Atena (Os Cavaleiros do Zodíaco)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Atena
Atena com sua armadura divina
Primeira aparição Mangá: cap. 3, vol.1
Anime: ep.1
Criado por Masami Kurumada
Vozes Japão Keiko Han
Japão Fumiko Orikasa (Hades)
Japão Shoko Nakagawa (Omega)
JapãoMamiko Noto (Omega)
Japão Aya Hirano (The Lost Canvas)
Japão Maya Sakamoto (The Lost Canvas, antiga Atena)
Ayaka Sasaki (Saint Seiya legend of Sanctuary)
Tomita Maho (atriz do musical O Santo Guerreiro)
Brasil Letícia Quinto (fase clássica e Saint Seiya Omega)
BrasilFlora Paulita (Saint Seiya Omega)
Brasil Luciana Baroli (The Lost Canvas)
Brasil Rosa Maria Baroli (The Lost Canvas, antiga Atena)
Personagem de Os Cavaleiros do Zodíaco
Portal Animangá

A deusa grega Atena é uma das personagens principais da série Os Cavaleiros do Zodíaco, de Masami Kurumada. Atena é a deusa da Sabedoria, da guerra defensiva, da estratégia, da justiça e da esperança. De acordo com o Hipermito, é também a deusa que herdou de Zeus (seu pai real) o controle sobre a Terra. Sua encarnação do século 20 utiliza o nome Saori Kido (城戸 紗織, Kido Saori?) como identidade civil.

História[editar | editar código-fonte]

Deusa que reencarna uma vez a cada 250 anos, aproximadamente, para evitar que o mal domine o mundo, sendo o símbolo da justiça para todos os Cavaleiros. Ela nasce aparecendo aos pés de sua estátua em seu santuário. Em sua atual encarnação, quase foi morta ainda bebê pelo cavaleiro de ouro Saga de Gêmeos que se disfarçou de Ares (irmão do grande mestre atual do Santuário, Shion de Áries. No mangá, Saga de gêmeos mata o Grande Mestre Shion e disfarça-se do mesmo, ao contrário da versão animada), após mata-lo e tomar seu lugar como ajudante direto do Mestre do Santuário.

Atena foi salva no momento crucial por Aiolos de Sagitário, que após fugir e ter lutado contra Shura de Capricórnio, a entregou aos cuidados de Mitsumasa Kido, empresário japonês de férias na Grécia. Mitsumasa criou Atena como se fosse sua neta e deu a ela o nome de Saori Kido.

Com a morte de seu avô, Saori passa a tomar conta de todos os negócios de Mitsumasa Kido, inclusive da Fundação Graad. Uma das principais atividades da fundação (ainda sob o comando de Mitsumasa), foi enviar para treinamento em vários cantos do mundo, órfãos japoneses, os sobreviventes tornaram-se cavaleiros e retornam para um suposto torneio.

O seu cosmo é capaz de curar a cavaleiros à beira da morte e o seu sangue pode revelar o poder escondido das armaduras. Por ser detentora desse grande poder, muitas vezes torna-se alvo de seus inimigos, mas nunca perde o senso de piedade em seu coração.

Encarnações anteriores[editar | editar código-fonte]

Masami Kurumada revelou no primeiro volume de seu mangá que Atena enfrentou Ares e Poseidon em eras mitológicas, em encarnações passadas e distintas. Atena também lutou contra Hades em eras mitológicas e nos séculos 15, 18 e 20. A deusa enfrentou Poseidon novamente no século 20, 2000 anos após o duelo de ambos na Ática.

Na série spin-off Saint Seiya: The Lost Canvas, a deusa Athena reencarna em uma órfã chamada Sasha. A história que se passa no século 18, teve autorização e auxílio na construção do enredo do autor original, Masami Kurumada, mas não é considerada uma série canônica.

Sua encarnação do século XX, Saori Kido é a que Kurumada mais desenvolveu, pois aparece nos 28 volumes da série original.

