Búfalo-africano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página está a atravessar um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a dar o seu contributo e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Rodrigolopesbot (D C) 47 dias atrás. (Recarregar)

Como ler uma caixa taxonómicaBúfalo-africano
African Buffalo.JPG

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Artiodactyla
Família: Bovidae
Subfamília: Bovinae
Género: Syncerus
Espécie: S. caffer
Nome binomial
Syncerus caffer
Sparrman, 1779[2]

O búfalo-africano (Syncerus caffer), também conhecido como búfalo-cafre, búfalo-do-cabo, búfalo negro africano ou ainda búfalo-da-cafraria, é um mamífero bovino nativo da África. O búfalo-africano, também chamado de búfalo-do-cabo, é encontrado normalmente na savana em países por toda a África sub-saariana, embora geralmente confinado em áreas protegidas. É um herbívoro de grandes dimensões. A fêmea adulta chega a 1,60 metros de altura e cerca de 500 kg a 600 kg de peso. O macho adulto é ainda maior, chegando a cerca de 1,7 metros de altura (medidas tomadas desde o chão até a altura máxima da espádua) e 900 kg de peso nos machos.

O búfalo-africano embora fisicamente semelhante ao búfalo comum encontrado na pecuária do norte do Brasil, é um animal de maior porte e selvagem. O búfalo adulto é muito forte, impondo respeito mesmo a um grupo de leões que possa cruzar o seu caminho. Além do homem, possui como predador natural o leão, mas mesmo um indivíduo da manada é capaz de se defender usando a força ou a proteção da própria. Regularmente pelo número de animais na manada, pela dispersão no terreno e pela falta de defesa de animais idosos, os leões podem matar e comer um búfalo, mas isto exige que um grupo de leões se organize e ataque um único animal. É muito raro um leão conseguir ferir com gravidade ou matar um búfalo adulto atacando-o sozinho. Outros predadores como as hienas e os leopardos, somente conseguem atacar um búfalo novo e que por algum motivo encontra-se desprotegido da manada.

Atualmente estima-se que sobrevivem 900.000, sendo a maioria na savana da África oriental. Os motivos para a diminuição da população dos búfalos-africanos foram a caça predatória, o uso do seu habitat como campos de agricultura, secas e a introdução no continente africano de pestes e doenças. Atualmente é considerado um animal fora do risco de extinção devido a proteção em parques nacionais e reservas privadas nas regiões da savana africana, entretanto o seu habitat é diminuído em área a cada ano.

Taxanomia[editar | editar código-fonte]

O búfalo-vermelho (Syncerus caffer nanus) é facilmente reconhecido por sua pelagem avermelhada e menor tamanho.

O búfalo-africano foi primeiro descrito por Anders Sparrman como Bos caffer em 1779.[3] O gênero Syncerus foi descrito por Hodgson em 1847.[4] [5] As subespécies são separadas em duas linhagens claras: a dos animais da savana e a outra só contendo o búfalo-vermelho (S. caffer nanus), que habita as florestas e é bastante diferente morfologicamente, com seu menor tamanho, chifres de formato diferente e uma cor vermelha e marrom característica.[6] Outra subespécie é facilmente distinguida além desta, a S. caffer caffer.[6] Ainda existem outras duas não tão facilmente reconhecidas, mas geralmente aceitas, embora nem sempre: o S. c. brachyceros encontrado nas savanas do oeste africano e o S. c. aequinoctialis nas savanas do centro.[6] Essas são as subespécies geralmente reconhecidas[7] [8] [1] e suas respectivas autoridades[2] :

  • S. caffer caffer - Sparrman, 1779
  • S. caffer nanus - Boddaert, 1785
  • S. caffer brachyceros - Gray, 1837
  • S. caffer aequinoctialis - Blyth, 1866

As duas últimas subespécies parecem ser morfologicamente intermediárias entre o búfalo da savana "típico" e o búfalo-da-floresta.[9] Apesar de serem as mais diferentes, já houve cruzamento entre S. c. caffer e S. c. nanus, o búfalo-da-floresta.[6] Há ainda uma outra possível subespécie, S. c. mathewsi, que habitaria as regiões montanhosas do leste africano, não reconhecida por todos.[1] [10] [11] [12]

