Bandeira do Cruzeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bandeira do Cruzeiro
Bandeira do Cruzeiro
Aplicação
FIAV 000001.svgFIAV normal.svg
Proporção 3:4[1]
Adoção 18 de dezembro de 1847

A Bandeira do Cruzeiro é uma bandeira-distintivo destinada a caracterizar os navios incorporados à Marinha do Brasil[2] , sendo adotada originalmente em 18 de dezembro de 1847.[3]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Conforme o Decreto 544/1847, a bandeira seria retangular, tendo inscrita uma cruz formada de dezoito estrelas brancas sobre campo azul celeste, que simbolizavam as províncias do Império. O decreto nº 216 E, de 22 de fevereiro de 1890, alterado pelo decreto nº 3686 de 20 de junho de 1900, manteve a bandeira naval imperial, acrescentando-lhe mais duas estrelas.[4] [5] [6]

Atualmente, sua descrição, tal como dada pelo Cerimonial da Marinha, é a seguinte:

A Bandeira do Cruzeiro tem cor azul-marinho, forma retangular, metade do número de panos da Bandeira Nacional que for hasteada, dividida em quatro quadriláteros iguais por uma série de estrelas brancas, uma posicionada no centro e as demais igualmente espaçadas entre si, contando-se com a do centro treze no sentido do comprimento e nove no da largura, totalizando vinte e uma estrelas.[2]

Apesar da criação do estado da Guanabara em 1960 e sua extinção em 1975, bem como a criação dos estados de Acre (em 1962), Mato Grosso do Sul (em 1977); Amapá, Roraima, Rondônia e Tocantins (em 1988), a bandeira naval não teve o número de estrelas modificado, mantendo as 21 estrelas que representavam os estados da república até 1960.

Usos[editar | editar código-fonte]

Seu uso é prescrito pelo Cerimonial da Marinha, cuja redação atual foi aprovada pelo decreto 4.437/2002[7] : ela é hasteada e arriada diariamente, no "pau do jeque" (um mastro no extremo da proa), simultaneamente com a Bandeira Nacional, em todos os navios incorporados à Marinha Brasileira, quando estes estiverem no dique, fundeados, amarrados ou atracados. Todavia, deverá ser hasteada a meia adriça quando assim o for a Bandeira Nacional, por motivo de luto ou funeral.

Referências

  1. Naval Jack of Brazil. Página visitada em 29 jan. 2011.
  2. a b BRASIL. Cerimonial da Marinha. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação da Marinha, 2002.
  3. BRASIL. Decreto 544 - de 18 de Dezembro de 1847. Página visitada em 29 jan. 2011.
  4. RIBEIRO, Clóvis. Brazões e Bandeiras do Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1993. p. 123-124.
  5. BRASIL. Decretos do Governo Provisório, 1890, segundo fascículo. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1890. p. 325.
  6. BRASIL. Collecção das Leis da Republica. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1902. p. 666. vol. I, parte 2ª.
  7. BRASIL. Decreto nº 4.447, de 29 de outubro de 2002.. Página visitada em 29 jan. 2011.