Augusto Emílio Zaluar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Augusto Emílio Zaluar
AEZ.JPG
Augusto Emílio Zaluar por Fernand Delannoy.
Nascimento 14 de Fevereiro de 1826
Lisboa, Portugal
Morte 03 de abril de 1882
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade Portugal Português Brasil Brasileiro
Ocupação Escritor, poeta, jornalista

Augusto Emilio Zaluar (Lisboa, 14 de fevereiro de 1826Rio de Janeiro, 3 de abril de 1882) foi um escritor, poeta e jornalista. Nascido em Lisboa, emigrou para o Brasil em 1850 e naturalizou-se cidadão brasileiro em 1856. Filho do Major José Dias de Oliveira, Zaluar teve três filhos no Brasil.

Vida profissional[editar | editar código-fonte]

No Brasil, entre outras atividades, fundou o jornal Espelho (cf. SODRÉ, 1966, p. 222), além de participar como redator de O Álbum Semanal (1851-1853) e como diretor de O Vulgarisador (1877-1879), todos cariocas. Na apresentação da primera edição de O Vulgarisador, Zaluar afirma que:

Cquote1.svg Na luta que daqui se deriva entre as aspirações impacientes do progresso e a relutância pertinaz dos preconceitos tradicionais, nasce para uns a dúvida e para outros uma resistência, teimosa e quase inconsciente, que é antes resultado da ignorância, do que de um antagonismo fatal contra as leis imutáveis das civilizações ascendentes. Cquote2.svg
Zaluar

Publicou Dores e Flores, em 1851, na editora de Paula Brito, além de traduzir folhetins estrangeiros para jornais. Vale destacar o prefácio (cf. CÉSAR, 1971, p. 294) feito ao livro poético Prelúdios, da gaúcha Julieta de Melo Monteiro, esposa do também imigrante português Francisco Guilherme Pinto Monteiro. Conforme O berço do cânone, Zaluar foi incluído no Lírica Nacional (1862), de Quintino Bocaiúva. Amigo próximo de Manuel Antônio de Almeida, é dele o primeiro perfil biográfico do autor das Memórias de um Sargento de Milícias, logo após o trágico desaparecimento do romancista no naufrágio do Vapor Hermes, na costa fluminense, em dezembro de 1861. Transcrito no livro Obra Dispersa, uma coletânea dos textos esparsos de Manuel Antônio de Almeida, o artigo de Zaluar, publicado pelo Diário do Rio de Janeiro em 05 e 7 de fevereiro de 1862, é uma vigorosa denúncia das causas políticas e ideológicas que levaram à marginalização, tanto no jornalismo quanto no serviço público, do pioneiro do romance brasileiro, um abolicionista e republicano radical no auge do Segundo Reinado, da elite agrária e do trabalho escravo. Trabalhou como jornalista no jornal O Globo, escrevendo várias matérias sobre a Exposição Nacional de 1875. Também foi o autor da primeira obra de ficção científica do Brasil, O Doutor Benignus.

Principais livros[editar | editar código-fonte]

O Doutor Benignus (1875)

Peregrinação pela Província de São Paulo (1860-1861) (1862)

Títulos e prêmios[editar | editar código-fonte]

Imperial Ordem da Rosa[1]

Notas e referências

  1. Denise Aparecida Sousa Duarte (2010). [http://www.fafich.ufmg.br/temporalidades/pdfs/3p123.pdf Augusto Emílio Zaluar: aspectos da trajetória e produção de um intelectual português no Brasil do século XIX.].

Augusto Emilio Zaluar, "Jornalismo e verdade: a rotina na utopia". In: Manuel Antônio de Almeida, Obra dispersa. Rio de Janeiro, Graphia, 1991.

Alan Modesto Dias, 2006. Augusto Emílio Zaluar e os homens sem senhor: vida cotidiana na peregrinação pela província de São Paulo, 1860-1861. Tese de Mestrado, PUC, SP.

Edgar Indalecio Smaniotto, 2007. A FANTÁSTICA VIAGEM IMAGINÁRIA DE AUGUSTO EMÍLIO ZALUAR: ensaio sobre a representação do outro na antropologia e na ficção científica brasileira. Editora Corifeu: Rio de Janeiro.

Ana Paula Monte, 2011. Vulgarização em Tempos Remotos. Ciência Hoje On-line

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.