Características[editar | editar código-fonte]

Búfalos-africanos são grandes herbívoros. Possui um corpo em forma de barril com um peito largo e as pernas robustas, uma massiva cabeça e o pescoço curto e espesso.[13] [14] As fêmeas dos animais da savana têm entre 500 e 600 kg[15] enquanto o macho chega a 900 kg.[13] Sua pelagem é marrom escuro ou preta nas subespécie da savana e avermelhada na subespécie que habita as florestas, o búfalo-da-floresta (S. caffer nanus)[13] [16] , conhecida ainda como búfalo-vermelho, entre outros. À medida que envelhecem, os pelos vão escurecendo, com o búfalo-vermelho chegando a se tornar quase preto.[14] Sua longa cauda termina em um tufo de pelos mais compridos e uma das características mais marcantes na cabeça, junto com os chifres, são as orelhas grandes e caídas, que possuem um tufo na ponta.[13] [14] No búfalo-da-floresta, duas áreas com pelos branco-amareladas ou pálidas revestem a superfície interior de cada orelha e estendem-se como tufos ao longo da borda inferior.[16] Alguns machos mais velhos podem ter marcas brancas ao redor dos olhos.[17] O queixo e a parte inferior são muitas vezes mais pálidas, e o rosto, junto com as pernas, podem ter manchas de cor contrastante.[18]

Búfalos-africanos da savana possuem um grande chifre curvado. Na Tanzânia.

Ambos os sexos têm chifres, apesar do tamanho e formato ser variável.[14] Nos animais da savana, os chifres são em forma de gancho, curvando-se para baixo a partir de sua origem no crânio antes de enrolar para cima e para dentro.[16] Os chifres são enormes nos machos, atingindo até 1,6 metros seguindo a curva exterior e mais 90 cm na de difusão horizontal em grandes machos[14] [16] , e ampliando-se e formando um escudo pesado na testa.[13] [14] Os chifres de búfalos da savana fêmeas são mais curtos e mais finos do que nos machos, com o "escudo" incompleto ou ausente.[14] Os chifres do búfalo-vermelho são muito mais curtos (atingindo apenas 30-40 cm de comprimento) e recuam para trás da cabeça alinhados com a testa; machos desta subespécie não desenvolvem a saliência frontal.[14] [16]

Ecologia[editar | editar código-fonte]

Organização social[editar | editar código-fonte]

Búfalos-africanos vivem em grupos. Masai Mara, Quênia

Búfalos vivem nas savanas em grandes rebanhos contendo aproximadamente entre 50 e 500 animais, apesar de grupos tão grandes quanto 3.000 animais já terem sido vistos, embora não possuam coesão social.[19] Um rebanho verdadeiro se move em um território fixo que é totalmente separado dos outros rebanhos. Esses grupos são formados na maioria de fêmeas adultas e filhotes, mas machos também são encontrados, pelo menos na estação chuvosa.[19] Formam-se assim diferentes unidades: fêmeas com filhotes das duas últimas épocas de nascimento, grupos de solteiros com até 12 animais e um grupo separado de animais juvenis.[19]

Dois machos realizando uma disputa com as cabeças no Lago Nakaru, Quênia.

Hierarquia é presente, mas mais pronunciada nos grupos de solteiros. A hierarquia é definida por posturas agonísticas, principalmente "balanço" das cabeças apesar de sérias lutas cabeça-a-cabeça também ocorrerem.[19] Vários machos maduros podem estar presente em grupos mistos, mas eles competem pelas fêmeas estrais. Eles usualmente dominam as fêmeas, contudo, o papel de liderança é limitado.[19] A liderança real do rebanho é compartilhada por indivíduos de vários escalões dos dois sexos que revezam na frente durante o movimento da manada.[19]

Os búfalos-da-floresta não vivem em grandes grupos, apenas em pequenos grupos com entre 8 e 20 animais fortemente relacionados.[19]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Búfalos gostam de descansar durante o calor do dia.

