Balandrau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Balandrau é o traje típico maçónico. É preconizado seu uso estrito em sessões maçónicas simples, ditas económicas. É de cor preta, comprimento abaixo dos joelhos, mangas largas e compridas. O colarinho alto deverá está sempre fechado.

Origem[editar | editar código-fonte]

O balandrau é palavra originada do latim medieval balandrana, que definia a vestimenta de capuz e mangas largas abotoada na frente e, por extensão, designava também certas roupas usadas por confrarias, normalmente em cerimónias de cunho religioso.

Historicamente, as corporações de pedreiros-livres a que hoje se designa por "Maçonaria Simbólica" adoptavam o traje dos Collegiati" dos "Collegia Fabrorum e membros dos Ofícios Francos, dos séculos XIV e XV, com seu balandrau negro.

Atualmente, a Maçonaria no Brasil de várias obediências tolera a veste talar, negra, de mangas longas, colarinho alto e fechada até o pescoço como opção ao terno escuro. Por entenderem que só o avental constitui paramento maçónico, alguns ritos como o de York não permitem o uso do balandrau, sendo sempre exigido o uso do terno escuro.

Na prática, visto que muitas Lojas o têm como item patrimonial para empréstimo aos irmãos visitantes, o balandrau deixou de ser talar, tendo um comprimento abaixo do joelho, e muitas vezes ostenta as armas da Loja ou da Maçonaria.