Bálcaros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa étnico do Cáucaso

Os Bálcaros (em Língua carachaio-bálcara : singular малкъар - malqar, plurall малкъарла - malqarla) são um povo turco do Cáucaso do norte ou Ciscaucásia, que formam com os Cabardos a população que dá o nome à Cabárdia-Balcária, região autônoma da Federação Russa. A sua língua, a Carachaio-Bálcara, faz parte do subgrupo linguístico Proto-Cáspio do grupo noroeste das línguas turcomanas, grupo das Kiptchaks, relacionadas aoTártaro da Crimeia,ao Bashkir e ao Kumyk.

População[editar | editar código-fonte]

Conforme censo da Federação Russa de 2002, havia cerca de 105 mil Bálcaros na Cabárdia-Balcária.

História[editar | editar código-fonte]

Há opiniões muito disseminadas entre os estudiosos no sentido de que os Bálcaros descenderiam de uma tribo de búlgaros ("búlgaros brancos onugunduri) que se deslocou para a região do Cáucaso, depois que os Hunos migraram em direção ao ocidente no início do século IV.

O termo Balkar (Bálcaro) derivaria da palavra Bolgar ou Bulgar ; Seriam portanto Búlgaros, conforme explicado acima, que habitavam a Antiga Grande Bulgária na Idade Média e se fixaram no Cáucaso, enquanto que outros se deslocaram para a Bulgária dos Balcãs ou para a atual Tartária, no trecho médio do rio Volga.

Em 1944, Stalin acusou os Bálcaros da Cabárdia-Balcária de colaboracionismo com a Alemanha nazista e deportou toda a população. Seu território passou a ser chamado RSSA (República socialista soviética autônoma) da Cabárdia. Essa situação perdurou até 1957, quando a população dos Bálcaros foi autorizada a se reintegrar a sua região original, voltando a mesma a se chamar Cabárdia-Balcária.

Notas e referências