Aurora (Nevada)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aurora
Localidade dos Estados Unidos Estados Unidos
Vista da rua principal de Aurora, cerca de 1934
Aurora está localizado em: Nevada
Aurora
Localização de Aurora em Nevada
Aurora está localizado em: Estados Unidos
Aurora
Localização de Aurora nos Estados Unidos
Localização
38° 17' 21" N 118° 53' 57" O
Condado Condado de Mineral
Estado  Nevada
Tipo de localidade cidade fantasma
Características geográficas
População (2010) 0 hab. ( hab./km²)

Portal Portal Estados Unidos
O veio Esmeralda, a sua descoberta levou à criação do futuro Distrito Mineiro de Aurora

Aurora é uma cidade fantasma. localizada no condado de Mineral, na parte centro-oeste do estado do Nevada, Estados Unidos. Fica situada a aproximadamente 35 quilómetros de Hawthorne e a cinco quilómetros da linha de fronteira entre o Nevada e a Califórnia.

Na atualidade quase nada existe do que a cidade foi noutros tempos, tendo sofrido enorme destruição por vandalismo ao longo dos anos. Após a Segunda Guerra Mundial muitos dos edifícios foram derrubados por causa dos tijolos das casas que tinham sido abandonadas.[1]


História[editar | editar código-fonte]

J.M Corey, James N Braley e R. Hicks fundaram a cidade em 1860. Por causa das minas, a cidade cresceu demograficamente, chegando a atingir os 10.000 habitantes.[2] As minas de Aurora produziam ouro no valor de 27 milhões de dólares em 1869. A cidade era governada pelos estados da Califórnia e Nevada até ser inteiramente integrada no estado do Nevada. Aurora chegou a ser a sede de dois condados: o condado de Mono , estado da Califórnia e do condado de Esmeralda, estado do Nevada.

Crescimento de Aurora[editar | editar código-fonte]

Passado pouco tempo após a sua fundação, uma pequeno grupo de mineiros rapidamente partiu para a área, depois de terem ouvido falar dos depósitos mineiros na área. Casas toscas e negócios foram criados utilizando lama e outros materiais que podiam ser encontrados na área ou facilmente transportados para Aurora. Em abril de 1861, a população da cidade aumentou para 1400 habitantes e os lotes da cidade eram vendidos por $1,500. Em 1862, a cidade já tinha um jornal chamado "The Esmeralda Star". Dois anos mais tarde em 1864, a população já era de 6000 habitantes. O pico da população foi de 10.000 habitantes.[3] . Antes de 1860 e da descoberta das minas, viviam menos de 100 pessoas na área de Aurora. O maior número de habitantes foi alcançado na primavera de 1863 depois do veio "Wide West ter fornecido muitos postos de trabalho.[4] As minas de Aurora eram tão ricas que o boom da cidade atraiu mineiros de todo o oeste dos Estados Unidos.[5] Viajar na primavera era mais fácil que no inverno ou nos meses de verão. Na primavera de 1863, Aurora possuía 760 casas, 20 lojas e 22 saloons. Como na maioria das cidades mineiras, a população incluía um pequeno número de mulheres e crianças, comparada com a grande maioria de população masculina que trabalhavam quase todos nas minas ou nos negócios que existiam por causa delas.

Viajar para Aurora era difícil mas o Mono Trail e a estrada de Sonora Pass eram importantes ligações para Aurora. Depois de ter sido construída, a estrada Esmeralda Toll ligava Aurora a San Francisco através do vale do Carson Isto permitia que Aurora recebesse alimentos diretamente de San Francisco, o que contribuía para o seu crescimento demográfico. Como Aurora crescia em tamanho, a agricultura cresceu tal como pessoas trabalhando no campo, pastorícia, produtos lácteos, cereais e vegetais.[6]

Vida em Aurora[editar | editar código-fonte]

Os habitantes de Aurora compreenderam rapidamente que o clima era áspero e o tempo totalmente imprevisível, tornando a vida difícil para os seus residentes. A maioria da população era masculina e os saloons eram numerosos. As casas de apostas e bordéis eram igualmente comuns e forneciam o entretenimento noturno para os habitantes da cidade. Havia numerosos bordéis chineses e mais metade das mulheres da cidade eram prostitutas. Outras atividades de recreio para os homens eram a caça e pesca, lutas de cães ou lutas entre cães e texugos, que era outra oportunidade para fazer apostas. O esqui era outra grande atividade de recreio na cidade, graças *as montanhas existentes à volta da cidade. Essa foi provavelmente a mais popular atividade de recreio entre os residentes de Aurora.

