Bíblia dos Jerónimos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bíblia dos Jerónimos, frontispício do Vol. I
Frontispício do Vol. I - painel com Nicolau de Lira na cátedra

A chamada Bíblia dos Jerónimos é uma Bíblia manuscrita em sete volumes, produzida na última década do século XV em Florença para o futuro rei D. Manuel I de Portugal. Decorada com iluminuras de extremo luxo e requinte, a sua qualidade ímpar têm levado especialistas a tecer os mais altos elogios a esta Bíblia, considerando-a um dos mais ricos exemplares alguma vez saído das oficinas de iluminação florentinas do Renascimento. Foi legada pelo monarca em testamento ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, onde permaneceu até o século XIX. É hoje guardada no arquivo nacional da Torre do Tombo, na capital portuguesa.

História[editar | editar código-fonte]

Prólogo do Vol. I - Incipit da Epístola de São Jerónimo a Paulino presbítero

A obra foi produzida pela oficina de Attavante degli Attavanti, auxiliado pelos irmãos Gherardo e Monte del Fora, por encomenda do mercador florentino Clemente Sernigi, para ser oferecida ao príncipe herdeiro D. Manuel, então ainda Duque de Beja. O contrato para a execução da obra foi firmado entre o encomendante e Attavante em 23 de abril de 1494. D. Manuel subiria ao trono no ano seguinte.

Discute-se quem era a Bíblia uma oferta. Teria sido da comunidade de mercadores florentinos em Lisboa? Ou teria Clemente Sernigi sido apenas um intermediário? A obra inclui um oitavo volume adicional contendo as Sentenças de Pedro Lombardo. Aqui podem ser vistas as armas da rainha D. Leonor, mulher de D. João II (1481-1495) e irmã de D. Manuel I. Infelizmente não sabemos hoje se terá sido a rainha a responsável pela oferta ao irmão, ou se a encomenda se deveu aos mercadores italianos, ou ainda a alguma outra pessoa.

Aquando da primeira invasão francesa de Portugal em 1808 a obra foi confiscada por Junot e levada para Paris. Retornaria a Portugal apenas graças à intervenção do rei Luís XVIII, que fazendo jus ao tradicional título dos reis da França de majestade Cristianíssima comprou a magnífica Bíblia à viúva do marechal para que pudesse ser devolvida. A obra regressou a Portugal em 1815, pela mão do ministro dos Negócios Estrangeiros, D. Miguel Pereira Forjaz, 9.º Conde da Feira.

A Bíblia foi ameaçada novamente aquando das Guerras Liberais (1832-1834), cujo desfecho levaria à extinção das ordens religiosas em Portugal em 1834. O tesouro do Mosteiro dos Jerónimos – incluindo a Bíblia e o monumento histórico que é a Custódia de Belém – foi em parte salvo pela coragem de seu depositário Frei Diogo do Espírito Santo, que com risco de morte o fez guardar no Erário Público quando estava em andamento um plano de assalto ao mosteiro.

Do Erário ela passou para o Banco de Lisboa, e deste para a Casa da Moeda. Os seus oito volumes, intactos, foram finalmente depositados na Torre do Tombo em 1883, onde estão até hoje entre os mais preciosos bens ali guardados.

Características[editar | editar código-fonte]

Vol. I - Incipit do Êxodo

A Bíblia dos Jerónimos encontra-se dividida em sete volumes de dimensões ligeiramente diferentes entre si. Para além de comentários de Nicolau de Lira, a obra inclui um volume adicional contendo as Sentenças de Pedro Lombardo. O texto está em latim, dividido em 2 colunas, com letra da Renascença italiana. As páginas são de velino da melhor qualidade. Originalmente estava encadernada com pesadas guarnições de prata, mas hoje sua capa é de marroquim.

O tema de alguns dos frontispícios da obra é a vida de São Jerónimo (ca. 347-420). O tema parece bem escolhido, por duas razões: em primeiro lugar, porque o santo teve uma enorme importância enquanto reformador dos textos Bíblicos, nomeadamente a sua edição da Vulgata, o texto oficial da Igreja Católica; e a Bíblia dos Jerónimos é certamente uma edição digna da Vulgata. Em segundo lugar, porque São Jerónimo iniciou as suas primeiras revisões dos textos Bíblicos por iniciativa do Papa Dâmaso I, papa de 362 a 384; São Dâmaso era tido como lusitano, tendo possivelmente nascido em Egitânia, na então província romana da Lusitânia. Assim, as imagens do duplo frontispício do penúltimo volume da obra, em que o Papa Dâmaso encarrega São Jerónimo de escrever a Vulgata, pode ser encarada como uma alusão à oferta da própria Bíblia dos Jerónimos ao rei D. Manuel I: ecce opera.

Diversos fólios dos vários volumes da obra encontram-se digitalizados pela Biblioteca Nacional de Portugal, que os disponibiliza online. A obra encontra-se ainda microfilmada na íntegra; ver as várias cotas na lista de conteúdos infra.