Em Saint Seiya Ω, que se passa no século XXI, Saori ainda é a encarnação terrena da deusa Athena, mas acaba sendo sequestrada por Marte. Mais tarde Kouga, o Cavaleiro de Pégaso sucessor de Seiya, descobre que Marte pretende enganar os cavaleiros do Santuário com uma impostora, Aria, que recebeu o cosmo de luz da Athena. Aria volta-se contra Marte, desperta como a Nova Atena e confronta o vilão, mas acaba sendo morta por ele. Contudo sua forma em espírito ajuda os cavaleiros na batalha final contra Apsu, o deus da escuridão.

A Deusa e as sagas que participa[editar | editar código-fonte]

Santuário[editar | editar código-fonte]

Saori Kido organiza a Guerra Galática, um torneio em que 10 cavaleiros de bronze disputam a Armadura de Ouro de Sagitário. É nessa saga que Tatsumi revela a ela todo o seu passado e que era a reencarnação de Atena, deusa da guerra justa e da esperança, e que foi vitima de uma conspiração no Santuário da Grécia liderada pelo grande mestre Ares. Saori resolve juntar os cavaleiros de bronze, ir ao lugar que por direito é seu e destronar o malvado mestre que aflige o lugar sagrado. No decorrer da série, passa a ter problemas com os vários assassinos mandados pelo Grande Mestre para matá-lá. Chegando no Santuário, Saori sofre um atentado de um cavaleiro de prata, e é gravemente ferida por uma flecha no peito que a mataria após doze horas. Para salvá-la, os cavaleiros de bronze tem que subir as Doze Casas do Santuário, protegidas pelos 12 cavaleiros de ouro, os mais fortes guerreiros do Santuário, assim chegando no Salão do Grande Mestre, o único que pode salvar a vida da deusa. Após a vitória dos cavaleiros de bronze sobre os cavaleiros de ouro, e a revelação da verdadeira identidade do Grande Mestre, Saori toma pose do Santuário como deusa Athena.

Asgard[editar | editar código-fonte]

Após a longa guerra no Santuário, Atena designa Dohko de Libra como novo Grande Mestre. Mais uma ameaça aparece, os guerreiros Deuses de Asgard, liderados por Hilda de Polaris querem matar Atena e dominar o Santuário. Essa saga é exclusiva da série animada, não há nenhuma referência a esse arco no mangá.

Poseidon[editar | editar código-fonte]

É revelado que o verdadeiro inimigo que estava por trás das tramas de Asgard era Poseidon, o deus dos mares que manipulava Hilda para atender seus desejos. Poseidon rapta Athena, aprisiona em seu Santuário no fundo do mar, e ameaça exterminar os humanos com um dilúvio para depois repovoar a Terra e governar como deus supremo. A Saori tenta convencer o Senhor dos Mares a parar com as chuvas que ameaçavam matar a humanidade, mas suas suplicas são em vão e Poseidon se mantém firme em sua decisão de eliminar os humanos. Então Athena pede a Poseidon para que parte das chuvas que caem na Terra sejam transferidas para o interior do Grande Pilar Principal (o mais importante pilar que sustenta o Santuário Submarino de Poseidon) onde ela arriscaria sua vida ficando lá dentro e atrasaria o dilúvio para que os cavaleiros tivessem tempo de derrotar o deus dos mares e seus guerreiros.

Hades[editar | editar código-fonte]

O pior de todos os inimigos que a deusa já enfrentou desde as eras mitológicas. Ao contrário de Poseidon que queria reconstruir a Terra, Hades queria somente exterminar os humanos e fazer da Terra um lugar frio e sem vida governado por ele. Shaka, o cavaleiro de ouro de Virgem, descobre o oitavo sentido (Arayashiki), que permite a quem despertá-lo conseguir entrar no Mundo dos Mortos com vida. Sabendo disso, Athena desperta o oitavo sentido e vai ao encontro de Hades, no Mundo dos Mortos junto com Shaka. Logo em seguida, o restante dos cavaleiros seguem a deusa. Ao encontrar Hades, Athena descobre que o deus possuiu um de seus cavaleiros, Shun de Andrômeda. Saori expulsa a alma do deus do corpo de Shun tocando-o com seu sangue divino e, em seguida, segue a alma do deus até os Campos Elísios (o Paraíso, na Mitologia Grega). Chegando lá, Saori deixa o deus do sono, Hypnos, aprisioná-la em um jarro que suga seu sangue aos poucos, isso para que seus cavaleiros pudessem chegar lá com a Armadura de Athena. Com isso, Hades é forçado a usar seu corpo original para derrotar Athena, mas a deusa, auxiliada pelos seus cavaleiros, derrota o Imperador dos Mortos destruindo o verdadeiro corpo do deus, impedindo uma futura Guerra Santa.

