Assassin's Creed Rogue

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Assassin's Creed Rogue
Produtora Ubisoft Sofia
Editora(s) Ubisoft
Director Mikhail Lozanov
Spass Kroushkov
Martin Capel
Produtor Ivan Balabanov
Designer Martin Capel
Escritor(es) Richard Farrese[1]
Compositor(es) Elitsa Alexandrova
Artista Eddie Bennun
Motor AnvilNext
Plataforma(s)
Série Assassin's Creed
Data(s) de lançamento PlayStation 3 & Xbox 360
  • AN 11 de Novembro de 2014[2]
  • PAL 13 de Novembro de 2014[3]

Microsoft Windows
10 de Março de 2015[4]

Género(s) Acção-aventura, stealth
Modos de jogo Um jogador[5]
Média Disco óptico, distribuição digital

Assassin's Creed Rogue é um videojogo histórico de acção-aventura produzido pelo estúdio Ubisoft e publicado pela Ubisoft. Foi lançado para PlayStation 3 e Xbox 360 a 11 de Novembro de 2014 e para Microsoft Windows a 10 de Março de 2015. É o sétimo jogo principal da série Assassin's Creed e serve como sequela para Assassin's Creed IV: Black Flag de 2013, bem como tem relacionamento com Assassin's Creed III.

Assassin's Creed Rogue decorre no séc. XVIII durante o conflito Franco-Indígena, um dos palcos da Guerra dos Sete Anos, e conta a história de Shay Cormac, um Assassino que, ao longo do enredo, acaba se tornando Templário. O estilo de jogo em Rogue é similar a Black Flag, contendo exploração naval e em terra, numa perspectiva de terceira pessoa.

Assassin's Creed Rogue recebeu geralmente criticas positivas. Os sites de criticas agregadas GameRankings e Metacritic dão à versão PlayStation 3 74.06% e 72/100, e à versão Xbox 360 73.63% e 72/100, respectivamente.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

O jogador pode controlar o navio de Shay, o Morrigan, e participar em combates navais.[2]

Os aspectos navais de jogos anteriores regressam para Rogue com o jogador a controlar o navio de Shay, o Morrigan.[2] [6] O Morrígan tem um calado parecido com o navio de Edward Kenway de Assassin's Creed IV: Black Flag, permitindo assim navegação nos rios.[1] [2] Outras características novas do navio incluem a capacidade de largar manchas de óleo que pode ser inflamado, metralhadoras tipo canhões e a habilidade dos inimigos entrarem no Morrígan durante os combates navio-a-navio. O ambiente árctico também tem características que influenciam a jogabilidade naval: o navio pode destruir icebergs para ganhar saque adicional ou quebrar camadas de gelo para ultrapassar navios inimigos e explorar mais o mapa.[7]

As missões subaquáticas de Black Flag não existem no Atlântico Norte; e nadar faz com que a energia do jogador esvazie rapidamente devido à água gelada.[8]

Para o combate, o jogo introduz uma espingarda de ar, o qual permite ao jogador eliminar inimigos à distancia. A espingarda pode ter vários tipos de projecteis, como panchões. O jogador também pode usar um lançador de granadas, o qual dispara estilhaços de granadas, entre outras coisas.[1] Os Assassinos inimigos têm arquétipos similares aos jogos anteriores, com habilidades que os jogadores têm usado desde o jogo original; esconder-se em arbustos, misturar-se com multidões, e fazer ataques aéreos contra o jogador.[8] O combate corpo a corpo foi ligeiramente alterado onde os contra ataques dos inimigos podem ser contados por tempo. O gás veneno pode ser usado como arma ambiental e Shay tem uma máscara para mitigar os seus efeitos. Ao contrário dos jogos anteriores da série, em Rogue o jogador não é penalizado se matar civis, apenas o nível de procurado aumenta.[9]

O jogo tem igualmente actividades e missões secundárias. Reflectindo o papel de Shay como Templário, o jogo introduz uma nova missão secundária: Assassin Interception. É muito parecido com as missões Assassinato de jogos anteriores, onde Shay, depois de interceptar um pombo correio com um contracto, tem de impedir um Templário de ser assassinado ao procurar e matar os Assassinos escondidos naquela zona.[10]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Personagens e cenário[editar | editar código-fonte]

