BR-153

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
BR-153.svg
BR-153
"Rodovia Transbrasiliana"
"Rodovia Belém-Brasília"
"Rodovia Bernardo Sayão"
Trecho da BR-153.svg BR-153
Br-153mapa.jpg
Extensão 4 355 km (2 706 mi)
Inauguração 1 de fevereiro de 1959 (encontro entre as frentes norte e sul de abertura da Rodovia Belém-Brasília na localidade de Ligação do Pará em Dom Eliseu, PA)[1] [2]
2 de fevereiro de 1960 (chegada da Coluna Norte da Caravana de Integração Nacional em Brasília)[3]
1974 (conclusão da pavimentação do trecho da Rodovia Belém-Brasília)[4] [5]
2007 (duplicação do trecho paulista)
Tipo Rodovia Longitudinal
Limite Norte Marabá, Pará
Interseções
Limite Sul Aceguá, Rio Grande do Sul / Fronteira Brasil-Uruguai
Concessão Transbrasiliana S.A. (Trecho paulista)
Norte
< Marabá (PA) e a BR-226 (em Wanderlândia, TO)
BR-153.svg
BR-153
Sul
Aceguá (RS) / Uruguai >

A BR-153, também conhecida pelos nomes de Rodovia Transbrasiliana, Rodovia Belém-Brasília e Rodovia Bernardo Sayão, é a quarta maior rodovia do Brasil, ligando a cidade de Marabá (PA) ao município de Aceguá (RS), totalizando 4.355 quilômetros de extensão. Ao longo de todo o seu percurso, a BR-153 passa pelos estados do Pará, Tocantins, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os nomes de Rodovia Belém-Brasília e de Rodovia Bernardo Sayão, são aplicados apenas no trecho localizado entre os entroncamentos com a BR-226 (em Wanderlândia, TO) e com a BR-060 (em Anápolis, GO). A rodovia já foi chamada de BR-14 até o ano de 1964. Ao cruzar a fronteira com o Uruguai em Aceguá (RS), a rodovia ainda segue por este país com a denominação de Rota 8, até chegar em Montevidéu. Entre Frutal (MG) e Wanderlândia (TO), a BR-153 integra o tradicional trajeto rodoviário que liga São Paulo (SP) a Goiânia (GO) e a Belém (PA).

A BR-153 é a principal ligação do Meio-Norte do Brasil (estados do Tocantins, Maranhão, Pará e Amapá) com a Região geoeconômica Centro-Sul do país. Devido a esse fato e somado ao grande fluxo de veículos, a BR-153 é considerada atualmente como uma das principais rodovias de integração nacional do Brasil. Algumas importantes cidades brasileiras, assim como Passo Fundo (RS), Marília (SP), São José do Rio Preto (SP), Goiânia (GO), Anápolis (GO), Palmas (TO), Araguaína (TO), Imperatriz (MA), Marabá (PA) e Belém (PA), a utilizam como o principal corredor de escoamento. É também muito utilizada para chegar a regiões turísticas, tais como a estância de Caldas Novas/Rio Quente (GO), as cidades históricas de Pirenópolis e Goiás Velho (GO), o Rio Araguaia, a Ilha do Bananal, o Rio Tocantins, o Jalapão, o Monumento Natural das Árvores Fossilizadas (em Filadélfia, TO), a Chapada das Mesas (no Maranhão), o lago da Usina de Serra da Mesa (em Goiás), a região do Contestado (no Paraná e em Santa Catarina). Além destas regiões, a BR-153 também é utilizada como rota de acesso a outras importantes capitais do país, tais como Brasília, Macapá (via balsa), São Luís, Teresina e São Paulo.

Trecho da BR-153 em Fortaleza do Tabocão (TO), entre a sede do município e o entroncamento com a rodovia TO-336/BR-235.

A BR-153 é uma das principais vias de acesso à região central do Brasil, sendo uma rodovia de grande importância sobretudo para os estados do Tocantins e de Goiás, além da região do Triângulo Mineiro, em Minas Gerais.

