Bandeira de conveniência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Setembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

As bandeiras de conveniência são as bandeiras de alguns países, carentes de capital econômico para a armação de seus próprios navios e/ou não possuem estaleiros para construí-los, e que "aceitam serviços de terceiros(por assim dizer)". Facilitam segundo a sua conveniência, o registo de embarcações estrangeiras. Geralmente "barcos grandes" e/ou "navios", que possam oferecer empregos e benefícios trabalhistas para esse país carente do mais que necessário capital para a sua população. Dai partindo; para que os armadores possam usufruir também dessa bandeira, por sua vez(pela associação com o pais deficiente em capital) e possam retirar beneficios, sejam eles fiscais, legais ou outros, superiores aos que teriam no seu país natal(jogada econômica - devido à chamada "deseconomia de escala", de seus próprios países de origem); desde que, portanto, mais da metade da tripulação seja desses países que cedem a bandeira de conveniência(desses países), para poder justificá-la perante as autoridades de fiscalização do mar, segundo a tradição e o Direito do Mar, para então que a tripulação tenha o trabalho merecido e a cobertura desse pais de conveniência(associação entre o capital(investimento do armador) e o trabalho(da tripulação).

Se não houver essa observação fundamental, torna-se uma "bandeira pirata, ou que vem a cobrir as atividades de uma pirataria, segundo os fundamentos do Mar" e presa da fiscalização.

Nos últimos anos as bandeiras de conveniência , devido à falta de fiscalização, servem cada vez mais para registar navios que estão abaixo dos padrões exigidos na Europa, Estados Unidos, Japão ou Canadá. Estes navios são designados substandard, que acabam por colocar em risco a tripulação beneficiada pela conveniência.

O número de navios substandard envolvidos em acidentes graves, como no caso do Prestige, tem vindo a aumentar.