Atlit Yam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Atlit Yam
הכפר הנאוליתי בעתלית-ים
—  Vila submersa  —
Estrutura megalítica submersa
Estrutura megalítica submersa
Localização da costa de Atlit, Israel
32° 42' 38,98" N 34° 56' 6.54" O
Região Mediterrâneo oriental
Fundado 6.900 aC
Abandonado 6.300 aC
Assentamento Atlit Yam
Área
 - Metro 9,9 km²
Altitude -10 m (-33 pés)

Atlit Yam é um sitio arqueológico com monumentos megalíticos submersos na costa de Atlit, Israel.

História[editar | editar código-fonte]

Atlit-Yam fornece a evidência mais antiga de um sistema de subsistência agro-pastoral-marinha na costa levantina.[1] Os artefactos arqueológicos em cerâmica correspondem à última fase do neolítico B com datas de 6900 a 6300 aC . Hoje, encontram-se entre 8-12 m abaixo do nível do mar na Baía de Atlit na foz do rio Oren na costa Carmel. Abrange uma área de ca. 40.000 m².

Escavações subaquáticas descobriram casas retangulares e um poço. O local foi coberto pelo aumento de eustático do nível do mar após o fim da idade do gelo. Supõe-se que a linha de costa contemporânea foi cerca de 1 km a oeste da costa atual.[2] [3] Pilhas de peixes prontos para o comércio ou armazenamento levaram os cientistas a concluir que a vila foi abandonada de repente. Um estudo italiano liderado por Maria Pareschi do Instituto Nacional Italiano de Geofísica e Vulcanologia de Pisa indica que um colapso vulcânico do flanco oriental do Monte Etna 8500 anos atrás, provavelmente teria causado um tsunami de 10 andares (40 m) engolindo algumas cidades costeiras do Mediterrâneo em poucas horas. Alguns cientistas apontam para o aparente abandono de Atlit Yam na mesma data como mais uma evidência de que efectivamente ocorreu um tsunami .[4] [5]

Descobertas arqueológicas[editar | editar código-fonte]

Esqueleto humano em Atlit Yam

Desde 1960 descobriram-se restos de barcos afundados na costa de Carmel. Ehud Galili, enquanto pesqisava indícios de afundamentos descobriu vestigios de um assentamento humano.[6]

Encontraram-se restos de casas retangulares com lareiras, e um poço que, atualmente, encontra-se 10,5 m abaixo do nível do mar, construído com muros de pedra seca, com 1,5 m de diâmetro e 5,5 m de profundidade. O espaço entre as pedras foram preenchidos com terra e ossos de animais em duas camadas separadas. A camada superior continha ossos de animais parcialmente articulados, que presumivelmente foram lançadas após o poço sair de uso. Outras estruturas redondas no local também podem ser poços. Galili acredita que a água nos poços foi gradualmente contaminada com a água do mar, forçando os habitantes a abandonar as suas casas.[6]

Encontrou-se uma estrutura semicírcular composta por sete megalítos de 600 kg . As pedras têm marcas esculpidas e estão dispostas em torno de uma nascente de água doce, o que sugere que podem ter sido usadas para um ritual de água.[6]

Dez enterros flexionados foram descobertos, tanto dentro das casas quanto nas suas imediações. Os esqueletos de uma mulher e de uma criança, encontrado em 2008, revelaram os primeiros casos conhecidos de tuberculose. Anzóis de ossos e pilhas de ossos de peixes prontos para o comércio ou armazenamento apontam para a importância dos recursos marinhos.[6] Os homens são pensados ​​serem mergulhadores de frutos do mar já que quatro esqueletos foram encontrados com danos no ouvido, provavelmente causada por mergulho em água fria.[6]

Datas por radiocarbono[editar | editar código-fonte]

O sitio arqueológico foi datado por radiocarbono com os resultados de três galhos submersos:

RefªLab BP data (aprox.) desviu
RT-2477/8 7605 6460 aC 55
RT-2479 7460 6270-6390 aC 55
RT-2489 7880 6660-6700 aC 55

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Marine archaeology
  2. Ehud Galili/Y. Nir, The submerged pre-pottery Neolithic water well at Atlit-Yam, northern Israel, and its palaeoenvironmental implications The Holocene 3, 1993, 265-270.
  3. Ehud Galili/ Jacob Sharvit, Submerged Neolithic water-wells from the Carmel coast of Israel. Landschaftsverband Rheinland, Rheinisches Amt für Bodendenkmalpflege (ed.), Brunnen der Jungsteinzeit. Internationales Symposium in Erkelenz, 27. bis 29. Oktober 1997. Materialien zur Denkmlapflege im Rheinland 11, 1998 (Bonn Habelt) 31-44.
  4. Than, Ker. "Ten-Story Tsunami Thrashed Mediterranean 8,000 Years Ago", Fox News, 2006-11-30. Página visitada em 2005-12-20.
  5. Hecht, Jeff. "How Etna's Neolithic Hiccup Set Off a Tsunami", New Scientist, 2006-12-13. Página visitada em 2005-12-20.
  6. a b c d e Marchant, Jo. (25 November 2009). "Deep Secrets: Atlit-Yam, Israel". New Scientist (2736): 40, 41. Reed Business Information Ltd.. ISSN 02624079.