Banda Azul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Banda Azul
Informação geral
Origem Belo Horizonte, Minas Gerais
País  Brasil
Gênero(s) MPB, rock, pop, funk, reggae, jazz
Período em atividade 1986-1994
2012-atualmente
Gravadora(s) Bompastor, Arca Musical
Integrantes Ezequias Filho (Vocal)
Edu Matheus (Violão, Guitarra)
Nehemias Dogmas (Baixo)
Dudu Guitarra (Guitarra)
Dudu Batera (Bateria)
Ex-integrantes Janires Magalhães Manso
Moisés di Sousa
Guilherme Praxedes
Ruben di Souza

Banda Azul é uma banda de música gospel brasileira. Esse grupo se destacou por mesclar em letras bíblicas vários ritmos, dentre eles o rock, pop, reggae, baião e o funk.

Formações[editar | editar código-fonte]

A Banda Azul foi formada em Belo Horizonte, Minas Gerais e contou inicialmente com a participação de Janires Magalhães Manso, fundador da banda Rebanhão, como vocalista, Guilherme Praxedes (teclados), Moisés di Sousa no baixo e vocal, além de Dudu Batera (bateria) e Dudu Guitarra (guitarra). Com a morte de Janires, o tecladista Guilherme Praxedes assumiu a função de vocalista principal do grupo. Ruben di Souza também esteve no conjunto, antes de 1992.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A banda começou em 1986, quando Janires foi para Belo Horizonte e formou o grupo. O primeiro disco, Espelho nos Olhos, foi gravado em 1987. Pouco depois da primeira gravação a Banda Azul perdeu Janires, que morreu em um acidente automobilístico em janeiro de 1988. Porém a banda continuou em atividade, lançando seu disco no Palácio das Artes, no dia 31 de maio de 1988.[2]

Em pouco tempo a Banda Azul ficou famosa em todo o Brasil e também no exterior. Em 1989, foram à Bolívia e chegaram a gravar um programa especial para a rede de televisão educativa de Cochabamba, além de realizarem espetáculos em La Paz e Santa Cruz de la Sierra. Neste mesmo ano, gravaram o segundo LP, Fim do Túnel.

Em 1994 a banda encerrou suas atividades, mas depois disso seus integrantes chegaram a se reunir três vezes, em ocasiões especiais, sendo uma delas o Mixtocrente, em 2000, no Expominas.

Em 2012, a mídia especializada divulgou que, após dezesseis anos em hiato, a banda voltou, com uma nova formação. Uma canção com a participação de Nívea Soares e novo disco serão lançados.[3]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Entrevista com Ruben di Souza Lagoinha. Visitado em 17 de abril de 2012.
  2. Souza, Salvador de. Breve Histórico do Rock Evangélico Arquivo Gospel. Visitado em 17 de abril de 2012.
  3. Cleris Cardoso (16 de abril de 2012). Após 16 anos, a Banda Azul está de volta com nova formação Super Gospel. Visitado em 17 de abril de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Rock do Senhor, Jornal Estado de Minas, caderno Espetáculo, página 6, 25 de março de 2000.
  • O gospel Rock da Banda Azul é atração no palácio das artes, Jornal Estado de Minas, segunda seção, página 3, 17 de junho de 1992.
  • O Rock religioso da Banda Azul em cartaz, hoje, no Cabaré, Jornal Hoje em Dia, caderno Cultura, página 28, 11 de julho de 1989.
  • Banda Azul lança hoje seu elepê "Espelho nos olhos", Jornal Estado de Minas, página 6, 31 de maio de 1988.
Flag of Brazil.svgGuitarra masc.png Este artigo sobre uma banda ou grupo musical do Brasil, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.