São considerados um dos animais mais perigosos da África e existem até mesmo lendas de machos velhos perseguindo e matando humanos sem provocação. Essas lendas, entretanto, provavelmente surgiram de caçadores que tentaram seguir animais feridos.[20]

Além de seres humanos, búfalos são caçados por leões e crocodilos e hienas[21] , que normalmente atacam apenas animais velhos e solitários e bezerros jovens.[16] Mesmo parecendo formidáveis, os velhos solitários estão muitas vezes doentes e não são tão ativos e alertas quanto outros machos nos rebanhos.[22] Os leões que optam por caçar indivíduos dos rebanhos correm o risco de sofrerem um feroz contra-ataque, conhecido pelo termo mobbing.[22] As fêmeas possuem um laço muito forte e todo o rebanho pode atender a chamados de socorro e defender um membro, chegando a expulsar uma alcateia inteira de leões.[18] [23] Eles ainda apresentam um forte sentimento vingativo, até mesmo perseguindo e matando leões que atacaram algum membro.[22] Umas das evidências da relativa segurança de búfalos é a presença de indivíduos cegos e aleijados com boa saúde e a mesma proporção de machos e fêmeas de meia-idade.[22]

Já os búfalos-da-floresta são uma das principais presas dos leopardos, apesar de só atacarem os juvenis.[24]

Búfalos realizando uma reposta de mobbing contra um leão.

Para escapar do calor, passa a maior parte do dia deitado na sombra. Passam 9 horas e meia se alimentando, mas o tempo proporcional de comer e se alimentar varia de acordo com a hora do dia e a época do ano.[25] O tempo que passam se alimentando é proporcionalmente maior à noite enquanto acontece o contrário a noite. Eles ainda aparentam descansar mais durante o dia na estação chuvosa, quando é mais quente.[25]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Búfalos-africanos fêmeas têm um forte laço com suas crias. Ngorongoro, Tanzânia.

Reprodução ocorre todo ano e, em algumas partes, existem picos associados às chuvas. O ciclo estral dura 23 dias com um estro de 5 a 6 dias; e a gestação dura cerca de 340 dias e nasce um filhote com normalmente 40 kg e coloração avermelhada ou marrom-escurecida.[19] Filhotes entre 50 e 55 kg também já foram encontrados e filhotes de búfalos-da-floresta podem ser em vermelho vivo.[16] O intervalo entre cada nascimento varia de 15 meses, sobre boas condições[22] , a 2 anos.[8]

Machos frequentemente checam o estado reprodutivo através da urina e podem lamber a vulva para fazê-las urinarem.[22] Uma fêmeas perto do cio é fortemente protegida pelo macho, impedindo outros de se aproximarem. Entretanto, a fêmea se mostra evasiva e troca sucessivamente por machos de posições superiores.[22]

Os filhotes são conhecidos por ficar de pé em 10 minutos apesar de não conseguir seguir a mãe e permanece com uma coordenação ruim e capacidade de correr limitada até algumas semanas.[22] Como ele não é capaz de seguir o bando, os dois são deixados para trás e a mãe pode os levar a algum lugar escondido até ele ser capaz de prosseguir. Ou então pode tentar fazer ele prosseguir chamando-o, enquanto que o filhote só responde se perder contato com ela como abandonado por um rebanho partindo.[22] Ela, então, se sente pressionada entre ficar com a cria ou seguir o bando. Às vezes, o filhote é abandonado.[26] Filhotes são desmamados com seis meses de idade[16] e machos deixam a mãe com 2 anos, mas fêmeas ficam até ter uma cria ou até mais tempo.[19] . A maturidade sexual acontece entre 3 anos e meio e 5 anos.[19] Os laços maternais são muito fortes e as mães podem enfrentar diretamente um predador para defender o filhote.[14]

Dieta[editar | editar código-fonte]

Búfalos-africanos são muitas vezes descritos como pastadores em massa.