O protagonista do jogo é Shay Patrick Cormac, um recruta de 24 anos da Ordem dos Assassinos, que cresce desiludido com os métodos e a causa da Ordem, mesmo quando a sua carreira começa a dar os primeiros passos.[1] Eventualmente, ele é traído e abandonado pelos Assassinos, depois de um trabalho em Lisboa acabar em desastre.[1] [2] [11] [12] Deste modo, junta-se aos Templários, oferecendo os seus serviços como Caçador de Assassinos para conseguir ter uma oportunidade de vingança.[2] [6] [7] As acções de Cormac irão ter consequências no futuro da Irmandade.[2] [7] Cormac tem ligações aos eventos que ocorrem em Assassin's Creed Unity.[13] Haytham Kenway - antagonista secundário e jogável por um período em Assassin's Creed III - aparecerá no jogo,[8] bem como Achilles Davenport, mentor de Ratonhnhaké:ton, e Adéwalé, companheiro de Edward Kenway em Black Flag, e o protagonista de Freedom Cry.[14]

Rogue decorre entre 1752 e 1761 durante o conflito Franco-Indígena, um dos palcos da Guerra dos Sete Anos, e tem lugar em várias localizações da América do Norte, incluindo o Atlântico Norte, o Grande Vale Apalache, Alabama, Quebeque e Nova Iorque.[1] [2] [7]

Enredo[editar | editar código-fonte]

O enredo Moderno começa um ano após os eventos de Black Flag, com um novo personagem do jogador não identificado que trabalha para a Abstergo Entertainment. Ao investigar as memórias de Shay Patrick Cormac, um assassino que trabalha no Atlântico Norte durante a Guerra Franco-Indígena, inadvertidamente dispararam um arquivo de memória oculta que corrompe os servidores Abstergo. Com o edifício bloqueado, o jogador é recrutado por Melanie Lemay para continuar a explorar as memórias de Cormac, num esforço para limpar o sistema.[15]

Cormac é um novo recruta para a Irmandade dos Assassinos, trabalhando para Achilles Davenport. Aquiles vê potencial nele, mas Cormac desenvolve uma raia insubordinada que causa frustração nos seus mentores. Acreditando que ao assumir um papel mais activo nos assuntos da Irmandade vai temperar a sua impetuosidade, Aquiles ordena Cormac e o seu navio recém-adquirido, o Morrigan, para perseguir uma célula de Templários, que estão a decifrar um artefacto Precursor revelando os locais das várias peças de Eden. O artefacto, sob a forma de uma caixa de madeira, tinha sido roubado dos Assassinos na sequência de um forte terremoto no Haiti, alguns anos antes. Com a ajuda de Benjamin Franklin, a Peça de Éden está localizada em Lisboa, e Cormac é encarregado de recuperá-la. No entanto, Cormac começou a questionar os motivos dos Assassinos depois de ver a sua recusa em dialogar com os Templários, e não tem a satisfação de matar um comandante Templário já moribundo, Lawrence Washington. Dúvidas vêm à cabeça, e em Lisboa, onde a sua tentativa de recuperar a Peça desencadeia um terremoto que destrói a cidade. Notando que eventos semelhantes ocorreram no Haiti, Cormac fica horrorizado ao saber que Aquiles e os Assassinos pretendem prosseguir a busca aos pedaços restantes do Éden. Cormac rouba um manuscrito necessário para interpretar o artefacto e foge, enquanto os Assassinos o perseguem. Em casa, um Assassino dispara nas costas e deixa-o para morrer; Shay passa a acreditar que era o seu melhor amigo, Liam.[15]

