Aubrey de Grey

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aubrey de Grey
Biogerontologia
Aubrey de Grey em 2008
Nacionalidade  Reino Unido
Residência Inglaterra
Nascimento 20 de Abril de 1963  (51 anos)
Local Londres, Inglaterra
Atividade
Campo(s) Biogerontologia
Alma mater Universidade de Cambridge
Conhecido(a) por SENS, Methuselah Mouse Prize

Aubrey David Nicholas Jasper de Grey (20 de abril de 1963) é um cientista inglês pesquisador do envelhecimento.[1] Trabalha no campo da gerontologia e é diretor da fundação SENS.

De Grey é autor da teoria do envelhecimento causado por radicais livres mitocondriais, e do livro para todos o públicos "Ending Aging", uma descrição detalhada de como a medicina regenerativa pode ser capaz de frustrar o processo de envelhecimento completamente dentro de poucas décadas. Ele trabalha no desenvolvimento do que chamou de "Estratégias para Reparar Envelhecimento Insignificante" (SENS) - uma estratégia de reparação de tecidos destinada a rejuvenescer o corpo humano e, assim, permitir uma "vida útil indefinida". Para este fim, ele identificou sete tipos de "dano" celular e molecular causados por processos metabólicos essenciais; SENS é um painel de propostas de terapias para reparar esse dano.[2] A comunidade científica está cética em relação a reivindicações de De Grey, uma revisão do SENS por 28 cientistas concluiu que nenhuma das terapias "já foi mostrada para estender a vida de qualquer organismo, e muito menos os seres humanos".

De Grey foi entrevistado nos últimos anos em muitas fontes de notícias, incluindo a CBS 60 Minutes, BBC, o New York Times, Fortune Magazine, The Washington Post, TED, Popular Science e The Colbert Report. Suas principais atividades são, actualmente, como diretor de Ciência da Fundação SENS[3] e editor-chefe da revista acadêmica Rejuvenation Research.

Educação[editar | editar código-fonte]

Aubrey de Grey foi educado na Sussex House School e na Harrow School. Em 1985 ele recebeu um B.A. em Ciência da Computação pelo Trinity Hall, Universidade de Cambridge e se juntou a Sinclair Research Ltd como um engenheiro de software de inteligência artificial; em 1986, ele co-fundou Man-Made Minions Ltd[4] para prosseguir o desenvolvimento de um programa automatizado verificador formal. Até 2006, ele foi responsável pelo desenvolvimento de software no Departamento de Genética da Universidade de Cambridge para o banco de FlyBase genética.

Em 2000 Cambridge concedeu a De Grey um Ph.D.[5] com base no seu livro sobre a biologia de um aspecto do envelhecimento, "The Mitochondrial Free Radical Theory of Aging"(ISBN 1-58706-155-4), que ele escreveu em 1999. O livro controverso diz que prevenindo danos ao DNA mitocondrial, por si só pode estender o tempo de vida de forma significativa, embora ele afirmou que é mais provável que os danos cumulativos à mitocôndria são uma importante causa de senescência, mas não é a única causa dominante. Em 8 de fevereiro de 2007, uma busca por "de Grey AD [au]" no Pubmed,[6] mostrou 61 publicações em 25 jornais peer-reviewed, dos quais 19 estão em Rejuvenation Research , o jornal editado por De Grey.

Estratégias[editar | editar código-fonte]

De Grey argumenta que os conhecimentos médicos fundamentais necessários para o desenvolvimento eficaz do antienvelhecimento na sua maioria já existe, e que a ciência está à frente do financiamento. Ele trabalha para identificar e promover abordagens tecnológicas específicas para a reversão de vários aspectos do envelhecimento, ou como De Grey coloca, "o conjunto de efeitos colaterais acumulado do metabolismo que, eventualmente, nos mata,"[7] e para as abordagens mais pró-ativas e urgentes para estender a vida humana saudável. Relativamente a esta questão, De Grey é um torcedor do prolongamento da vida.