Com a conclusão das obras da Ferrovia Norte-Sul, estima-se que o tráfego de caminhões na BR-153 sofrerá uma grande redução, o que irá melhorar bastante as condições de tráfego da rodovia, reduzindo o tempo de viagem gasto pelos motoristas.

Durante muito tempo, a BR-153 foi considerada uma rodovia bastante perigosa pela péssima conservação e seu traçado sinuoso no meio do cerrado goiano. Hoje sua duplicação entre Goiânia e Itumbiara e na região sul de Goiás encontra-se totalmente concluída. O Governo Federal anunciou recentemente intenção de privatizar esse trecho da rodovia quando a duplicação estiver concluída. Além disso, através deste mesmo programa do governo federal, boa parte dos trechos da BR-153 foram recapeados.

Atualmente, a BR-153, está privatizada no trecho paulista cuja concessão pertence a BRVias.

Cabe salientar que a BR-153 foi construída em uma época em que o estado de Goiás (incluindo o atual Tocantins) necessitava de um elo com o restante do Brasil, ou seja, o seu surgimento foi preponderante para o desenvolvimento da região. Histórias que permeiam a Transbrasiliana são muitas, dentre elas a da ponte sobre o rio Paranaíba em Itumbiara que, segundo estudiosos, é da Revolução de 1930, antes mesmo do surgimento da própria rodovia. Além disso, vários municípios que hoje estão às margens da BR-153, surgiram a partir de pequenos povoados que foram se instalando ao longo da rodovia, desde a década de 1950.

A BR-153 na divisa entre os estados do Tocantins (em frente) e de Goiás (para trás).

Oficialmente, de acordo com o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), órgão do Ministério dos Transportes responsável pelas estradas brasileiras, a BR-153 começa em Marabá (PA) e termina em Aceguá (RS). Segundo sua assessoria de imprensa, ela só ganha o nome de Transbrasiliana no estado de São Paulo - o que está incorreto, já que o nome também é popular em Santa Catarina e no Paraná. Por sua vez, os mapas rodoviários e alguns documentos oficiais denominam Transbrasiliana o trajeto Aceguá-Belém, o que inclui cerca de 2800 quilômetros da popular Belém-Brasília.[6] . Até a pequena Wanderlândia, no norte do Tocantins, ambas as rodovias seguem como BR-153. Depois, esta faz um desvio até Marabá, enquanto a Belém-Brasília segue como BR-226 e, depois, BR-010. Enfim, o fato é que não há consenso algum.

A BR-153 possui trechos de maior ou menor qualidade/dificuldade, dependendo de vários fatores (alguns deles mais ou menos de natureza permanente, outros temporários). Diferentemente da BR-101 e da BR-116, ela não segue a orla marítima, onde está assentada a maior parte da população brasileira, mas sim permanece sempre no interior, atravessando o Brasil de norte a sul.[7]

O perimetro urbano da Br 153 (27Km)que cruza Goiânia é responsavel por 35% dos acidentes ocorridos em toda a extensão da rodovia.

Percurso[editar | editar código-fonte]

Seguindo-se a partir do km 0 da rodovia em Marabá (PA), a BR-153 passa pelas seguintes cidades e entroncamentos rodoviários:

Pará[editar | editar código-fonte]

Tocantins[editar | editar código-fonte]

Trecho urbano da BR-153 em Araguaína (TO).
Trecho da BR-153 no Tocantins.
A BR-153 em Aliança do Tocantins (TO).
Trecho da BR-153 no sul do Tocantins.

Goiás[editar | editar código-fonte]

Trecho da BR-153 em Campinorte (GO).
Trecho da BR-153 em Campinorte (GO).
Trecho concomitante com a BR-060 em Goiânia, na saída para Terezópolis de Goiás e Anápolis.
Trecho urbano da BR-153 em Goiânia (GO).

Minas Gerais[editar | editar código-fonte]

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Paraná[editar | editar código-fonte]

Trecho precário da BR-153 entre Imbituva (PR) e Irati (PR).
Trecho precário da BR-153 na zona rural de Mallet (PR).

Santa Catarina[editar | editar código-fonte]

Rio Grande do Sul[editar | editar código-fonte]

Trecho da BR-153 na zona rural de Cachoeira do Sul (RS).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias