Atheist Bus Campaign

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Atheist Bus Campaign é a denominação de uma campanha publicitária que dá apoio ao pensamento livre e ao ateísmo e caracterizado pelo slogan Provavelmente Deus não existe. Pare de se preocupar e aproveite sua vida, idealizado e realizado em junho de 2008 pela jornalista britânica Ariane Sherine pelo uso de meios publicitários em ônibus e em outros meios de transporte público. A iniciativa, surgida pelo uso em cidades como Londres, alcançou uma maior difusão graças ao impulso de diversas organizações, sendo estendida a campanha para o Reino Unido e também a nível internacional, com a contratação, desde novembro de 2008, nos meios de transporte de Washington DC, nos Estados Unidos e desde janeiro de 2009, nas cidades espanholas, como Barcelona, Madri e Valência. As organizações de campanhas equivalentes vem sendo anunciadas na Itália e na Austrália.

História da Campanha[editar | editar código-fonte]

A campanha teve origem em 20 de junho de 2008 com a publicação de um artigo de opinião no jornal The Guardian da jornalista e escritora britânica Ariane Sherine, titulado Atheists – gimme five. Since when is it OK to spread the fear of God from the side of a bus? Let's get together and distribute reassurance.[1] No artigo, Sherine expressou sua reação depois de observar cartazes publicitários nos ônibus de Londres, dentre eles um que dizia:

Mas o filho do homem, quando vier, será que vai encontrar fé sobre a terra? (Lucas 8:18)

Sherine disse que ao falar com a associação promotora da campanha encontrou uma nova mensagem que considerava ameaçador para os descrentes. Ela descobriu que a campanha contava com a permissão das autoridades e que o custo de contratação de duas semanas de espaço publicitário foi maior do que 23.400 libras esterlinas. Ela então propôs uma coleção para espalhar a seguinte mensagem: Provavelmente Deus não existe. Pare de se preocupar e aproveite sua vida. Sherine explicou a importância do advérbio "provavelmente" para obter a autorização.

Esta proposta foi bem acolhida e estruturada para dar lugar à criação de uma página da web, apresentada em 21 de outubro de 2008, em tempo de um segundo artigo de Sherine,[2] em que se fazia um requerimento formal para a coleta de onze mil libras para contratar uma campanha em ônibus londinenses com o objetivo de

Cquote1.svg (...)dar ao ateísmo uma presença mais visível no Reino Unido, gerar debates, alegrar o dia das pessoas ao caminho do trabalho e fazer com que mais pessoas possam se declarar ateus Cquote2.svg

Sob a administração da Associação Humanista Britânica e do apoio financeiro de Richard Dawkins, o montante solicitado pode ser recolhido no prazo de dez horas, chegando a cem mil libras uma semana depois.[3]

Ónibus de Londres com o slogam da campanha

Inspirado no êxito britânico, a American Humanist Association acelerou no verão de 2008 os planos para uma campanha equivalente nos Estados Unidos, que seria lançada em maior escala no dia 11 de novembro de 2008 no transporte público de Washington DC.[4] A campanha não só estender centenas de ônibus, mas também se estendeu aos meios de comunicação publicitária a serviço do metrô de Washington, que exibiu um slogan adaptado as práticas da cultura americana: Porquê acreditar num deus? Sou bom por causa do amor.A campanha gerou polêmica e reações adversas, pouco depois de ser desafiado por diversas iniciativas de organizações religiosas, mas conseguiu a adesão de muitas pessoas através do seu site.

Em janeiro de 2008, os organizadores da iniciativa de Ariane Sherine confirmou a contratação de duzentos ônibus em quatro linhas de Londres e outros seiscentos em várias cidades britânicas, anunciou a extensão da campanha para tubos e outras meios de comunicação populares, como os ecrãs gigantes na frente do Bond Street Station, Oxford Street, chegando a países como a Espanha, onde ele anunciou a contratação da campanha nos ônibus de Barcelona, ​​Madri e Valência, Itália e Austrália.[5]

Campanha no Brasil[editar | editar código-fonte]

Os quatro cartazes que seriam divulgado nos ônibus

A exemplo de várias iniciativas que ocorreram no mundo, a Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea) programou os cartazes em ônibus urbanos em Salvador, escolhido por causa do nome da cidade, Porto Alegre, escolhida por causa da percepção da justiça gaúcha ser pioneira na análise de temas polêmicos,[6] e São Paulo.[7]

O mote da campanha é a frase "Diga não ao preconceito contra ateus". Essa frase aparece em quatro peças diferentes com imagens e frases polêmicas; em uma delas, Charles Chaplin e Adolf Hitler aparecem junto da frase "Religião não define caráter", e em outra, com a frase "A não dá respostas. Ela só impede perguntas".[8]

A campanha foi barrada por empresas de ônibus de Salvador e São Paulo, sob a alegação de que a mesma poderia violar leis de publicidade em espaços públicos.[7] Em Porto Alegre, a Associação dos Transportadores de Passageiros afirmou que a legislação municipal proíbe a divulgação de peças de conteúdos religiosos.[6] Daniel Sottomaior, presidente da Atea, disse que esse barramento era fruto de preconceito contra os ateus.[7]

Mesmo assim, foram colocado outdoors nas ruas com os dizeres "religião não define caráter", com a foto de Charles Chaplin como ateu e Adolf Hitler como quem acredita em deus, e outros com a frase "A fé não dá respostas. Só impede perguntas" foram exibidos em Porto Alegre entre os dias 4 e 17 de julho de 2011. Os outros outdoors foram exibidos na outra quinzena. Foi a primeira campanha ateísta no Brasil.[9]

Referências

  1. Ariane Sherine (20 de junho de 2008). Atheists – gimme five Since when is it OK to spread the fear of God from the side of a bus? Let's get together and distribute reassurance (em inglês) The Guardian. Visitado em 10 de maio de 2011.
  2. a b Ariane Sherine (21 de outubro de 2008). All aboard the atheist bus campaign (em inglês) The Guardian. Visitado em 10 de maio de 2011.
  3. James Ball (27 de outubro de 2008). Lord, give us a sign (em inglês) Guardian. Visitado em 10 de maio de 2011.
  4. Fred Edwords (11 de dezembro de 2008). Riding the atheist bus (em inglês) Guardian. Visitado em 10 de maio de 2011.
  5. Riazat Butt (6 de janeiro de 2009). Atheist bus campaign spreads the word of no God nationwide The Guardian. Visitado em 10 de maio de 2011.
  6. a b Elder Ogliari. Campanha de ateus em ônibus é bloqueada MSN/Estadão. Visitado em 12 de maio de 2011.
  7. a b c Hélio Schwartsman (10 de dezembro de 2010). Empresas barram campanha publicitária que questiona existência de Deus Folha. Visitado em 12 de maio de 2011.
  8. Ônibus ateus começam a circular na Capital neste domingo Zero Hora (10 de dezembro de 2010). Visitado em 12 de maio de 2011.
  9. Milton Ribeiro e Vivian Virissimo (5 de julho de 2011). Primeira campanha ateísta do Brasil é lançada em Porto Alegre Sul 21. Visitado em 21 de julho de 2011.