Atitude

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Portal A Wikipédia possui o
Portal de Psicologia

Atitude designa em psicologia a disposição ligada ao juízo de determinados objetos da percepção ou da imaginação - ou seja, a tendência de uma pessoa de julgar tais objetos como bons ou ruins, desejáveis ou indesejáveis. A atitude se diferencia da postura pelo maior grau de concretude dos objetos a que se refere - assim, o limite entre esses dois construtos não é claro. Como no caso das posturas, há grande dificuldade na busca de uma classificação abrangente de todas as atitudes possíveis, pois os objetos a que uma atitude se pode referir são muito heterogêneos e concretos.[1]

Atitude foi objeto de estudo sobretudo da psicologia social e em suas subdisciplinas mais aplicadas: na psicologia política (ex. atitude em relação a determinados programas e partidos políticos), na psicologia da propaganda (atitudes em relação a produtos) e na psicologia da saúde (atitude com relação a comportamentos ligados à saúde - como fumar ou beber). A psicologia experimental dedicou-se sobretudo à pesquisa de um tipo especial de atitudes ligadas a grupos de pessoas: o preconceito.

Atitudes na psicologia da personalidade[editar | editar código-fonte]

Do ponto de vista da psicologia da personalidade, em sua busca por tendências estáveis de comportamento, é interessante perguntar qual relação há entre atitude e comportamento real.

O início da pesquisa sobre as atitudes foi marcada pela ideia de que atitudes são formadas por juízos quase-conscientes de determinadas características dos objetos e por isso podem ser medidas através de questionários ou mesmo de simples perguntas. Em um estudo de 1934, LaPiere escreveu cartas para 250 hoteis e restaurantes dos Estados Unidos perguntando se esses estabelecimentos atendiam clientes de origem chinesa. Naquela época reinava nos EUA um grande preconceito contra os chineses e 92% responderam que não atendiam chineses. No entanto LaPiere havia ido a todos esses restaurantes e hoteis seis meses antes acompanhado de um casal de chineses e fora sempre atendido - os proprietários se deixaram obviamente influenciar por outros fatores que apenas seu preconceito.[2] A pesquisa posterior confirmou a baixa correlação entre atitude e comportamento direto. Wicker (1969) procurou explicar esse fenômeno afirmando que as características individuais de comportamento seriam específicas a determinadas situações e não poderiam ser previstas por meio de atitudes genéricas.[3]

O que os primeiros pesquisadores deixaram de observar, no entanto, foi o princípio de agregação: as pesquisas foram realizadas em apenas uma situação. Fishbein e Ajzen (1974) mostraram que a atitude de indivíduos com relação à religião tinha uma baixa correlação com o comportamento real quando se media apenas um tipo de comportamento (ex. ir à igreja no natal), mas essa correlação subia quando se perguntava por diferentes formas de comportamento (rezar, ir à igreja, pagar o dízimo, etc.).[4] O que Fishbein e Ajzen observaram com relação ao comportamento descrito pelas próprias pessoas, mostraram Weigel e Newman (1976) com relação ao comportamento observado. Esses dois autores pesquisaram atitude e comportamento com relação à ecologia - ou seja se pessoas com uma atitude positiva em relação à consciência ecológia também agiam mais de acordo com essa atitude (participar de abaixo assinados contra energia nuclear, fazer coleta seletiva de lixo, etc.). Aqui o comportamento foi observado e não perguntado - e também aqui se repetiu a situação: se se tomava apenas um ou poucos comportamentos a correlação atitude-comportamento era baixa; se se tomavam muitas formas, era alta.[5] Assim, uma atitude positiva com relação a determinado valor (ex. ecologia) não é capaz de predizer se uma pessoa em determinada situação vai agir de uma maneira correspondente a essa atitude (ex. separar o lixo mesmo no camping), mas prediz que a pessoa, de maneira geral, se comporta mais ecologicamente consciente do que uma pessoa com uma atitude neutra ou negativa a esse valor.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Asendorpf, Jens B. (2004). Psychologie der Persönlichkeit. Berlin: Springer.
  2. LaPiere, R. T. (1934). Attitude versus action. Social Forces, 13, 230-237.
  3. Wicker, A. W. (1969). Attitude versus action: The relationship of verbal and over behavioral responses to attitude objects. Journal of Social Issues, 25, 41-78.
  4. Fishbeib, M. & Ajzen, I. (1975). Attitudes toward objects as predictors of single and multiple behavioral criteria. Psychological Review, 81, 59-74.
  5. Weigel, R. H. & Newman, I. S. (1976). Increasing attitude-behavior correspondance by broadening the scope of the behavioral measure. Journal of Personality and Social Psychology, 33, 793-802.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Asendorpf, Jens B. (2004). Psychologie der Persönlichkeit. Berlin: Springer. ISBN 3 540 66230 8
Ícone de esboço Este artigo sobre psicologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.