Baluarte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Planta de um baluarte de orelhões.
Cinco baluartes regulares do corpo principal da Fortaleza de Bourtange, Países Baixos.
Baluartes duplos da Praça-forte de Valença, Portugal.

Um baluarte (do provençal baloart, do neerlandês bolwerk) ou bastião (do francês bastion) - em arquitetura militar - é uma obra defensiva, situada nas esquinas e avançada em relação à estrutura principal de uma fortificação abaluartada.

História[editar | editar código-fonte]

O baluarte surgiu pela primeira vez na Itália, em fins do século XV, tendo alcançado a sua máxima expressão com o marquês de Vauban, na França, na segunda metade do século XVII.

Era utilizado como plataforma de artilharia, para cruzar fogos com os baluartes vizinhos, impedindo o assalto inimigo às cortinas situadas entre eles.

Observe-se que Duarte de Armas em Portugal e outros autores do início do século XVI - período em que a nova terminologia ainda não era muito difundida - empregaram o termo "baluarte" para designar qualquer obra fortificada.

Características[editar | editar código-fonte]

O baluarte tem, normalmente, um formato pentagonal, apresentando duas faces, dois flancos e uma gola (linha pela qual está ligado à estrutura principal). Normalmente, é sustentado por muralhas de alvenaria e preenchido com terra apiloada.

Em relação aos castelos medievais, constitui-se numa defesa mais baixa e mais larga, melhor adaptada ao emprego da artilharia, que se difundiu na Europa a partir do século XV.

Tipos de baluarte[editar | editar código-fonte]

  • Baluarte em tenalha: aquele cujo ângulo flanqueado forma um reentrante;
  • Baluarte truncado: aquele cujo ângulo flanqueado é substituído por um ou dois ângulos reentrantes;
  • Baluarte de orelhões: aquele cujos ângulos retirados e convexos estão cobertos até ao centro por uma extremidade da face conhecida por "orelhão";
  • Baluarte destacado: reduto isolado em forma de baluarte;
  • Baluarte duplo: aquele que possui um baluarte menor no seu interior;
  • Baluarte terraplanado: aquele que, além do terrapleno normal da praça, era ainda cheio no seu interior com outro terrapleno, ficando mais reforçado;
  • Baluarte plano: aquele que tem meias golas em linha reta;
  • Baluarte real: aquele que apresenta dimensões muito elevadas, com vários entrincheiramentos e com capacidade para albergar uma grande guarnição;
  • Baluarte regular: aquele cujas linhas e ângulos correspondentes são iguais entre si;
  • Baluarte simples: aquele cujo terrapleno acompanha as suas faces e flancos, deixando um espaço vazio no centro, que pode ser utilizado para se construir alguma edificação;
  • Baluarte vazio: aquele sem qualquer terrapleno;
  • Meio-baluarte: aquele que apenas tem uma face e um flanco.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Baluarte

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • GRAVE, João. Castelos Portugueses - Enciclopédia pela Imagem. Porto: Lello & Irmão Editores, s.d..
  • GIL, Júlio. Os Mais Belos Castelos de Portugal. Lisboa/São Paulo: Editorial Verbo, 1986.
  • NUNES, António Lopes Pires. Dicionário de Arquitetura Militar. Casal de Cambra: Caleidoscópio, 2005. 264p. il. ISBN 972-8801-94-7
  • Patterson, B.H.. A Military Heritage A history of Portsmouth and Portsea Town Fortifications. [S.l.]: Fort Cumberland & Portsmouth Militaria Society, 1985. 7–10 pp.
  • Hyde, John. Elementary Principles of Fortification. Doncaster: D.P&G, 2007. 50–54 pp. ISBN 978-1-906394-07-3

Ligações externas[editar | editar código-fonte]