A partir de 2005, o seu trabalho centrado em cima de um plano detalhado chamado Strategies for Engineered Negligible Senescence (SENS), que visa a prevenir o declínio físico e cognitivo relacionados com a idade. Em março de 2009, Aubrey de Grey co-fundou a Fundação SENS, uma organização sem fins lucrativos sediada na Califórnia, Estados Unidos, onde atualmente atua como diretor de Ciência. A Fundação "trabalha para desenvolver, promover e garantir o acesso generalizado a soluções da medicina regenerativa para as deficiências e as doenças do envelhecimento, "[8] focando sobre as Estratégias para Reparar Envelhecimento Insignificante (SENS). De Grey é também co-fundador (com David Gobel) e ex-cientista-chefe da Fundação Matusalém, uma organização sem fins lucrativos sediada em Springfield, Virginia, Estados Unidos. A principal atividade da Fundação Matusalém é o Matusalém Mouse Prize,[9] um prêmio destinado a acelerar a investigação sobre intervenções eficazes para a extensão da vida através da atribuição de prémios monetários para os investigadores que aumentarem a longevidade de ratos para idades sem precedentes. A esse respeito, De Grey afirmou em Março de 2005 "se quisermos tornar real terapias regenerativas que irão beneficiar não só as gerações futuras, mas aqueles de nós que estão vivos hoje, devemos incentivar os cientistas a trabalhar sobre o problema do envelhecimento". O prêmio chegou a 4,2 milhões de dólares em fevereiro de 2007. De Grey acredita que uma vez que uma extensão da vida dramática de ratos de meia idade for atingido, uma grande quantidade de financiamento será desviada para esse tipo de pesquisa, o que permitirá acelerar o progresso em fazer o mesmo para os humanos.

De Grey tem artigos publicados nesta área em periódicos de destaque com alguns dos principais pesquisadores de Biogerontologia, incluindo Bruce Ames, Gavrilov Leonid e S. Jay Olshansky, bem como outros pensadores, como Gregory Stock.[10] Ele também recebeu apoio de outros cientistas proeminentes, tais como William Haseltine, o pioneiro da biotecnologia do Human Genome Sciences, que em Março de 2005 declarou a respeito do Methuselah Mouse Prize "não há nada que se compare a este esforço, e já contribuiu significativamente para a conscientização de que a medicina regenerativa é uma realidade a curto prazo, e não uma especulação".[11]

Em 2005, ele foi tema de um artigo crítico do MIT Technology Review.[10]

Em 2007, De Grey escreveu o livro "Ending Aging" com a ajuda de Michael Rae.[12] O livro resume a ciência, a política social e os desafios da agenda de todo o SENS.[13]

Em 2008 na transmissão[14] do canal sobre a Arte alemã e francesa, De Grey confirmou que, segundo ele, o primeiro ser humano que vai viver até 1.000 anos provavelmente já está vivo agora, e pode até ter hoje entre 50 e 60 anos.

Os sete tipos de danos causadores do envelhecimento propostos por De Grey[15] [editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal (em inglês): Strategies for Engineered Negligible Senescence

1. Mutações nucleares/epimutações causadores de câncer: Estas são alterações no DNA nuclear (DNAn), a molécula que contém a nossa informação genética, ou a proteínas que se ligam ao DNAn. Certas mutações podem levar ao câncer, e, segundo De Grey, mutações não cancerígenas e epimutações não contribuem para o envelhecimento dentro de uma vida normal, assim o câncer é o único desfecho destes tipos de danos que deve ser abordado.

2. Mutações mitocondriais: As mitocôndrias são componentes em nossas células, que são importantes para a produção de energia. Elas contêm seu próprio material genético, e as mutações de seu DNA pode afetar a capacidade de uma célula para funcionar corretamente. Indiretamente, essas mutações podem acelerar muitos aspectos do envelhecimento.

