Asmodeus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Asmodeus é normalmente representado com asas e três cabeças: uma de homem com hálito de fogo, uma de touro e uma de carneiro, símbolos de virilidade e fertilidade.

Asmodeus (em grego: Asmaidos, em latim: Asmodaeus, Asmodäus, em hebraico: אשמדאי‎ Aschmedai (Talmud) é um demônio da mitologia do Judaísmo (Livro de Tobias 3,8,17).

História[editar | editar código-fonte]

É considerado um dos sete príncipes do inferno abaixo somente de Lúcifer (o Imperador do Inferno) e Belphegor ( o Rei dos Ciclos). É o demônio representante do último pecado, a Luxúria, concepção dada ao considerado pior dos pecados. Sua origem difere muito conforme a fonte, alguns consideram-no como um anjo caído, porém alguns escritos judaícos indicam Asmodeus como o "Rei Esquecido de Sodoma", nesse conto Asmodeus é visto como o homem mais impuro já nascido, e aquele que guiou Sodoma à luxúria. Alguns teólogos consideram a destruição de Sodoma como meio de matar Asmodeus, e não como prelúdio do Dilúvio. Já no livro deuterocanônico de Tobias, é citado como o assassino dos noivos de Sara. Deus envia o Arcanjo Rafael para guiar Tobias, encontrar Sara e prender o demônio nos mais altos picos terrestres. Depois de completar sua missão, o Arcanjo cura Tobit pai de Tobias e retorna para a Corte celeste.

Segundo seitas satânicas, a letra inicial de seu nome é parte integrante do acrônimo Baal, nome do deus pagão citado tanto nas escrituras sagradas do Torá (judaísmo) quanto na Bíblia (cristianismo), que se traduz nos nomes dos demônios Belzebu, Astarot, Asmodeus e Leviatã.

Asmodeus é normalmente representado como uma espécie de quimera, com asas e três cabeças: uma de homem com hálito de fogo, uma de touro e uma de carneiro, símbolos de virilidade e fertilidade. Porém, pode ser representado também como uma espécie de feiticeiro capaz de adotar a forma de aranha. Por se tratar de um humano que virou demônio e não um anjo caído, Asmodeus possuí o livre arbítrio, negado aos anjos, sendo considerado a Arma de Lúcifer para derrotar o Messias.

No folclore judeu foi amante de Lilith que á considerada a primeira esposa de Adão, anterior a Eva. Deixou o Jardim do Éden por sua própria iniciativa e se instalou próximo ao Mar Vermelho, juntando-se lá com Asmodeus, o que seria seu amante, e outros demônios. e também considerada simbolo da luxúria.

Na Literatura[editar | editar código-fonte]

No livro A Batalha do Apocalipse, do escritor brasileiro Eduardo Spohr, Asmodeus é um dos duques do inferno, subordinados de Lúcifer.

No livro Encruzilhada (Literata, 2011), do escritor paulistano Ademir Pascale, Asmodeus é um poderoso demônio que é libertado por um padre através de um ritual macabro. Sua intenção é causar a discórdia entre os humanos, além de garantir mais almas para o inferno.

No livro O Guerreiro do Terceiro Milênio (2012), do escritor paulista Rubens Neto, Asmodeu é o assecla do Arcanjo Ezequiel. Fazia parte da ordem dos serafins, mas foi um dos primeiros anjos a se unir aos propósitos de Lúcifer, tornando-se posteriormente, um dos mais poderosos demônios do inferno.

No conto Motel Cadillac (2013), do escritor paranaense Raphael dos Santos, Asmodeus é um demônio que atua com duas súcubo, para devolver os poderes de Nahemah, a princesa das súcubos, através de rituais de sangue.

Referências[editar | editar código-fonte]

http://www.recantodasletras.com.br/contosdeterror/4291116

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.