Babel (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde agosto de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Babel
Babel (PT/BR)
 Estados Unidos  México  França
2006 • cor • 143 min 
Direção Alejandro González Iñárritu
Roteiro Guillermo Arriaga
Elenco Brad Pitt
Cate Blanchett
Gael García Bernal
Adriana Barraza
Rinko Kikuchi
Kôji Yakusho
Género drama
Idioma inglês, língua japonesa dos sinais, francês, espanhol, japonês, bérbere, árabe
Lançamento Estados Unidos/México 10 de Novembro de 2006
Portugal 28 de Dezembro de 2006
Brasil 19 de Janeiro de 2007
Página no IMDb (em inglês)

Babel é um filme estadunidense e mexicano de 2006, do gênero drama, dirigido por Alejandro González Iñárritu e com roteiro de Guillermo Arriaga.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O filme se foca em quatro conjuntos de situações e personagens não-relacionados«sic», e muitos eventos são revelados fora de seqüência. O seguinte resumo foi simplificado, e não reflete a seqüência exata dos eventos em tela.

Num deserto em localização remota ao sul do Marrocos, Abdullah, um criador de cabras, compra um rifle de grande potência e uma caixa de munição de seu compatriota Hassan Ibrahim, para atirar nos chacais que caçavam suas cabras.

Abdullah dá o rifle a seus dois filhos adolescentes, Yussef e Ahmed (interpretados por atores locais amadores) e os manda cuidar do rebanho. Os irmãos discutiam sobre o suposto alcance de três quilômetros do rifle e decidem testá-lo mirando primeiramente em pedras e, depois, num ônibus carregando turistas ocidentais na estrada abaixo das colinas. O tiro de Yussef atinge o ônibus, ferindo gravemente Susan Jones, uma mulher estadunidense de San Diego, que está a viajar e férias com seu marido Richard Jones. Os dois garotos percebem o que aconteceu e deixam o local, abandonando o rifle nas colinas por aquela noite.

Mostram-se telejornais revelando que o governo dos Estados Unidos tem o incidente como um ato terrorista e pressiona o governo marroquino para prender os culpados. A polícia marroquina vai atrás de Hassan e duramente interrogam a ele e sua esposa a respeito do rifle, até que eles revelam que o mesmo foi dado a eles por um japonês, e vendido para Abdullah. Os dois garotos vêem a polícia na estrada e confessam a seu pai o que fizeram (eles acreditavam que a mulher havia morrido em decorrência do tiro).

Os três saíram de sua casa levando o rifle. A polícia os encurralou na encosta rochosa de uma colina e abriu fogo. Após seu irmão ser acertado na perna, Yussef atirou de volta, atingindo um policial no ombro. A polícia continuou a atirar, e acabaria por ferir fatalmente o irmão de Yussef pelas costas. Seu pai se entristece dolorosamente e Yussef acaba por se render e confessar todos os crimes, implorando clemência para sua família e assistência médica para seu irmão. A polícia o leva sob custódia, e o destino da família não é revelado.

A primeira trama do filme é intercalada com cenas de Richard e Susan. Eles saíram de férias no Marrocos para fugir de alguns assuntos e fazer emendas dentro de seu casamento. A morte de seu terceiro filho por morte súbita (isso não é citado explicitamente, trata-se de uma dedução) fez com que o relacionamento entre os dois se distanciasse a ponto de que eles não expressassem seus sentimentos de frustração e culpa. Quando Susan é atingida no ônibus, Richard demanda ao motorista que dirija até a vila mais próxima que tenha um médico (a vila é chamada de Tanzarine no filme). Ela recebe tratamento rudimentar lá, o suficiente para estabilizar sua condição. Os outros turistas esperam por algum tempo, mas eles acabam por querer ir embora, temendo o calor e mais ataques dos supostamente violentos nativos. Uma vez que Susan não pode viajar de ônibus devido a sua condição, Richard implora ao grupo para esperar pela ambulância, que nunca chega, e eventualmente o ônibus parte sem eles enquanto Richard estava ao telefone. O casal fica para trás junto com o guia turístico, Anwar, ainda esperando por transporte para um hospital (eles conseguiram contato com a embaixada estadunidense usando o único telefone da vila). Problemas políticos entre os EUA e o Marrocos fizeram com que a ajuda não chegasse cedo, mas por fim um helicóptero chega. É revelado que, após cinco dias no hospital, Susan se recuperou e foi mandada para casa.

