Asushunamir

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Asushunamir é um deus na cultura suméria, nascido da sujeira sob as unhas de Enki.

Mitologia[editar | editar código-fonte]

Segundo a Mitologia Suméria, Enki, o prudentíssimo, temeroso de que Ereshkigal mantivesse Inanna para sempre em Kur-Nu-Gia (Inferno), tratou de criar Asushunamir e fazê-lo mensageiro intercessor de Inanna diante de Ereshkigal.

Ele era extremamente belo, possuído as duas naturezas, a feminina e a masculina. De modo que podia usar uma delas quando fosse necessário. Então surgiu diante de Ereshkigal como um homem elegante, belo e forte, e a rainha do Inferno se viu imediatamente apaixonada. Sem pensar duas vezes ela então ordenou que preparassem um grande e sumptuoso banquete em honra dele, para que pudessem cear juntos. Na verdade a rainha do Inferno pretendia seduzir o mensageiro de Enki e prendê-lo consigo para sempre.

Em meio a grande banquete, Ereshkigal dançou com Asushunamir e se deliciou com seus galanteios e as histórias que contava. Tamanha era a sua entrega que verteu vinho demais e acabou embriagada, enquanto Asushunamir cuidou de manter-se sóbrio. Foi então que ela perguntou se ele não desejava beber da Água da Vida que ela mantinha guardada em sua adega. Ele recordou-se das instruções de Enki sobre a Água da Vida e de como poderia salvar Inanna com ela, e aceitou. Ao ser servido por Namtar, Asushunamir guardou consigo a água e assim que Ereshkigal caiu exausta em um sono profundo, ele saiu para procurar Inanna e lavar seu corpo com a Água da Vida.

Ele encontrou a deusa do amor, em um estado deplorável de decomposição física, apenas expandiu algumas gotas de água em sua face e ela recobrou a vida e a beleza. Ao terminar de livrar Inanna da morte e da podridão, a tomou nos braço e fugiu rapidamente atravessando os portões de Kur-Nu-Gia. O bater da asa do mensageiro de Enki, acabou por acordar Ereshkigal e ela pôde ver que ele a enganara para salvar Inanna e que fugia com ela. Cheia de ódio e ressentimento, ela o amaldiçoou antes de atravessar o último portão, impondo-lhe o castigo de ser estranho em sua própria casa (a morada dos Anunnaki), e de ser errante como um vagabundo, vivendo além e aquém de tudo, nos cruzamentos dos caminhos, nas soleiras das portas, e comendo aquilo que era impuro, bebendo a água das valas. Mas Inanna, o abençoou com a sabedoria, o dom de curar e de realizar profecias.

Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.