Como todos os herbívoros, a proteína é essencial para se manter saudável e é um recurso escasso em um ambiente semiárido. Por isso, apesar de ser descrito como um "pastador em massa", ele perde as condições físicas mesmo com o aumento do nível da grama, devido a diminuição do nível de proteína na dieta.[27]

Em um estudo na Reserva Natural do Rio Great Fish, a composição da dieta de búfalos-africanos foi estimada através do uso de análise fecal. As espécies Themeda triandra, Cynodon dactylon, Digitaria eriantha e Panicum foram importantes em ambas as estações, no entanto, a sua contribuição na dieta total diminuiu quando a estação mudou de úmida para seca.[28] Ptaeroxylon obliquum, Acacia karroo e Plumbago auriculata foram as espécies importantes relativo aos galhos, tanto na estação chuvosa e seca. Durante a estação chuvosa espécies de gramíneas contribuíram 72% para a dieta, enquanto 28% foram aportados por espécies de ramos.[28] Na estação seca, houve um aumento significativo no consumo de ramos de 4%. Eles se tornaram importantes nela, incluído Portulacaria afra e Euclea undulata.[28] As gramíneas que inicialmente foram negligenciadas durante a estação chuvosa, mas utilizados na estação seca incluíram Setaria neglecta e plurinodis Cymbopogon.[28]

Comunicação e sentidos[editar | editar código-fonte]

Búfalo-africano realizando um chamado. Parque Nacional Kruger, África do Sul.

Búfalos-africanos possuem visão e audição precárias[29] , mas muito provavelmente também utilizam o olfato tanto para reconhecimento de indivíduos como para detectar predadores, embora não seja confirmado.[22] Várias vocalizações são utilizadas e muitas vezes lembram a do gado doméstico, embora geralmente de baixa-frequência, e também serem animais bem menos ruidosos.[22] Quando raramente fazem uma vocalização, geralmente é quando estão em grupo e iniciada por indivíduos de alto escalão; e menos da metade do grupo se junta ao chamado.[22] Estão descritas a seguir:[22]

  • Chamado para mover: um chamado de entre 2 a 4 segundos utilizado repetidamente para coordenar os movimentos do grupo com intervalos de 3 a 6 segundos.
  • Chamado para direção: um som enérgico como de um portão rangendo feito intermitentemente pelos líderes para iniciar o movimento da manada.
  • Chamado da água: um som feito cerca de 20 vezes o minuto antes e durante o caminho até a água.
  • Chamado da localização: feito por indivíduos do topo da hierarquia para sinalizar sua presença e posição.
  • Chamado de aviso: uma forma mais intensa do mesmo sinal usado para alertar utilizado contra um indivíduo de posição inferior "invasor".
  • Chamado agressivo: um grunhido explosivo que pode ser estendido para uma sequência ou transformado em um "rugido" profundo e baixo; também utilizado por machos dominantes após uma debandada.
  • Chamado entre mãe e filho: um som desesperado feito por mães procurando seus filhotes. Se transforma em um coro após uma debandada e como prelúdio a comportamentos de mobbing. Filhotes respondem com uma versão mais aguda.
  • Sinal de perigo: um "waaa" prolongado, ouvido apenas três vezes à luz do dia; quando leões caçando são vistos por indivíduos em um rebanho em descanso.
  • Chamados da alimentação: uma variedade de sinais utilizada para mantê-los na mesma direção e dizer que tudo está bem.

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Búfalos-da-floresta são mais comuns nas áreas abertas das florestas. No Parque Nacional Loango, Gabão.