Simultaneamente, o filme conta a história de Cheiko Wataya, uma adolescente japonesa surda-muda e rebelde, traumatizada pelo recente suicídio de sua mãe e pelo preconceito que sofre por causa de sua condição. Ela é amarga em relação a seu pai, Yasujiro Wataya, e garotos de sua idade, e também é sexualmente frustrada (alternativamente, seu comportamento sexual pode ser interpretado como uma tentativa para ganhar intimidade e aceitação que faltam em sua vida). Ela começa a exibir comportamento sexualmente provocativo e tenta, de maneira mal-sucedida, iniciar um encontro sexual com seu dentista. Cheiko acaba encontrando dois detetives que fazem perguntas sobre seu pai. Ela acha atraente um dos detetives, Kenji Mamiya, e o convida para seu apartamento, o qual ela divide com o pai. Erroneamente supondo que os detetives investigam o envolvimento de seu pai no suicídio de sua mãe, ela explica a Mamiya que seu pai estava dormindo quando sua mãe pulou do terraço e que ela mesma viu a cena. Porém, os detetives estavam na verdade investigando uma caçada que Yasujiro fez no Marrocos. Yasujiro é um ávido caçador e durante uma viagem ao Marrocos ele deu seu rifle, como um presente, a seu guia, Hassan, que no começo do filme vendeu o rifle para Abdullah.

Uma quarta trama acontece nas Américas, onde a babá mexicana de Richard e Susan, Amélia cuida dos filhos do casal, em sua casa californiana. Devido ao incidente no Marrocos, ela é forçada a cuidar das crianças por mais tempo do que o previsto. Incapaz de arranjar outra pessoa para cuidar das crianças, ela decide levá-las para o casamento de seu filho numa comunidade rural perto de Tijuana. Seu sobrinho Santiago se oferece para levar a ela e aos gêmeos ao casamento. Eles atravessam a fronteira e as crianças são imediatamente confrontadas pela cultura mexicana.

A festa do casamento se estende até a noite mas, ao invés de passar a noite no México com as crianças, Amélia decide voltar aos Estados Unidos com Santiago. Ele havia bebido bastante e os guardas da fronteira suspeitam de seu comportamento. Apesar de ter os passaportes para os quatro passageiros, Amélia não possui a carta de consentimento dos pais das crianças permitindo que ela os levasse para fora dos Estados Unidos. Alcoolizado, Santiago ultrapassa a fronteira. Ele abandona Amélia e as crianças no deserto, tentando escapar dos policiais (o filme não revela seu destino final).

Deixada sem comida ou água, Amélia e as crianças são forçadas a passar a noite no deserto. Percebendo que todos morrerão se ela não conseguir ajuda, Amélia deixa as crianças para trás tentando encontrar alguém. Ela acaba por encontrar um oficial de fronteira dos Estados Unidos. O oficial prende-na e diz que encontrará as crianças mas ele não parece muito disposto a cumprir essa promessa. Amélia chora por amor às duas crianças que ela criou como se fossem suas. Relutantemente, o policial permite que ela indique o local onde ela pensa que as crianças estão, mas eles não as encontram.

Amélia é levada a uma delegacia de fronteira onde é informada que as crianças foram encontradas e que o pai, Richard, ainda que muito irritado, concordou em não abrir processo. Porém, ela será deportada dos EUA onde estava trabalhando ilegalmente. Ela protesta alegando que está nos EUA por dezesseis anos e que cuida das crianças desde que nasceram. Perto do final do filme, presencia-se o seu encontro com seu filho na fronteira com Tijuana, ainda vestindo o mesmo vestido vermelho utilizado no casamento.

Produção[editar | editar código-fonte]

O orçamento final de 25 milhões de dólares veio de várias fontes e investidores, envolvidos com a Paramount Vintage, anteriormente conhecida por Paramount Classics, que teve Babel como sua primeira produção e filme inaugural.

O diretor Alejandro González Iñárritu afirma que o financiamento estava feito muito antes que Brad Pitt e Cate Blanchett fossem escalados para estrelar o filme; alguns informes afirmam que foi porque a Paramount estava a procurar por uma produção que pudesse competir no Oscar ou no Globo de Ouro.

A atriz Adriana Barraza, que interpreta Amelia, é sobrevivente de dois pequenos ataques cardíacos. Ainda assim ela carregou a atriz Elle Fanning pelo quente deserto do sul da California durante o verão por dois dias da filmagem das cenas no deserto. No total, as cenas do deserto levaram cinco dias de filmagem.

