Aviação militar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2005). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Caças de superioridade aérea russos Su-35S, Su-34 e T-50.

Tradicionalmente, a aviação militar é a utilização de aviões (civis ou militares) para fins exclusivamente militares.[nota 1] Contemporaneamente, porém, a atividade tem incluído o uso de outras aeronaves (principalmente helicópteros e drones), contexto em que a denominação conceitualmente mais correta é aeronáutica militar.

Aviação militar por nação[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Nas décadas que antecederam a Segunda Guerra Mundial, a aviação militar brasileira esteve vinculada ao Exército,[3] ao passo que a Marinha possuía sua própria aviação.[4]

Porém, no contexto contemporâneo a "aviação" militar brasileira é a atividade de aeronáutica militar executada exclusivamente no âmbito da Circulação Operacional Militar (COM). Esse tipo de atividade faz parte do Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro (SISDABRA), que por envolver soberania nacional possui caráter sigiloso e por isto as normas que regulamentam essa atividade não estão disponíveis ostensivamente.[nota 2]

O alto-comando do SISDABRA é o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA), este por sua vez subordinado ao COMAER (antigo MAER).[6]

Funções na aviação militar[editar | editar código-fonte]

Conforme o tipo de operação e a nação, a aviação militar pode incluir:

  • Aviação de combate: inclui caças, caças-bombardeiros, torpedeiros e bombardeiros.
  • Aviação de informação: inclui aviões de patrulha, de reconhecimento e foto-inteligência (aerolevantamento), de alerta antecipado, de guerra eletrónica e de reconhecimento meteorológico.
  • Aviação de transporte e apoio logístico: inclui aviões de transporte de assalto, de transporte tático, de transporte estratégico, de transporte especial e de reabastecimento aéreo.
  • Aviação de busca e salvamento (SAR): inclui aviões de busca e salvamento geral e de busca e salvamento em combate.
  • Aviação de instrução e treinamento: inclui aviões de instrução básica, de instrução elementar, de instrução complementar e de conversão operacional.

Dentro da aviação militar há duas áreas especiais que se destinam a actuar em ambientes específicos:

Organização da aviação militar[editar | editar código-fonte]

Até a 2ª Guerra Mundial, a maioria das nações não dispunha de uma Força aérea independente, por isto a Aviação Militar aeroterrestre ou aeronaval era integrada, respectivamente, ao Exército ou à Marinha. A partir do momento em foram criadas as primeiras Forças Aéreas independentes (dotadas de um comandante próprio), a atividade de aviação militar passou a ser organizada segundo diferentes esquemas, em cada nação. Eis os três esquemas mais recorrentes:

  • Toda a Aviação Militar fica integrada à Força Aérea.
  • A Aviação Naval mantém-se integrada à Marinha e o restante fica sob responsabilidade da Força Aérea.
  • A maior parte da Aviação Militar fica integrada à Força Aérea, porém a Marinha e o Exército mantêm pequenos esquadrões para aviação militar aeronaval e aeroterrestre, respectivamente.

Notas

  1. Conforme dispunham o Estatuto da Aviação Militar[1] e as instruções para o funcionamento da Escola de Aviação Militar,[2] por exemplo, todos os profissionais envolvidos na Aviação Militar (ar ou terra) atuavam especificamente com aviões.
  2. Vide o art. 3º do Decreto-Lei 1.778/80.[5]

Referências

  1. BRASIL (2 de junho de 1927). Decreto nº 17.818 Câmara dos Deputados. Visitado em 24 de setembro de 2014. "Aprova o estatuto da Aviação Militar"
  2. BRASIL (7 de maio de 1936). Decreto nº 802 Subsecretaria de Informações do Senado Federal. Visitado em 24 de setembro de 2014. "Aprova as instruções para o funcionamento da Escola de Aviação Militar"
  3. Decreto nº 15.517 (10 de junho de 1922). Visitado em 24 de setembro de 2014. "Altera o regulamento da Escola de Aviação Militar"
  4. BRASIL (9 de dezembro de 1920). Decreto nº 4.206 Subsecretaria de Informações do Senado Federal. Visitado em 24 de setembro de 2014. "Divide em duas categorias todo o pessoal da aviação militar e naval"
  5. BRASIL (18 de março de 1980). Decreto-Lei nº 1.778 Casa Civil da Presidência da República. "Cria o Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro - SISDABRA e dá outras providências"
  6. BRASIL (26 de desembro de 1995). Decreto nº 1.759 Casa Civil da Presidência da República. Visitado em 24 de setembro de 2014. "Aprova o Regulamento do Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro e dá outras providências"

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Portugal[editar | editar código-fonte]