Avenida da Liberdade (Lisboa)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Avenida da Liberdade
OSM-Lisboa-AvenidaLiberdade.jpg
Avenida da Liberdade (a vermelho)
Freguesia(s): Santo António
Lugar, Bairro: São José e Coração de Jesus
Início: Praça dos Restauradores
Término: Praça do Marquês de Pombal
Comprimento: 1 100 m
Abertura: 1886
Nomeação: 18 de agosto de 1879
Designação anterior: Passeio Público
Avenida Liberdade Lisboa 1.JPG
Quiosque na Avenida da Liberdade.
Toponímia de Lisboa

A Avenida da Liberdade é uma das principais avenidas da cidade de Lisboa, em Portugal, que liga a praça dos Restauradores à Praça do Marquês de Pombal. Com cerca de 90 m de largura e 1100 m de comprimento, conta com várias faixas e largos passeios decorados com jardins e calçada à portuguesa.

A avenida da Liberdade e a praça dos Restauradores têm a sua origem no boulevard chamado Passeio Público, iniciado em 1764, e criado pelo arquiteto Reinaldo Manuel. Inicialmente murada, a encosta foi alvo de grandes alterações nas décadas de 1830 e 1840 pelo arquiteto Malaquias Ferreira Leal, que introduziu um novo arranjo de jardins e fontes, com quedas de água e estátuas alegóricas que representam o rio Tejo e o rio Douro.

Após muita polémica, a avenida foi construída entre 1879 e 1886, à imagem dos boulevards de Paris. A sua criação foi um marco na expansão da cidade para norte, e tornou-se rapidamente uma referência para as classes mais abastadas aí localizarem as suas residências.

Muitos dos edifícios originais da avenida foram sendo substituídos nas últimas décadas por edifícios de escritórios e hotéis. Hoje a avenida ainda contém edifícios muito interessantes do ponto de vista artístico e arquitetónico, sobretudo do século XIX tardio e século XX inicial. Há ainda estátuas de escritores como Almeida Garrett, Alexandre Herculano, António Feliciano de Castilho e outros, e um Monumento aos Mortos da Grande Guerra (Primeira Guerra Mundial) que foi inaugurado em 1931, obra de Rebelo de Andrade e Maximiano Alves, e que se situa perto do Parque Mayer.

As suas qualidades cénicas, as lojas de prestígio, hotéis, teatros e edifícios históricos tornam-na um marco turístico da cidade. É considerada a 35ª avenida mais cara do mundo.

A avenida da Liberdade é ainda o palco principal dos desfiles tradicionais das festas da cidade que se executam na noite de véspera da festividade de Santo António de Lisboa (noite de 12 para 13 de junho), em que os bairros de Lisboa competem entre si pela "melhor marcha".

A 18 de Junho de 2013, a Avenida da Liberdade foi classificada como o Conjunto de Interesse Público.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Depois do Terramoto de 1755, o Marquês de Pombal mandou construir o Passeio Público na área atualmente ocupada pela parte inferior da Avenida da Liberdade e Praça dos Restauradores. Embora se denominasse de Passeio Público, inicialmente era rodeado por muros e portões por onde só passavam os membros da alta sociedade. Porém, em 1821, o rei D. João VI ordenou que os muros fossem derrubados para que toda a gente, rica ou pobre, pudesse circular pelo Passeio. Pombal teve o cuidado de aproveitar pequenos riachos que por ali passavam e, em vez de os drenar/desviar, integrou-os na ornamentação do passeio. Porém, com o passar do tempo, os mesmos foram secando naturalmente e/ou foram drenados para permitir as construções que hoje aí se encontram.

A avenida atualmente existente foi construída entre 1879/1882 no estilo dos Campos Elísios em Paris. A grande avenida arborizada tornou-se num centro de cortejos, festividades e manifestações. A avenida ainda conserva a sua elegância, com fontes e esplanadas magníficas sob as árvores. Majestosa, com 90 m de largura e pavimentos decorados com padrões abstratos, está agora dividida por dez faixas de trânsito que ligam a Praça dos Restauradores, a sul, à Praça do Marquês de Pombal, a norte.

Algumas das mansões originais foram preservadas, incluindo o neoclássico Teatro Tivoli, com um quiosque da década de 1920 no exterior. Infelizmente, muitas das fachadas no estilo arte nova deram lugar a edifícios ocupados por escritórios, hotéis ou complexos comerciais.

Monumentos[editar | editar código-fonte]

Na Avenida da Liberdade existem vários monumentos e estátuas:

Hotéis e lojas[editar | editar código-fonte]

Está repleta de hotéis (muitos deles de luxo), lojas e alguns dos melhores cafés, teatros e universidades, sendo também o ponto de eleição de escritórios e lojas de moda. Para além das antigas lojas de alfaiates, existem lojas de marcas de luxo internacionalmente conhecidas como Carolina Herrera, Purificacion Garcia, MiuMiu, Trussardi, Max Mara, Furla, Louis Vuitton, Prada, Dolce & Gabbana, Armani, Gucci, Tod's, Burberry, etc. Também existem lojas multimarca de luxo, que vendem marcas como Christian Dior, Chanel, Versace, Balmain, Gucci, Givenchy, Yves Saint Laurent, Michael Kors, Stella McCartney, Christian Louboutin, Donna Karan, etc.

Transportes[editar | editar código-fonte]

A avenida é servida por três estações do Metropolitano de Lisboa:

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Avenida da Liberdade (Lisboa)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências