Autonomismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Autonomismo é o nome dado a um conjunto de teorias afins ao movimento socialista e a vários movimentos sociais e políticos de esquerda existentes principalmente na Europa. Caracterizam-se pela oposição à burocracia dominante nos Estados contemporâneos, sejam capitalistas ou marxistas. Os autonomistas, de modo geral, propõem a descentralização do poder, a autogestão e a colaboração em rede entre todos os que se dispõem a estabelecer novos modelos sociais, de modo a que a sociedade no futuro possa superar os modelos historicamente mais autoritários.

Como sistema teórico identificável, o autonomismo surgiu na Itália, nos anos 1960, a partir do operaísmo.[1] Mais tarde, após o refluxo dos movimentos de extrema-esquerda italianos, as tendências pós-marxistas e anarquistas tornaram-se importantes, sob influência do situacionismo e com o surgimento de importantes teóricos incluindo Antonio Negri, um dos fundadores do Potere Operaio, Mario Tronti, Paolo Virno e outros.

A influência do movimento chegou à Alemanha, aos Países Baixos, além da Itália, França e, com menor intensidade, os países anglófonos, além de inspirar o movimento internacional okupa. Os autonomistas inserem-se em um espectro ideológico relativamente amplo - desde reformistas, a pós-estruturalistas e anarquistas.

Há exemplos de lideranças autonomistas que já conseguiram transformações em algumas áreas sociais, como foi o caso do psiquiatra italiano Franco Basaglia, que liderou a reforma psiquiátrica em seu país e no mundo, com amplas discussões teóricas em sua obra A Instituição Negada (1968). Outros expoentes teóricos relativamente recentes, em relação à história política contemporânea, são os franceses Gilles Deleuze e Félix Guattari, este autor da Revolução Molecular, na qual prevê mudanças sociais gradativas e "em rede", das quais a própria revolução de costumes e de comunicações pela Internet são exemplos.

No Brasil, o movimento com mais clara inspiração autonomista é o deflagrado em junho de 2013, quando tomou conta das ruas o movimento dos jovens por mudanças políticas a partir de coletivos de características autonomistas (de organização horizontal, não hierarquizada) tais como o Movimento Passe Livre (MPL). Os autonomistas (cujas origens teóricas historicamente remontam a Proudhon (filósofo político e econômico francês e teórico de esquerda), que influenciou assim como Bakunin as teorias politicas anarquistas que diferem do marxismo pela enfase incessante ao anti-autoritarismo.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]


Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Ícone de esboço Este artigo sobre política, partidos políticos ou um político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.