Cormac é resgatado por um navio e levado para Nova Iorque. Uma vez recuperado, ele usa as habilidades que aprendeu com os Assassinos para expulsar gangues criminosos da cidade. Suas acções atraem a atenção de George Monro, o governador da cidade, que oferece a Cormac a chance de ajudar a reconstruir a cidade. Em divida para com Monro, Cormac auxilia o exército britânico nas campanhas contra os franceses, e descobre que Aquiles está a apoiar o lado francês. Monro revela ser um Templário, e apesar de saber da associação de Cormac com os Assassinos, oferece-lhe um lugar dentro da sua Ordem. Cormac aceita, e mata Kesegowaase, o seu irmão ex-assassino, que antes de morrer, diz-lhe que Liam está prestes a matar Monro. Liam é bem sucedidao, e põe Shay em perigo. Shay é, então, formalmente empossado na ordem dos Templários pelo Grande-mestre Templário, Haytham Kenway. Cormac revela a Kenway que ele acredita que as peças particulares de Eden não são armas, mas em vez disso estão sendo usadas ​​para manter o mundo junto, e ele promete parar os assassinos antes que eles causem outra catástrofe. Na sua busca agora a destruir os Assassinos, Cormac decidiu que ele deve fazer o correcto. Um por um, Shay mata cada um de seu ex-aliado Assassinos. Depois de descobrir que Aquiles e Liam estão indo para outro templo Precursor, Cormac persegue-os. Como Liam e Aquiles têm uma pequena divergência, e derrubam a Peça de Éden, causando um terremoto. Haytham persegue então Aquiles e Cormac luta com Liam no templo, com Cormac em última instância a matar o seu ex-amigo. Shay chega a tempo de convencer Haytham a não matar Aquiles, porque o seu testemunho vai ajudar a parar os Assassinos de tentar localizar outros templos. Como precaução Haytham dispara sobre Achilles no joelho.[15]

Com a Irmandade destruída, Cormac tem a tarefa de localizar o artefacto, e passa os próximos 20 anos à sua procura. Sua busca acaba por o levar a Versalhes, França, onde ele descobre que o artefacto está sob os cuidados de Charles Dorian; pai de Arno, o protagonista de Assassin's Creed Unity. Cormac mata Charles e toma posse do artefacto, insultando o moribundo com a promessa de que, enquanto a Revolução Americana acabou com a influência dos Templários nas Américas, uma nova revolução pode ainda manter a esperança.[15]

Nos dias atuais, o jogador reconcilia as memórias de Cormac. Sob a direção de Otso Berg, um líder sénior Templario, acaba por se revelar o quão perto Achilles Davenport esteve de destruir o mundo. O resultado é quase instantâneo, com os Assassinos lançado na confusão e, como revelado em Assassin's Creed Unity, retaliando por invadir os sistemas da Abstergo e destruindo tudo incluindo as amostras Precursoras e os servidores da empresa. Como recompensa pelas suas ações, é dado ao jogador a hipótese de fazer uma escolha; juntar-se à Ordem dos Templários, ou morrer. O ecrã fica preto antes da decisão ser tomada.[15]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Em Março de 2014 foi revelado que um jogo de nome de código "Comet" estava a ser produzido, para ser lançado para PlayStation 3 e Xbox 360.[16] Posteriormente, apareceu a informação que "Comet" teria lugar em 1758 na cidade de Nova Iorque, assim como tinha navegação no Oceano Atlântico. O jogo seria uma sequela para Assassin's Creed IV: Black Flag e teria um Templário de nome Shay como o principal protagonista. Haytham Kenway de Assassin's Creed III e Adewalé de Black Flag também iriam aparecer.[17]

O jogo foi oficialmente confirmado em 5 de Agosto de 2014, depois de o seu titulo ter escapado para a Internet.[18] O director do jogo Martin Capel diz que "Assassin's Creed Rogue completa a saga norte-americana que começou com Assassin's Creed III e Assassin's Creed IV: Black Flag e dá aos possuidores de consolas da geração anterior a possibilidade de experimentar características pedidas pelos fãs, como jogar com um Templário."[2] É referido que irá "preencher os vazios" da história entre AC III e AC Black Flag e tem "uma ligação crucial à saga Kenway".[13] Em adição ao trabalho do estúdio Ubisoft Sofia, estão também a contribuir para o jogo estúdios da Ubisoft em Singapura, Montreal, Quebeque, Chengdu, Milão e Bucareste.[2] [6] A Ubisoft também revelou que o jogo está a ser produzido "nesta fase" sem a componente multijogador, sem comentar quais os modos disponíveis depois do lançamento do jogo.[5] [19]

Lançamento e marketing[editar | editar código-fonte]

Conteúdo da ‘Edição de Coleccionador’.

