Ashratu e entre os hititas Asherdu, Ashertu, Aserdu ou Asertu. Aserá é geralmente considerada idêntica à deusa ugarita Athirat ou Atirat.

O livro de Jeremias, escrito por volta de 628 a.C., refere-se a Aserá quando menciona a "rainha dos céus" nos capítulos 7,18 e 44,18 na qual Jeremias condena o culto dos hebreus (judeus) á "rainha dos céus", estabelecendo culto ao único Deus de Israel e rejeitando qualquer outros deuses e divindades.

Especula-se que nas religiões pré-hebraicas Aserá era a consorte do deus principal, ou seja, a esposa de Yaweh. Claramente, tal ideia não foi comprovada, e essa área é bem incerta. Na religião pré-hebraica estipulava-se o culto e adoração ao Deus Altíssimo descrito no Toráh. A adoração à outros deuses e divindades era publicamente condenada tanto pelo Toráh quanto pelos profetas do Altíssimo e não se tem menção de uma esposa divina em nenhum lugar, apenas a condenação a adoração à "rainha dos céus" conhecida por outros povos como Aserá.

Ver também[editar | editar código-fonte]