Baal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Baal (em hebraico: בַּעַל) é uma palavra semítica [carece de fontes?] que significa Senhor ou Lorde.[1] A raiz da palavra significa ele governa ou ele possui, de onde vem o significado literal de senhor ou lorde, e também de marido.[2] Baal, com o artigo definido, o Baal,[2] era o nome do principal deus masculino dos fenícios [1] [2] e cartagineses,[2] e aparece na Bíblia no plural, como baalim.[1] Baal é identificado como Moloque.[1] [2]

Culto[editar | editar código-fonte]

As estátuas erguidas a Baal eram chamadas de Baalim, ou B'alim. Seus templos e altares eram construídos no alto dos morros sob árvores, ou no teto das casas.[2]

Havia uma grande quantidade de sacerdotes, que queimavam incenso, sacrificavam crianças, dançavam em torno do altar, e, caso suas preces não fossem atendidas, cortavam-se até o sangue jorrar, de forma a conseguir a compaixão de Baal.[2]

Possivelmente, na origem Baal era o verdadeiro senhor do Universo, degenerado depois para a adoração de um ser poderoso que existia no mundo material. Segundo Sanchuniathon, os fenícios adoravam o Sol como o único senhor dos céus, e que este Beelsamen era idêntico a Zeus. Na Septuaginta, Baal é transcrito como Héracles.[2]

Segundo alguns mitologistas, Baal era o planeta Saturno ou Júpiter.[2]

Fenícios e cartagineses[editar | editar código-fonte]

O nome do deus parece constar de uma inscrição encontrada em Malta, como Malkereth Baal Tuor, ou Rei da Cidade, Senhor de Tiro. Os nome Malkereth é uma contração de Rei da Cidade, sugerindo que Baal e Moloque eram o mesmo ídolo.[2]

Assim como entre os germânicos e gregos, os fenícios e cartagineses compuseram vários nomes usando o equivalente de Deus: Ethbaal, com ele Baal, Jerubaal, Baal vai sustentá-lo, Aníbal, graça de Baal, Asdrúbal, ajuda de Baal.[2]

Israelitas[editar | editar código-fonte]

Os israelitas o adoravam como Baal-peor, até o tempo de Samuel, e foi o deus oficial das dez tribos na época de Acabe. Ele foi adorado também em Judá, e seu culto só terminou com os rigores do cativeiro na Babilônia. Havia vários sacerdotes de Baal, de várias classes. Seu culto é descrito em I Reis 18:25.[1]

Várias cidades de Israel tem o nome de Baal em sua formação: Baal-Gad, Baal-Hammon, Baal-Thamar, etc.[2]

Cananeus[editar | editar código-fonte]

O deus-sol, com o título genérico de Baal, era o principal deus dos cananeus. Cada local tinha o seu Baal, e todos eles eram chamados de Baalim, ou senhores. Cada Baal tinha sua esposa.[1]

Moabitas[editar | editar código-fonte]

Em Moabe, no Monte Peor, Baal era adorado como Baal-Peor, identificado como Príapo.[2]

Egípcios[editar | editar código-fonte]

Segundo A. H. Sayce, Amenófis IV havia sido influenciado pelas religiões semitas, por sua ligação com Mitanni, e o deus que ele tentou forçar sobre seus súditos, o disco solar alado, era Baal.[3]

Cristãos[editar | editar código-fonte]

Segundo os escritores judeus medievais, cultuar Baal era a expressão usada para designar os rituais da religião cristã. Segundo o rabino Joseph ben Josua ben Meir, Clóvis havia renegado seu deus e passado a adorar Baal, e construiu um lugar alto para adorá-lo em Paris como Baal-Dionísio, ou seja, a Basílica de Saint-Denis. O rabino José também cita Vicente, da seita do Baal Dominie, ou seja, um frei dominicano, que foi um Satanás para os judeus da Espanha, por volta de 1430.[2]

Baal bíblico[editar | editar código-fonte]

Relato bíblico[editar | editar código-fonte]

Em Canaã, os Hebreus lutaram em várias épocas contra a adoração do "deus" Baal. No Livro dos Juízes (da Bíblia Hebraica), o hebreu Gideão destrói os altares de Baal e a árvore sagrada pertencente aos Midianitas.

Mais tarde, o profeta Elias, no século IX a.C., condenou o Rei Acabe por adorar Baal.

Outros homônimos[editar | editar código-fonte]

Mica, seu filho; Reaías, seu filho; Baal, seu filho; (1 Crónicas 5:5)

Referencias bíblicas[editar | editar código-fonte]

  • Números 22:41 (Os Hebreus tinha Altares a Baal)
  • Juízes 2:13 (o povo de Israel serviram Baal e Asteroth)
  • Juízes 6:25 (Deus manda destruir o Altar de Baal)
  • 1 Reis 16:31 (Jeroboão adora Baal)
  • 1 Reis 18:19 (Desafio entre Yahweh, Baal e Asteroth)
  • 1 Reis 22:54 (Acazias adora Baal)
  • 2 Reis 10:19-28 (Jeú arma uma cilada aos sacerdotes de Baal)
  • 2 Reis 11:18 (Destruição do Templo de Baal)
  • 2 Reis 17:16 (Novamente adoração a Baal)
  • 2 Reis 23:05 (Referência aos adoradores de Baal, da Lua, do Sol e de outros astros.)
  • 2 Crónicas 23:17 (A morte de Matã o sacerdote de Baal)
  • Jeremias 2:8 (O profeta questiona o poder dos sacerdotes de Baal e outros deuses)
  • Jeremias 7:9 (Adoração a Baal entre pecados como o furto e o assassínio)
  • Jeremias 11
  • Jeremias 12:16 (Juras por Baal)
  • Jeremias 19:05 (Sacrifícios de crianças a Baal)
  • Jeremias 23:13 (Samaritanos loucos profetas de Baal)
  • Jeremias 32:29 (Os caldeus adoraram Baal)
  • Jeremias 32:35 (Outra referência ao sacrifício de crianças)
  • Oseias 2:8 (Milagre)
  • Oseias 13:1 (Efraim morre por ser culpado por Baal)
  • Sofonias 1:4 (O profeta refere-se aos ídolos)
  • Romanos 11:4

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete Baal.

Referências

  1. a b c d e f Easton's Bible Dictionary, Baal [em linha]
  2. a b c d e f g h i j k l m n George Long, The Penny Cyclopædia of the Society for the Diffusion of Useful Knowledge: v. 1-27, Volume 3 (1835), Baal p.220 [em lonha]
  3. Archibald Henry Sayce, Records of the Past, 2nd series, Vol. III (1890), Letters to Egypt from Babylonia, Assyria and Syria, in the Fifteenth Century B.C. [em linha]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]