Prólogo do Céu (filme)[editar | editar código-fonte]

Os deuses do Olimpo estão furiosos com Atena pelo fato de ela ter derrotado Poseidon e Hades, com isso eles enviam a poderosa deusa Ártemis, irmã de Atena, para fazê-la mudar sua decisão de proteger os humanos, a vilã exige que Seiya de Pégaso seja morto temendo a ameaça do Cavaleiro aos deuses, Atena propôs um acordo de lhe dar o Santuário em troca de poupar a vida de Seiya, dos outros Cavaleiros e dos humanos.

Next Dimension[editar | editar código-fonte]

Depois da guerra contra Hades, Saori permanece ao lado de Seiya que se encontra catatônico numa cadeira de rodas após Hades ter desferido em Seiya com sua espada. Shun visita Atena e pergunta o que ela faz com o corpo de Seiya achando que tivesse morto e Saori fala que não e diz estar sob o feitiço da espada de Hades e que só tem apenas três dias de vida. Shun e Atena visitam o recinto dos deuses com a intenção de pedir a deusa da Lua e irmã de Athena, Artemis que mande os dois para a Guerra Santa contra Hades do século XVIII, onde pretendem roubar a espada de Hades para salvar Seiya. Artemis diz que o único deus com poder de controlar o tempo é Chronos. Saori e Shun vão ao encontro do Deus do Tempo, mas são emboscados por Lascoumoune, uma das guerreiras de Artemis enviada por Calisto, comandante das tropas da Deusa da Lua. O Cavaleiro de Andrômeda tenta proteger Athena mas é derrotado e acaba sendo salvo por Ikki. Shun alcança Atena que já está no templo de Chronos e salva a deusa que foi atacada pelo ser divino. Chronos dá um período de três dias para Saori e Shun voltarem ao presente, mas o deus distorce os telômetros de Saori, e quando ela chega no passado aparece na forma de bebê. O Grande Mestre do Santuário tenta matar Saori que está em forma de bebe, mas o Cavaleiro de virgem, Shijima salva a deusa. Cardinale, o Cavaleiro de Peixes segue Shijima e Athena a mando do Grande Mestre, com o intuito de matar os dois. Quando alcança, o Cavaleiro de Peixes entra em combate com o Cavaleiro de Virgem. Athena deixa de ser um bebe e vira uma criança, conseguindo proteger o Shijima de ser morto por Cardinale.

Saint Seiya Omega[editar | editar código-fonte]