Controvérsia autoral[editar | editar código-fonte]

Após o término da principal parte de fotografia em Babel, o diretor González Iñárritu e o roteirista Guillermo Arriaga romperam. A disputa centrou-se na autoria de seu filme anterior, 21 Grams. Arriaga clamou que o cinema é um meio colaborativo, e que tanto ele como González Iñárritu são ambos autores dos filmes em que trabalharam juntos. González Iñárritu clamou crédito solo como autor de ambos filmes, minimizando a contribuição de Arriaga nas películas. Como resultado dessa controvérsia, González Iñárritu baniu Arriaga de assistir à sessão de Babel no Festival de Cannes, um ato pelo qual o diretor foi severamente criticado.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Marrocos

México

Japão

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Babel tem recepção favorável por parte da crítica especializada. Com o tomatometer de 69% em base de 194 críticas, o Rotten Tomatoes publicou um consenso: "Em Babel, não há vilões, apenas vítimas do destino e circunstância. Diretor Alejandro Gonzalez Iñarritu tece quatro de suas histórias lamentáveis ​​para este filme maduro e multidimensional". Por parte da audiência do site tem 77% de aprovação.[2]

Locações[editar | editar código-fonte]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

BAFTA 2007 (Reino Unido)

Festival de Cannes 2006 (França)

  • Vencedor: Melhor Direção (Alejandro González Iñárritu)
  • Vencedor: Prêmio François Chalais (um prêmio do júri ecumênico)
  • Vencedor: Grande Prêmio Técnico (Stephen Mirrione, pela edição)
  • Indicado: Palma de Ouro

Globo de Ouro 2007 (EUA)

  • Vencedor: Melhor Filme - Drama
  • Indicado: Melhor Direção (Alejandro González Iñárritu)
  • Indicado: Melhor Ator (coadjuvante/secundário) (Brad Pitt)
  • Indicado: Melhor Atriz (coadjuvante/secundária) (Adriana Barraza)
  • Indicado: Melhor Atriz (coadjuvante/secundária) (Rinko Kikuchi)
  • Indicado: Melhor Roteiro (Guillermo Arriaga)
  • Indicado: Melhor Trilha-Sonora (Gustavo Santaolalla)

Oscar 2007 (EUA)

  • Vencedor: Melhor Trilha-Sonora Original (Gustavo Santaolalla)
  • Indicado: Melhor Filme
  • Indicado: Melhor Direção (Alejandro González Iñárritu)
  • Indicado: Melhor Atriz (coadjuvante/secundária) (Adriana Barraza)
  • Indicado: Melhor Atriz (coadjuvante/secundária) (Rinko Kikuchi)
  • Indicado: Melhor Roteiro Original (Guillermo Arriaga)
  • Indicado: Melhor Edição (Stephen Mirrione, Douglas Crise)

Satellite Awards 2006 (EUA)

  • Vencedor: Melhor Trilha sonora (Gustavo Santaolalla)
  • Indicado: Melhor Filme - Drama
  • Indicado: Melhor Direção (Alejandro González Iñárritu)
  • Indicado: Melhor Ator (coadjuvante/secundário) (Brad Pitt)
  • Indicado: Melhor Atriz (coadjuvante/secundária) (Rinko Kikuchi)
  • Indicado: Melhor Roteiro Original (Guillermo Arriaga)
  • Indicado: Melhor Edição (Stephen Mirrione, Douglas Crise)
  • Indicado: Melhor Som - Edição & Mixagem (José Antonio García, Jon Taylor, Christian P. Minkler, Martín Hernández)

Screen Actor Guild Awards 2007 (EUA)

  • Indicado: Melhor Performance de um Elenco em um Filme
  • Indicado: Melhor Atriz (coadjuvante/secundária) (Adriana Barraza)
  • Indicado: Melhor Atriz (coadjuvante/secundária) (Rinko Kikuchi)

Prêmio Eddie 2007 (American Cinema Editors, EUA)

  • Venceu na categoria de Filme Dramático Melhor Editado.

Prêmio Bodil 2007 (Dinamarca)

  • Venceu na categoria de Melhor Filme Americano.

Prêmio César 2007 (França)

  • Indicado na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

Trilogia[editar | editar código-fonte]

O filme Babel pode ser entendido como a terceira parte de uma trilogia, a "trilogia da morte" de Iñarritu, sendo que as partes iniciais são os filmes: Amores Perros (Amores Brutos (br) / Amor Cão (pt)) e 21 Grams (21 Gramas). Também estes filmes são um novelo de personagens desconhecidas que se cruzam ao longo dos seus percursos. De índole dramática, os filmes sublinham a fragilidade das escolhas das personagens e, em última análise, da nossa atuação na vida real.

Referências

  1. Babel (em português) InterFilmes. Visitado em 19 de março de 2014.
  2. Babel (em inglês) Rotten Tomatoes. Visitado em 19 de março de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]