Askafroa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Um freixo europeu.

A Askafroa (sueca "senhora da cinza"), foi um ser no folclore sueco do sul que foi pensado viver no freixo, semelhante às Hamadríades gregas. A crença em Askafroa foi registrada pelo acadêmico sueco Gunnar Olof Hyltén-Cavallius no século 19. De acordo com Hyltén-Cavallius, era um costume no Ljunit Cem na Scania,Suécia, sacrificar à Askafroa a fim de invocar sua aquiescência. A crença em Askafroa está intimamente relacionada aos tipos semelhantes de veneração de árvores no folclore escandinavo.[1]

Em seu trabalho etnográfico Wärend och Wirdarne, Hyltén-Cavallius registrou uma crença em uma criatura feminina vivendo em um freixo. Os mais velhos costumavam sacrificar à Askafroa na manhã de Quarta-feira de Cinzas. Antes que o sol nascesse, eles derramavam água sobre as raízes do freixo. Enquanto faziam isso diziam: "Nu offrar jag, så gör du oss ingen skada" significando "Agora eu sacrifico [a você], para que você não nos faça qualquer dano". Hyltén-Cavallius mais adiante escreve que se alguém quebrassse os ramos ou galhos de um freixo, pensava-se que ele se tornaria doente.[1]

O RPG online Dark Age of Camelot caracteriza inimigos na forma de Askafroar.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. a b Hyltén-Cavallius (1864:310).

Referências[editar | editar código-fonte]