Em uma outra história paralela, Saori assume um lado maternal cuidando de Kouga. Atualmente, carrega uma maldição em que uma marca do universo aparece em seu braço esquerdo e para se locomover usa uma muleta e o cabo simboliza o cavalo alado de Pégaso. Saori entrega o pingente para o Kouga, como também confia seu destino de cavaleiro a ele. Quando Marte aparece, determinado a sequestrar Saori, Kouga desperta o poder do pingente, fazendo imergir a nova armadura de Pégaso de Seiya que tinha usado em sua juventude e Kouga a veste. Ainda na série, Kouga descobre de uma garota cujo possui o mesmo cosmo de luz como ele e se chama Aria. Aria desperta como a Nova Atena e confronta Marte no final, mas acaba sendo morta. Aria ainda ajuda os cavaleiros nas batalhas até a aparição de Apsu que se apossa-se de Kouga. Apesar do cetro de Aria quase destruído, o cosmo da jovem ajuda Kouga na batalha final contra Apsu e o derrota. Na segunda temporada de Omega, Saori prediz que uma nova Guerra está por vir. Dessa vez contra Pallas, uma deusa que tem ligações com Atena, como uma irmã. Pallas usa um bracelete em espiral para sugar o Cosmo de Atena e fortalecer-se. Com a morte de Genbu de Libra, ela decide enfrentar Pallas, embora fosse contra sua própria vontade. Saori enfrenta Pallas usando sua armadura e Pallas sua Chronotector. Apesar de Atena ter vencido, ela tem o ataque de sua Niké parada por Titan com sua espada danificada na batalha contra Habinger. Saori tenta apelar para que Pallas desista de seu ódio. Após ter tido êxito com sua irmã mais nova, elas são surpreendidas por Europa e tem suas energias drenadas através dos braceletes de serpentes criados pelo próprio Europa e passados para Subaru para depois se revelar como Saturno, o Deus da Destruição. Saori passa suas últimas forças e de seus cavaleiros e da Terra, presos no tempo parado na Terra, para Kouga para queimar o cosmo da humanidade, o Omega, que o fez criar uma armadura capaz de superar um deus e faz Saturno desistir da destruição da Terra. Saori é vista junto de Seiya rezando pelos cavaleiros que lutaram por ela, eventualmente ela fique ao lado de Seiya. Possivelmente deixe para outra geração para que lute em seu lugar.

Saint Seiya Legend of Sanctuary[editar | editar código-fonte]

Saori é mostrada com um visual diferente no filme. Diferente da versão clássica, quando foi mostrada em que Seiya e Saori se odiavam, Saori se comportava de forma esnobe e também mimada pelo avô e Seiya, sendo retratado por Saori como um criado, no movie, eles se conhecem por acaso, em que ela é salva por Seiya, uma ocasião que os tornou próximos, diferente da versão clássica. Ainda no movie, ela tem parte de seu cabelo cortado por Aiolia de Leão e é ferida por Ptolemy de Sagita, ao invés da flecha perfurar seu peito, ela tem sua energia drenada por Saga de Gêmeos. Tem ajudado muito os cavaleiros, mesmo tomada pelo feitiço de Saga ou depois quando salva pelos cavaleiros. Ela parece não ter ideia o que realmente o cosmo.

Armadura[editar | editar código-fonte]

A armadura de Atena tem cor dourada e está escondida no Santuário atrás de seu templo, depois das doze casas zodiacais e do salão do mestre. Na verdade, a armadura é a gigantesca estátua de Atena, que, apenas após molhada com seu sangue, se torna um pequeno artefato (de aparência igual à estátua).

A armadura, quando trajada, se parece bastante com a clássica armadura vista nas antigas estátuas gregas, com a singela adição de um par de asas. Possui um grande elmo e opulentas ombreiras que protegem também o braço. Os membros inferiores são protegidos por uma longa saia, parecendo um vestido.

A armadura possui também um escudo (capaz de bloquear até um ataque de Zeus), e um báculo (que representa Niké de Samotrácia, a deusa da vitória). O báculo fica na mão direita e o escudo na mão esquerda. Saori possui o báculo de sua armadura porque foi roubada do santuário por Aioros de Sagitário e entregue a Mitsumasa Kido. Na versão Omega, seu formato ainda é mantido até mesmo na saga de Marte.

Vontade da deusa[editar | editar código-fonte]

A maioria dos deuses olímpicos ficavam indignados com as imperfeições dos humanos e, na maioria das vezes, não gostavam do fato de eles terem muitos pecados. Mas esse não era o caso de Atena. A deusa sabia dos males humanos, mas teve a esperança que esses males poderiam ser superados quando percebeu que os homens também tinham o poder do amor.

A regra dos Deuses de não terem contado com seus seguidores imposta por Zeus para sim eles provarem sua fé nele era seguida por todos os deuses do olimpo, menos Atena e Poseidon que acreditavam que se apróximando dos humanos, sua fé neles se tornavam mais fortes.

O ideal de Atena é sempre o de proteger os homens de outros deuses para deixar que eles alcancem a paz. Muitos desses homens se emocionaram com o gesto misericordioso da deusa, nascendo assim os Cavaleiros de Atena, divididos nos Cavaleiros de Bronze, Prata e Ouro.

Ver também[editar | editar código-fonte]