Assassin's Creed Rogue foi lançado pela Ubisoft para PlayStation 3 e Xbox 360 entre 11 e 13 de Novembro de 2014.[2] Em Outubro foi revelado que também seria editado para Microsoft Windows a 10 de Março de 2015.[4]

A 5 de Agosto de 2014 a Ubisoft deu a conhecer os vários bónus de pré-reserva e a ‘Edição de Coleccionador’ para Assassin's Creed Rogue. Com a pré-reserva de Assassin's Creed Rogue os jogadores recebem os pacotes Commander, Officer e Templar que contém vários itens e armas para usar no jogo e a missão The Siege of Fort de Sable Mission, em que é pedido ao jogador para tomar de assalto o Forte de Sable.[20] [21] [22]

A ‘Edição de Coleccionador’ de Assassin's Creed Rogue inclui para além de uma cópia do jogo e uma caixa de colecção, um livro de arte, três litografias num envelope e a banda sonora oficial. Como conteúdo digital adicional estão incluídas duas missões para o modo história: The Siege of Fort de Sable e The Armor of Sir Gunn's Quest em que é pedido para resolver os mistérios por detrás de Sir James Gunn, um ex-explorador e Templário escocês que eventualmente poderá ter sido o primeiro descobridor do Novo Mundo.[20] [21]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Criticas profissionais[editar | editar código-fonte]

 Análises
Resenha crítica
Publicação Nota
BrasilGamer 8/10[23]
Cheat Code Central 4.1/5[24]
Destructoid 5.5/10[25]
Eurogamer.pt 7/10[26]
Game Informer 8.25/10[27]
GamesRadar 2.5 de 5 estrelas.Star full.svgStar half.svgStar empty.svgStar empty.svg[28]
GameSpot 6/10[29]
God is a Geek 8/10[30]
Hardcore Gamer 3.5/5[31]
IGN 6.8/10[32]
Joystiq 3 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar empty.svgStar empty.svg[33]
PC Gamer 74/100[34]
PlayStation LifeStyle 6.5/10[35]
Videogamer 7/10[36]
Pontuação global
Publicação Nota média
GameRankings (PC) 74.00%[37]
(PS3) 74.06%[38]
(X360) 73.13%[39]
Metacritic (PC) 76/100[40]
(PS3) 72/100[41]
(X360) 72/100[42]

Assassin's Creed Rogue recebeu geralmente criticas positivas. Os sites de criticas agregadas GameRankings e Metacritic dão à versão PlayStation 3 74.06% e 72/100,[38] [41] e à versão Xbox 360 73.63% e 72/100,[39] [42] respectivamente.

Ray Carsillo da Electronic Gaming Monthly deu 8.5/10, elogiando o personagem interessante, a história, as mecânicas de combate, as novas armas e o novo design das missões, que fazem com que o jogador previna assassinatos em vez de ser o assassino, como nos jogos anteriores Assassin's Creed. No entanto, criticou o ritmo fraco da história, os bugs, falta de incentivo para voltar a jogar e a ausência de multijogador. Conclui a analise ao dizer que "Rogue é uma experiência bem melhor do que aquilo que esperava. faz o necessário para deixar a marca na série ao mesmo tempo que nos dá momentos críticos na história para limpar os detalhes perdidos entre Assassin's Creed III e Assassin's Creed IV: Black Flag. Serve como a conclusão perfeita para o tempo que a série perdeu ao explorar as colónias europeias na América do Norte no séc. XVIIII."[43]

Matt Miller da Game Informer deu 8.25/10. Elogiou a enorme variedade de actividades, os ambientes variados, as missões, a jogabilidade melhorada, apesar de ser muito semelhante aos antecessores. Criticou o combate repetitivo e a ausência de multijogador. Descreveu Rogue como sendo "vasto e com muito para explorar, e que apesar de não apresentar novidades, oferece uma enorme quantidade de jogabilidade e conhecimento para os fãs mais fieis."[27]

Daniel Bloodworth da GameTrailers deu a Rogue a pontuação de 7.2/10, elogiando o regresso de outros personagens da série, o ambiente e os cenários e as missões secundárias de intercepção. Bloodworth critica no entanto o protagonista do jogo, chamando-o aborrecido, as missões do inicio do jogo, os combates com os boss, assim como os bugs frequentes. Descreve o jogo ao dizer que "Rogue é em muitos aspectos a extensão de Black Flag, mesmo até nos menus, mas há alguns ajustes à fórmula graças ao seu novo papel como um ex-assassino, caçando os seus velhos camaradas."[44]