Búfalos-africanos ocorrem em grande parte da África sub-saariana; e vivem em vários habitats, incluindo arbustivos semi-áridos, floresta de acácias, florestas de miombo Brachystegia, savanas costeiras e florestas tropicais úmidas de terras baixas e inclusive em altitudes de até 4.000 m em pastagens e florestas de montana.[1] Eles estão ausentes somente em desertos e sub-desertos, como o da Namíbia e a zona de transição Saara / Sahel. Os búfalos-da-floresta existem em grandes densidades nas áreas abertas dentro da floresta equatorial, mas em baixa quando em zonas fechadas.[1]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Esses animais sempre foram caçados pela carne e como troféu de caça. Além disso, búfalos da savana estão sofrendo quedas em áreas extensivas também pela perda de habitat e epidemias. Nos anos 1890 uma epidemia de peste bovina junto com pleuropneumonia matou até 95% do gado doméstico e ungulados selvagens.[1] Ainda sofrem com outros doenças como antrax. Em vários países é o alvo favorito de caçadores de carne enquanto a caça furtiva tem sido um dos principais contribuintes para o recente declínio das populações de búfalos em muitas áreas protegidas.[1] Seus números ficam por volta de 900.000 animais e uma das estimativas indica 830.000: 27 mil para S. c. brachyceros, 133 mil de S. c. aequinoctialis e 670 mil de S. c. caffer.[1] Desses animais da savana, 70% estão em áreas protegidas. Os números do búfalo-da-floresta são estimados em 60.000 e são os mais ameaçados de todos.[1]

Símbolo[editar | editar código-fonte]

Como símbolo do safári africano, pertence ao grupo de animais selvagens chamado de big five, correspondente aos 5 animais mais difíceis de serem caçados: leão, leopardo, elefante, búfalo e rinoceronte.[30]

