Ashley Montagu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ashley Montagu
nascido Israel Ehrenberg[1]
Dados gerais
Naturalidade Inglaterrainglesa
Nacionalidade Estados UnidosEstados Unidos
Nascimento 28 de Junho de 1905
Morte 26 de novembro de 1999
Cônjuge Marjorie Peakes[2]
Instituições Harvard, Universidade de Princeton, Universidade Rutgers, Universidade da Califórnia e Universidade de Nova York
Orientador(es) Franz Boas e Ruth Benedict
Prêmio(s) Humanista do Ano[3]


Ashley Montagu (Londres, 28 de junho de 1905Princeton, 26 de novembro de 1999) foi um antropólogo e humanista inglês que popularizou relações entre raça, o gênero humano e a sua relação à política e ao desenvolvimento. Foi o relator (investigador nomeado), em 1950, para declaração de 1950 da UNESCO A Questão da Raça. Quando jovem, mudou seu nome para "Montague Francis Ashley-Montagu". Depois de se mudar para o Estados Unidos ele usou o nome de "Ashley Montagu". Montagu, que se tornou um cidadão naturalizado americano em 1940, ensinou e deu palestras na Harvard, Universidade de Princeton, Universidade Rutgers, Universidade da Califórnia e Universidade de Nova York.[4] Ele escreveu mais de sessenta livros ao longo desta vida. Em 1995, a Associação Humanista Americana o nomeou Humanista do Ano[5] .

Vida e Educação[editar | editar código-fonte]

Montagu chamava-se Israel Ehrenberg[1] e nasceu em 28 de junho de 1905, em Londres. De acordo com uma entrevista de 1995 para Leonard Lieberman, Andrew Lyons e Harriet Lyons na publicação Current Anthropology, Montagu cresceu em East End de Londres. Montagu desenvolveu um interesse em anatomia muito cedo e ainda um menino de doze fez amizade com Arthur Keith, com quem estudou informalmente. Em 1922, na Universidade de Londres (e mais tarde na Universidade de Florença) Montagu se tornou um estudante de psicologia e antropologia. Como exemplo de seus dons incomparáveis​​, foi convidado a se apresentar à Sociedade Crítica do University College de um curso pioneiro sobre psicanálise. Em 1936, na Universidade de Columbia, ganhou um PhD em antropologia com os professores Franz Boas e Ruth Benedict[6] .

Carreira[editar | editar código-fonte]

Durante vinte anos, ensinou anatomia nas escolas de medicina americanas, em seguida, tornou-se presidente do Departamento de Antropologia da Universidade Rutgers por seis anos. Vítima do macartismo[7] , Montagu foi forçado a sair de sua posição na Universidade de Rutgers, em 1953, e assim ficou o resto de sua vida fora do sistema universitário, concentrando-se em escrever para um público popular[8] o que lhe rendeu participações e entrevistas em programas como The Tonight Show com Johnny Carson, The Arlene Francis Show e especiais sobre ciências humanas [3] .

Durante os anos 50, Montagu publicou uma série de obras que questionam a validade da raça como um conceito biológico, incluindo o relatório A Questão da Raça, e o seu bem conhecido livro Man’s Most Dangerous Myth: the Fallacy of Race.

Ativismo[editar | editar código-fonte]

Mais tarde ainda em vida, Montagu se opôs ativamente contra a mutilação genital de crianças como a excisão feminina e a circuncisão. Em 1994, James Prescott, Ph.D., escreveu o Resolução Ashley Montagu para acabar com a mutilação genital de crianças no mundo inteiro: uma petição à Corte Internacional de Haia, em homenagem do Dr. Montagu, que foi um dos seus signatários originais[9] .

Obras[editar | editar código-fonte]

Em português
Em inglês

Referências

  1. a b Ashley Montagu (em inglês)
  2. IMDB - Ashley Montagu
  3. a b IMDB Ashley Montagu
  4. The Ashley Montagu Institute; Roderic Gorney MD, Los Angeles
  5. Humanists of the Year (em inglês)
  6. The Ashley Montagu Institute (AMI) (em inglês)
  7. "Devido a disputas sobre o seu envolvimento com a UNESCO na criação da Declaração sobre Raça, Montagu tornou-se um alvo de anti-comunistas, e foi demitido da Universidade Rutgers" Marks, J. (2008). Chapter 14: "Race Across the Physical-Cultural Divide in American Anthropology". Kuklick, Henrika, ed. A New History of Anthropology. Malden, Massachusetts: Blackwell ISBN 978-0-470-76621-7 (em inglês)
  8. American Ethnography Quasimonthly - The genetical theory of race, and anthropological method (em inglês)
  9. The Ashley Montagu Campaign Against the Torture and Mutilation of Children (em inglês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Ashley Montagu