Volume I[editar | editar código-fonte]

Página do Vol. I

Data[editar | editar código-fonte]

1495

Extensão e Dimensões[editar | editar código-fonte]

516 fólios, 408 x 283 mm

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Duplo frontispício: painel com Nicolau de Lira na cátedra. Escrito por Segismundi de Segismundis.

  • Prólogo

O Pentateuco:

Cota Actual[editar | editar código-fonte]

Ordem de São Jerónimo, Mosteiro de Santa Maria de Belém, liv. 67. Cópia microfilmada. Portugal, Torre do Tombo, mf. 265.

Volume II[editar | editar código-fonte]

Frontispício do Vol. II - São Jerónimo na gruta

Data[editar | editar código-fonte]

1495

Extensão e Dimensões[editar | editar código-fonte]

398 fólios, 409 x 383mm

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Duplo frontispício: painel com São Jerónimo na gruta. Texto escrito por Alexander Verzanus.

Livros históricos:

Livros proféticos:

Cota Actual[editar | editar código-fonte]

Ordem de São Jerónimo, Mosteiro de Santa Maria de Belém, liv. 68 Cópia microfilmada. Portugal, Torre do Tombo, mf. 795

Volume III[editar | editar código-fonte]

Frontispício do Vol. III - São Jerónimo na cátedra com um grupo de frades

Data[editar | editar código-fonte]

1496

Extensão e Dimensões[editar | editar código-fonte]

503 fólios, 401 x 278 mm

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Duplo frontispício: painel de São Jerónimo na cátedra com um grupo de frades. Texto escrito por Nicolau Mangona.

Livros históricos:

Livros sapienciais:

Salmos

Cota Actual[editar | editar código-fonte]

Ordem de São Jerónimo, Mosteiro de Santa Maria de Belém, liv. 69 Cópia microfilmada. Portugal, Torre do Tombo, mf. 6134

Volume IV[editar | editar código-fonte]

Vol. IV - Incipit do Cântico dos Cânticos

Data[editar | editar código-fonte]

1497

Extensão e Dimensões[editar | editar código-fonte]

498 fólios, 407 x 273 mm

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Duplo frontispício: painel de São Jerónimo a escrever. Texto escrito por Nicolau Mangona.

Livros sapienciais:

Livros proféticos:

Cota Actual[editar | editar código-fonte]

Ordem de São Jerónimo, Mosteiro de Santa Maria de Belém, liv. 70 Cópia microfilmada. Portugal, Torre do Tombo, mf. 796

Volume V[editar | editar código-fonte]

Vol. V - Incipit de Naum

Data[editar | editar código-fonte]

1495

Extensão e Dimensões[editar | editar código-fonte]

369 fólios, 402 x 272 mm

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Duplo frontispício: painel de São Jerónimo no seu estúdio entre frades. Na parte inferior: o escudo das armas de Portugal.

Livros dos profetas maiores:

Livros dos profetas menores:

Livro histórico:

Cota Actual[editar | editar código-fonte]

Ordem de São Jerónimo, Mosteiro de Santa Maria de Belém, liv. 71 Cópia microfilmada. Portugal, Torre do Tombo, mf. 6127

Volume VI[editar | editar código-fonte]

Frontispício do Vol. VI - o Papa Dâmaso I encarrega São Jerónimo de traduzir a Bíblia

Data[editar | editar código-fonte]

1496

Extensão e Dimensões[editar | editar código-fonte]

402 fólios, 408 x 275 mm

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Duplo frontispício – esq.: painel de São Jerónimo com o Papa Dâmaso I; dir.: o Papa encarrega São Jerónimo de traduzir a Bíblia. Iluminuras dos irmãos Gherardo e Monte del Flora.

Os Evangelhos:

Epístola:

Cota Actual[editar | editar código-fonte]

Ordem de São Jerónimo, Mosteiro de Santa Maria de Belém, liv. 72 Cópia microfilmada. Portugal, Torre do Tombo, mf. 6264

Volume VII[editar | editar código-fonte]

Vol. VII - Incipit da Epístola de Tiago
Vol. VII - Incipit do Livro do Apocalipse

Data[editar | editar código-fonte]

1497

Extensão e Dimensões[editar | editar código-fonte]

389 fólios, 410 x 278 mm

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Duplo frontispício: painel de São Jerónimo na cátedra e um grupo de frades. Iluminadores: Attavante, os irmãos Gherardo e Monte del Flora.

Epístolas de Paulo:

Epístola aos Hebreus

Os Actos dos Apóstolos

Epístolas Católicas:

Profecia:

Libelo de Nicolau de Lyra: «Quaestiones contra Hebreo»

Cota Actual[editar | editar código-fonte]

Ordem de São Jerónimo, Mosteiro de Santa Maria de Belém, liv. 73 Cópia microfilmada. Portugal, Torre do Tombo, mf. 269

Galeria[editar | editar código-fonte]

Bíblia dos Jerónimos, Torre do Tombo, Lisboa[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bíblia dos Jerónimos