Auguste de Saint-Hilaire

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Auguste de Saint-Hilaire
Botânica
Nacionalidade França Francês
Nascimento 4 de outubro de 1779
Local Orleães
Morte 3 de setembro de 1853 (73 anos)
Local Orleães
Atividade
Campo(s) Botânica

Augustin François César Prouvençal de Saint-Hilaire (Orleães, 4 de outubro de 1779 — Orleães, 3 de setembro de 1853) foi um botânico, naturalista e viajante francês.

Presença no Brasil[editar | editar código-fonte]

Viajou alguns anos pelo Brasil, tendo escrito importantes livros sobre os costumes e paisagens brasileiros do século XIX. Comenta a "Brasiliana da Biblioteca Nacional", página 69: " A viagem do botânico Auguste de Saint-Hilaire ao Brasil foi paradigmática no que diz respeito à forma como os cientistas da Europa dita civilizada se relacionaram com o Brasil no início do século XIX. O francês veio para o Brasil em 1816, acompanhando a missão extraordinária do duque de Luxemburgo, que tinha por objetivo resolver o conflito que opunha Portugal e França quanto à posse da Guiana. Apesar de ter conseguido fazer parte da missão graças a suas relações pessoais, Saint-Hilaire obteve a aprovação do Museu de História Natural de Paris e financiamento do Ministério do Interior. O naturalista deixou o Brasil em 1822."

Prossegue o mesmo autor:

"Não foi um amador que veio ao Brasil. Saint-Hilaire conhecia profundamente a literatura científica e de viagens da época e os procedimentos práticos do trabalho de um naturalista, tais como noções básicas de agricultura, confecção de herbários, transporte de vegetais e, principalmente, dissecação de plantas, a fim de descobrir seus órgãos, por menores ou mais escondidos que estivessem. Uma das características mais marcantes do envolvimento de Saint-Hilaire com o Brasil foi sua vinculação aos discursos e práticas utilitárias e filantrópicas que dominam a literatura de viagens desde fins do Antigo Regime. Segundo ele e as autoridades ministeriais que o enviaram, os objetivos maiores de sua viagem seriam o bem-estar da humanidade e a glória nacional. Como na época a França considerava seus interesses como universais, esses dois objetivos se confundem. O Brasil poderia ser benéfico à França por conter uma infinidade de plantas úteis ainda mal conhecidas."

E mais:

"As práticas de espionagem botânica de Saint-Hilaire seriam qualificadas hoje em dia de biopirataria. Ao chegar ao Rio de Janeiro, ele estabelece contacto com Maller, cônsul francês, que o ajuda a remeter produtos naturais para a Martinica. Além disso, ele convence frei Leandro do Sacramento a enviar plantas a Martinica e a Caiena. São 21 caixas de plantas vivas originárias dos arredores do Rio de Janeiro que seguem para as colônias francesas."

Tratava-se provavelmente, para ele, de algo plenamente justificável, uma troca e não um roubo, pois sendo útil aos franceses, estaria ao mesmo tempo sendo útil aos brasileiros. "Conhecimentos apenas empíricos passariam a fazer parte do universo da ciência. É com esse objetivo que ele publica os livros "Histoire des plantes les plus remarquables du Brésil et du Paraguay" (1824) e "Plantes usuelles des Brasiliens" (sic) (1824-1828).

Em obra posterior, de 1840, Saint-Hilaire afirma: "Talvez não tenha sido inútil aos meus semelhantes, quando submeti aos princípios rigorosos da ciência o exame das plantas que os brasileiros empregam para o alívio de seus males". Afirma a "Brasiliana" abaixo citada, página 69: 'Desse modo o sentimento de filantropia que permeava as atividades dos viajantes-naturalistas parte de uma distinção inicial básica: países civilizados com ciência, e países não totalmente civilizados com práticas empíricas tradicionais.´

As fronteiras nacionais deveriam portanto ser abolidas, a ciência se tornava universal, seu desenvolvimento seria útil a toda a humanidade. "Por onde passava, Saint-Hilaire recolhia informações sobre o uso de plantas na medicina, na alimentação e na indústria."

Bem diferente de seu compatriota François Biard, descreveu com sensibilidade suas impressões sobre a variedade do mundo vegetal no Brasil em "Voyage dans les provinces de Rio de Janeiro et de Minas Gerais" (1830):

"Para conhecer toda a beleza das florestas tropicais é necessário penetrar nesses retiros tão antigos como o mundo. Nada aqui lembra a cansativa monotonia de nossas florestas de carvalhos e pinheiros; cada árvore tem, por assim dizer, um porte que lhe é próprio; cada uma tem sua folhagem e oferece frequentemente uma tonalidade de verde diferente das árvores vizinhas. Vegetais imensos, que pertencem a famílias distantes, misturam seus galhos e confundem sua folhagem."

Foi bastante crítico quanto ao reinado do imperador D. Pedro I e no Apêndice de "Voyage dans le district des diamants et sur le litoral du Brésil" (Paris, 1833).

"Desde os primeiros momentos da revolução (independência), um bando de homens ignorantes, nutridos dos hábitos do servilismo, foram chamados bruscamente a participar do governo."

Diz a "Brasiliana" abaixo referida, página 74: "Apesar de bem intencionado, o imperador não estava à altura de realizar a tarefa de tirar o Brasil dos vícios estabelecidos com o sistema colonial e a escravidão. Saint-Hilaire termina seu texto depositando suas esperanças no governo de Pedro II, ainda criança. Sua análise conservadora temia o exemplo dos países sul-americanos, onde o regime republicano, segundo ele, só trouxera desalento. Enfim, há nele a ideia de que o Brasil caminha a passos lentos para o estado de civilização."

Obras selecionadas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • "Brasiliana da Biblioteca Nacional", Rio de Janeiro, 2001.
  • KURY, Lorelai. "La politique des voyages et la culture scientifique d´Auguste de Saint-Hilaire" in Yves Laissus (org.) Les naturalistas français en Amérique du Sud - XVIe.-XIXe siècles, Paris, CTHS, 1995.
  • SAINT-HILAIRE, Auguste de - "História das Plantas Mais Notáveis do Brasil e do Paraguai".Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2011.
  • SAINT-HILAIRE, Auguste de - "Leçons de botanique comprenant principalement la morphologia végétale…", Paris, J-P Loss, 1840.
  • SAINT-HILAIRE, Auguste de - "Quadro Geografico da Vegetação Primitiva na Província de Minas Gerais".Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2011.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikipedia-pt-hist-cien-logo.png Portal de história da ciência. Os artigos sobre história da ciência, tecnologia e medicina.