A violência era o principal problema da cidade. A maioria dos homens trazia consigo pistolas e facas durante a vida diária e os conflitos armados não eram raros. Estes conflitos muitas vezes terminavam em mortes. Existem numerosos exemplos de desentendimentos que conduziam à violência armada. A vida familiar quase não existia devido ao número reduzido de mulheres e crianças na cidade. Isto permitia que os homens da cidade frequentassem os saloons, bordéis e casas de apostas que havia na cidade.[7]

Queda e abandono de Aurora[editar | editar código-fonte]

Aurora teve dificuldades em manter a sua prosperidade, devido à natureza das minas. A maioria das minas da cidade estavam a menos de 100 metros de profundidade o que não fornecia profundidade suficiente para durar muito tempo. O ouro e a prata tinham sido completamente extraídos por volta de 1870. Muitas pessoas abandonaram a área, mas deixaram os edifícios, lojas e casas intactos. Eventualmente, estes edifícios foram despojados dos seus tijolos para serem utilizados em lareiras na Califórnia e outras necessidades de construção.[8] Por causa do seu isolamento - Aurora estava a muitos quilómetros de qualquer cidade grande e rodeada por terreno montanhoso acidentado - o fornecimento de alimentos outros bens essenciais tornou-se difícil. Alimentos, combustível, madeira, máquinas, ferramentas, equipamento e roupas eram escassos. Eles tinham que ser enviadas através de estradas difíceis e diligências. Viajar nos meses de inverno também era muito difícil. A cidade era dominada por um clima severo com o clima violento e imprevisível e tornava difícil que a cidade pudesse sobreviver sem apoio externo.[9]

Em 1864, 7 dos 17 engenhos mineiros da cidade tiveram que encerrar e as restantes estavam produzindo menos. No ano seguinte, a produção continuou diminuindo e mais engenhos encerraram. Em 1870, metade das casas da cidade estavam desertas e a maioria dos engenhos e edifícios tinham sido desmanteladas.[10] Houve algumas tentativas de fazer reviver a cidade, mas não tiveram sucesso, a última tentativa fracassada foi em 1918.

Na atualidade[editar | editar código-fonte]

Na atualidade existem poucos vestígios na cidade . Na cidade permanecem as ruas e as fundações de alguns edifícios. A maioria dos edifícios foram desmantelados.[11] , os seus materiais, em especial os tijolos foram pilhados e levados para casas da Califórnia.[12]

Residentes notáveis[editar | editar código-fonte]

Mark Twain viveu por breve tempo em Aurora.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Wieprecht, W. E.. National Register of Historic Places Nomination Form: Aurora,. Página visitada em 3 de fevereiro de 2014.
  2. Florin, Lambert. 1971. Ghost towns of the West. [New York]: Promontory Press.
  3. Florin, Lambert. 1971. Ghost towns of the West. [New York]: Promontory Press.
  4. Earl W. Kersten, Jr., The Early Settlement of Aurora, Nevada, and Nearby Mining Camps, Annals of the Association of American Geographers , Vol. 54, No. 4 (Dec., 1964), pp. 490-507
  5. McGrath, Roger. Gunfighters Highwaymen & Vigilantes. Berkeley and Los Angeles, California: University of California Press, 1984.
  6. Earl W. Kersten, Jr., The Early Settlement of Aurora, Nevada, and Nearby Mining Camps, Annals of the Association of American Geographers , Vol. 54, No. 4 (Dec., 1964), pp. 490-507
  7. McGrath, Roger. Gunfighters Highwaymen & Vigilantes. Berkeley and Los Angeles, California: University of California Press, 1984.
  8. Florin, Lambert. 1971. Ghost towns of the West. [New York]: Promontory Press.
  9. McGrath, Roger. Gunfighters Highwaymen & Vigilantes. Berkeley and Los Angeles, California: University of California Press, 1984.
  10. Earl W. Kersten, Jr., The Early Settlement of Aurora, Nevada, and Nearby Mining Camps, Annals of the Association of American Geographers , Vol. 54, No. 4 (Dec., 1964), pp. 490-507
  11. Florin, Lambert. 1971. Ghost towns of the West. [New York]: Promontory Press.
  12. McGrath, Roger. Gunfighters Highwaymen & Vigilantes. Berkeley and Los Angeles, California: University of California Press, 1984.