Daniel Krupa do IGN deu 6.8/10. Elogiou a história, o protagonista e os cenários, mas criticou a falta de habilidades de Templário, os encontros aborrecidos com os outros personagens principais, as missões secundárias pouco inspiradoras, o mundo vazio e o combate frustrante, que refere não ter melhorias.[32]

Mark Walton do GameSpot deu 6/10, criticando a história previsível, o protagonista, a falta de missões interessantes, assim como sendo fraco em conteudo. Walton refere que o jogo parece um pacote transferível (DLC) muito melhorado de Black Flag, e que não faz nada para melhorar a série.[29]

Xav de Matos do Joystiq deu a pontuação de três em cinco estrelas, criticando o jogo por não dar nada de novo à serie. Matos afirma que "Assassin's Creed Rogue é essencialmente um clone de Black Flag. Se consegues aceitar um jogo de preço inteiro como uma cópia de outro, acredito que irás gostar daquilo que Assassin's Creed Rogue tem para oferecer."[33] Phil Iwankiuk da revista PC Gamer deu a pontuação de 74/100 e tem uma opinião semelhante a Matos e Walton, ao referir que "Rogue é fundamentalmente a reutilização da fórmula vencedora de Black Flag numa nova localização" mas que "a mudança de local irá servir com ignição para o pirata dentro de ti". Iwankiuk concluiu que Rogue "sabe como criar sentido de aventura usando mecânicas antigas e novos locais, e como tal permanece agradável de jogar apesar dos problemas já antigos da série, como o combate, o desenho das missões e a história."[34]

Vendas[editar | editar código-fonte]

Apesar de não ter revelado o número de unidades vendidas em separado, a companhia francesa anunciou que as vendas combinadas de Assassin's Creed Unity e Assassin's Creed Rogue atingiram a marca dos 10 milhões de unidades vendidas.[45]