Referências

  1. a b c d e f g h i IUCN SSC Antelope Specialist Group (2008). Syncerus caffer (em Inglês). IUCN . Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de Versão 2014.1. Página visitada em 1º de agosto de 2014.
  2. a b Syncerus caffer Mammal Species of the World. Página visitada em 2 de agosto de 2014.
  3. Rookmaaker, L. C. The Zoological Exploration of Southern Africa 1650-1790. [S.l.]: CRC Press, 1989. p. 302. ISBN 978-9-06-191867-7
  4. Hodgson, Brian. . "On Various Genera of the Ruminants". Journal of the Asiatic Society of Bengal. Página visitada em 2 de agosto de 2014.
  5. Don E. Wilson; DeeAnn M. Reeder. Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference. 3ª ed. [S.l.]: JHU Press, 2005. p. 695. vol. 1. ISBN 978-0-80-188221-0
  6. a b c d Nathalie Smitz; Cécile Berthouly, Daniel Cornélis, Rasmus Heller, Pim Van Hooft, Philippe Chardonnet, Alexandre Caron, Herbert Prins, Bettine Jansen van Vuuren, Hans De Iongh, Johan Michaux. . "Pan-African Genetic Structure in the African Buffalo (Syncerus caffer): Investigating Intraspecific Divergence". PLOS ONE. DOI:10.1371/journal.pone.0056235. Página visitada em 2 de agosto de 2014.
  7. Rod East (1998). African antelope database IUCN/SSC Antelope Specialist Group. Página visitada em 2 de agosto de 2014.
  8. a b Kingdon, Jonathan. The Kingdon Field Guide to African Mammals. col: Natural World, Londres e Nova York: Academic Press, 1997.
  9. Stark, M. A. (1986). "Daily movement, grazing activity and diet of savanna buffalo, Syncerus caffer brachyceros, in Benoue National Park, Cameroon". African Journal of Ecology 24: 255–262. DOI:10.1111/j.1365-2028.1986.tb00369.x.
  10. Leopoldo Iannuzzi; Guilia Pia Di Meo. In: Cockett, Noelle E. e Kole, Chittaranjan. Genome Mapping and Genomics in Domestic Animals. [S.l.: s.n.], 2009. Capítulo: Water Buffalo. , p. 19–31. vol. III. ISBN 978-3-540-73835-0
  11. Greyling, Ben (9 de junho de 2007). Genetic variation, structure and dispersal among Cape buffalo populations from the Hluhluwe-Imfolozi and Kruger National Parks of South Africa Universidade de Pretória. Página visitada em 7 de agosto de 2014.
  12. Lydekker, Richard. The game animals of Africa. [S.l.]: R. Ward Ltda., 1908. p. 72.
  13. a b c d e Nowak, Ronald. Walker’s Mammals of the World. Baltimore e Londres: The Johns Hopkins University Press, 1999. vol. II. ISBN 0-80185-789-9
  14. a b c d e f g h i Alden, Peter; Estes, R. D., Schlitterr, D. e McBride, B.. National Audubon Society Field Guide to African Wildlife. Nova York: Chanticleer Pres, 1995. ISBN 0-67943-234-5
  15. Marcel Raphael (2006). Dr. Brian Child: Syncerus caffer University of Florida Interactive Media Lab. Página visitada em 7 de agosto de 2014.
  16. a b c d e f g h Buchholtz, C.. In: Bernhard Grzimek. Grzimek's Encyclopedia of Mammals. Nova York: McGraw-Hill, 1990. Capítulo: Cattle. , p. 360–409. vol. V. ISBN 0-07909-508-9
  17. Syncerus caffer Ultimate Ungulate. Página visitada em 1º de agosto de 2014.
  18. a b Kingdon, Jonathan. The Kingdon Field Guide to African Mammals. [S.l.]: Christopher Helm, 2003. ISBN 0-69111-692-X
  19. a b c d e f g h i j Nowak, Ronald. Walker's Mammals of the World. Sexta ed. [S.l.]: The Johns Hopkins University Press, 1999. p. 1151–1153. vol. II. ISBN 978-0-80-185789-8
  20. Sinclair, Anthony. The African buffalo: A Study of Resource Limitation of Populations. [S.l.]: University of Chicago Press, 1977. ISBN 978-0-22-676030-8
  21. Mills, Gus; Hofer, Heribert. Hyaenas: status survey and conservation action plan. [S.l.]: IUCN/SSC Hyena Specialist Group, 1998. p. 29–38. ISBN 2-8317-0442-1
  22. a b c d e f g h i j k l m Estes, Richard. The Behavior Guide to African Mammals: Including Hoofed Mammals, Carnivores, Primates. [S.l.]: University of California Press, 1991. p. 195–200. ISBN 978-0-52-008085-0
  23. Gus Mills; Lex Hes. The Complete Book of Southern African Mammals. Cape Town ed. Cidade do Cabo: Struik Publishers, 1997. ISBN 978-0-94-743056-6
  24. Korte, Lisa. The Spatial and Social Organization of Forest Buffalo (Syncerus Caffer Nanus) at Lope National Park, Gabon. [S.l.]: ProQuest, 2007. ISBN 978-0-54-941595-4
  25. a b Ryan, S.J; W. Jordaan. (2005). "[http://www.koedoe.co.za/index.php/koedoe/article/viewFile/98/100 Activity patterns of African buffalo Syncerus caffer in the Lower Sabie Region, Kruger National Park]". Koedoe 48 (2): 117–124. ISSN 0075-6458.
  26. Ludbrook, J. V.. . "Desertion of a buffalo calf". Puku 1: 216.
  27. S. J. Ryana; C. U. Knechtelc e W. M. Getz. (2007). "Ecological cues, gestation length, and birth timing in African buffalo (Syncerus caffer)". Behavioral Ecology 18 (4): 635-644. DOI:10.1093/beheco/arm028. Página visitada em 4 de agosto de 2014.
  28. a b c d Tshabalala, Thulani (Janeiro de 2008). The seasonal variation of diet of the African buffalo (Syncerus caffer) and grass characteristics in the Great Fish River Reserve, Eastern Cape Universidade de Fort Hare. Página visitada em 7 de agosto de 2014.
  29. Buffalo African Wildlife Foundation. Página visitada em 7 de agosto de 2014.
  30. Zijlma, Anouk. The Big Five: Index.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Huffman, B. 2006. The ultimate ungulate page. UltimateUngulate.com. Retrieved January 9, 2007.
  • [title África em cena: o búfalo-do-cabo] (em inglês)
  • [title Fatos e dicas sobre animais africanos caçados - a caça ao búfalo]
  • International Union for Conservation of Nature and Natural Resources (IUCN). 2006. Syncerus caffer,
  • Nowak, R.M. and Paradiso, J.L. 1983. Walker's Mammals of the World. Baltimore, Maryland, USA: The Johns Hopkins University Press. ISBN 0-8018-2525-3
  • Vida Selvagem


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Búfalo-africano