3. Agregados intracelulares: Nossas células estão constantemente a quebrar as proteínas e outras moléculas que não são mais úteis ou que podem ser prejudiciais. Certas moléculas, que não podem ser digeridas, simplesmente se acumulam como lixo dentro de nossas células. Aterosclerose, degeneração macular e todos os tipos de doenças neurodegenerativas (como a doença de Alzheimer) estão associados a este problema.

4. Agregados extracelulares: Proteínas inúteis e Nocivas também podem se acumular fora de nossas células. Agregados da proteína beta-amilóide no cérebro dos pacientes de Alzheimer é um exemplo.

5. Perda de células: Algumas das células do nosso corpo não podem ser substituídas, ou só podem ser substituídos muito lentamente - mais lentamente do que morrem. Esta diminuição no número de células faz com que o coração se torne mais fraco com a idade, também provoca a doença de Parkinson e prejudica o sistema imunológico.

6. Envelhecimento celular: Este é um fenômeno onde as células não são mais capazes de se dividir, mas também não morrem e deixam que os outros se dividem. Elas também podem fazer outras coisas que não deveriam, como segregar proteínas que podem ser prejudiciais.

7. Ligações cruzadas extracelulares: As células são mantidas juntas por proteínas de ligação. Quando são formadas muitas ligações entre as células em um tecido, o tecido pode perder sua elasticidade e causar problemas, incluindo a arteriosclerose e presbiopia.[7]

Títulos e cargos[editar | editar código-fonte]

De Grey é um membro da Sociedade Gerontológica da América, do American Aging Association, do Instituto de Ética e tecnologias emergentes[16] e um conselheiro para o Singularity Institute.[17]

Debate Technology Review[editar | editar código-fonte]

Um debate sobre a legitimidade das propostas de De Grey para o combate ao envelhecimento foi publicada no MIT's Technology Review. No final, nenhum dos adversários de De Grey foram capazes de convencer os juízes que o SENS é "tão errado que é indigno de debate", embora os juízes disseram que "os defensores do SENS não tiveram um argumento convicente para o SENS".

Aparições em público gravadas[editar | editar código-fonte]

Conversas[editar | editar código-fonte]

Entrevistas de TV[editar | editar código-fonte]

Radio, podcast, e entrevistas em video podcast[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Revista ISTO É: O profeta da imortalidade
  2. SENS (Strategies for Engineered Negligible Senescence)
  3. SENS Foundation
  4. Man-Made Minions - HOME
  5. Congregation of the Regent House on 9 December 2000. Cambridge University Reporter (13 de Dezembro, 2000). Página visitada em 24 de Março, 2009. De Grey não foi registrado como um estudante de Ph.D. Special regulations available only to previous Cambridge undergraduates (of whatever discipline) permit the submission of "…a significant contribution to scholarship" instead. Applicants are evaluated by the usual methods, with examiners appointed and an oral defence of the submitted work.
  6. PubMed Home
  7. a b Hang in There: The 25-Year Wait for Immortality entrevista para a LiveScience
  8. [1]
  9. Methuselah Mouse Prize
  10. a b Nuland, Sherwin. (Fevereiro 2005). "Do You Want to Live Forever?". Technology Review.
  11. Britt, Robert Roy. 9 de Março, 2005. "Anti-Aging Prize Tops $1 Million". LiveScience. Imaginova.
  12. de Grey, Aubrey; Rae, Michael. Setembro 2007. Ending Aging: The Rejuvenation Breakthroughs that Could Reverse Human Aging in Our Lifetime. New York, NY: Saint Martin's Press, 416 p. ISBN 0312367066.
  13. Ben Best (Dezembro 2007). Book Review: ENDING AGING. Life Extension Magazine. Life Extension Foundation. Página visitada em 2007-04-12.
  14. Aux frontières de l'immortalité, 16 de Novembro, 2008, 23:10, director : Gerald Caillat
  15. Aubrey de Grey diz que podemos evitar envelhecer
  16. Aubrey de Grey, Fellow, Institute for Ethics and Emerging Technologies
  17. Aubrey de Grey, advisor, The Singularity Institute

Ligações externas[editar | editar código-fonte]