Referências

  1. a b c d e f Cork, Jeff (6-8-2014). Get To Know Shay From Assassin’s Creed Rogue Game Stop Game Informer. Visitado em 7-8-2014.
  2. a b c d e f g h i j k McWhertor, Michael (5-8-2014). Assassin's Creed Rogue confirmed by Ubisoft - here's the first trailer Polygon. Visitado em 5-8-2014.
  3. Karmali, Luke (28-8-2014). Assassin's Creed Unity Release Date Delayed To November IGN. Visitado em 28-8-2014.
  4. a b Jorge Loureiro (6-2-2015). Versão PC de Assassin's Creed Rogue tem data confirmada Eurogamer. Visitado em 6-2-2015.
  5. a b Pitcher, Jenna (8-8-2014). Assassin's Creed Rogue Single-Player Only 'At This Stage' IGN. Visitado em 10-8-2014.
  6. a b c Jorge Loureiro (5-8-2014). Ubisoft confirma Assassin's Creed: Rogue para PS3 e Xbox 360 Eurogamer. Visitado em 7-8-2014.
  7. a b c d Nunneley, Stephany (5-8-2014). Assassin’s Creed Rogue puts you behind the ship’s wheel again this fall. Visitado em 7-8-2014.
  8. a b c Silva, Marty (14-8-2014). Gamescom 2014: Assassin's Creed Rogue: Dark, Angry, And Out For Blood IGN. Visitado em 15-8-2014.
  9. Shaun McInnis (13-8-2014). Four Reasons I'm Suddenly Interested in Assassin's Creed Rogue GameSpot. Visitado em 13-11-2014.
  10. Ashar Ahmad (13-11-2014). Assassin’s Creed Rogue Assassin Interceptions Guide SegmentNext. Visitado em 12-3-2015.
  11. Tom Phillips (16-10-2014). Assassin's Creed: Rogue is more than the cash-grab it could have been Eurogamer. Visitado em 16-10-2014.
  12. Ricardo C. Esteves (16-10-2014). Lisboa aparece em Assassin's Creed: Rogue GameReactor. Visitado em 17-10-2014.
  13. a b Wallace, Kimberly (5-8-2014). September Cover Revealed – Assassin's Creed Rogue And Unity GameStop Game Informer. Visitado em 5-8-2014.
  14. Jeff Cork (5-9-2014). See The Assassin Hunter In Action In New Trailer Game Informer. Visitado em 25-9-2014.
  15. a b c d e Assassin's Creed Rogue. Ubisoft Sofia. (Ubisoft). (2014)
  16. Schreier, Jason (19-3-2014). Leaked Images Reveal One Of This Fall's Two Assassin's Creed Games Kotaku. Visitado em 19-3-2014.
  17. Schreier, Jason (27-3-2014). Sources: Assassin's Creed Comet Will Let You Play As A Templar Kotaku. Visitado em 27-3-2014.
  18. Tach, Dave (5-8-2014). Assassin's Creed Rogue apparently revealed in leaked trailer (confirmed) Polygon. Visitado em 5-8-2014.
  19. Tom Phillips (6-8-2014). Assassin's Creed: Rogue is single-player only - report Eurogamer. Visitado em 6-8-2014.
  20. a b Assassin’s Creed Pre-Order Guide: Unity & Rogue THE INSIGHTFUL PANDA (6-8-2014). Visitado em 14-10-2014.
  21. a b James Orry (5-8-2014). Assassin's Creed: Rogue Collector's Edition revealed Videogamer. Visitado em 14-10-2014.
  22. Assassin's Creed Rogue - Pre Order AssassinsCreed.ubi.com. Visitado em 14-10-2014.
  23. Rodrigo Spinetti (14-11-2014). Assassin's Creed: Rogue - Análise BrasilGamer. Visitado em 18-11-2014.
  24. Angelo M. D'Argenio (12-11-2014). Assassin’s Creed: Rogue Review Cheat Code Central. Visitado em 13-11-2014.
  25. Brett Makedonski (13-11-2014). Assassin’s Creed: Rogue Review Destructoid. Visitado em 14-11-2014.
  26. Jorge Soares (19-11-2014). Assassin's Creed Rogue - Análise Eurogamer.pt. Visitado em 19-11-2014.
  27. a b Matt Miller (11-11-2014). Assassin's Creed Rogue Review: Familiar Territory From A New Perspective Game Informer. Visitado em 12-11-2014.
  28. Ashley Reed (13-11-2014). Assassin's Creed Rogue Review GamesRadar. Visitado em 13-11-2014.
  29. a b Mark Walton (15-11-2014). Assassin's Creed Rogue Review - Déjà vu GameSpot. Visitado em 17-11-2014.
  30. Dan Naylor (19-11-2014). Assassin’s Creed Rogue Review God is a Geek. Visitado em 19-11-2014.
  31. Lee Cooper (17-11-2014). Review: Assassin’s Creed Rogue Hardcore Gamer. Visitado em 17-11-2014.
  32. a b Assassin’s Creed Rogue Review: Looking Backwards IGN (15-11-2014). Visitado em 17-11-2014.
  33. a b Xav de Matos. Assassin's Creed Rogue review: Avast ye, clone! Joystiq. Visitado em 9-12-2014.
  34. a b Phil Iwankiuk (10-3-2015). Review: Assassin’s Creed Rogue PC Gamer. Visitado em 11-3-2015.
  35. Dan Oravasaari (13-11-2014). Assassin’s Creed Rogue Review – Generation Loss PlayStation LifeStyle. Visitado em 14-11-2014.
  36. Trinca, Jamie (14-11-2014). Assassin's Creed: Rogue Review Videogamer. Visitado em 17-11-2014.
  37. Assassin's Creed Rogue (PC) GameRankings. Visitado em 11-3-2015.
  38. a b Assassin's Creed Rogue (PlayStation 3) GameRankings. Visitado em 14-11-2014.
  39. a b Assassin's Creed Rogue (Xbox 360) GameRankings. Visitado em 14-11-2014.
  40. Assassin's Creed Rogue (PC) Metacritic. Visitado em 11-3-2015.
  41. a b Assassin's Creed Rogue (PlayStation 3) Metacritic. Visitado em 14-11-2014.
  42. a b Assassin's Creed Rogue (Xbox 360) Metacritic. Visitado em 14-11-2014.
  43. Carsillo, Ray (18-11-2014). EGM Review: Assassin’s Creed Rogue Electronic Gaming Monthly. Visitado em 18-11-2014.
  44. Bloodworth, Daniel (18-11-2014). Assassin's Creed Rogue review GameTrailers. Visitado em 18-11-2014.
  45. Luís Alves (12-2-2015). Ubisoft revela as vendas dos seus jogos mais recentes Eurogamer. Visitado em 13-2-2015.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]