Barquisimeto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Barquisimeto
Nueva Segovia de Barquisimeto Flag.png Nueva Segovia de Barquisimeto Coat of Arms.png
BarquisimetoCollage.png
Estado Lara
Município Iribarren
Palavecino
Fundação 1552
Área 353 km²
População (2011) 1.242.351 habitantes
Densidade 3519 hab./km²
Gentílico (es) barquisimetano/a
Altitude 613 metros
Website Página da prefeitura
Localização de Barquisimeto na Venezuela
10° 29' 00" N 66° 55' 00" O
Cidade da Venezuela Flag of Venezuela.svg

Barquisimeto é a capital e a cidade mais populosa do estado de Lara, no oeste da Venezuela. Conhecida como a Capital Musical da Venezuela e Cidade dos Crepúsculos - por seus belos entardeceres[1] - Barquisimeto tem uma população de 1 242 351 habitantes em 2013, tornando-se a quinta cidade mais populosa do país, depois de Caracas, Maracaibo, Maracay e Valencia - além de ser o principal centro cultural, econômico, educacional e industrial da região centro-oeste do país, exercendo grande influência sobre os estados que a compõem. Foi fundada em 1552 por Segovia Juan de Villegas, tornando-se uma das 10 cidades mais antigas da Venezuela. Sua principal atividade econômica é a indústria de comércio, que representa um notável centro industrial do centro-oeste. Barquisimeto é conhecida também por ser um dos centros artísticos e culturais importantes da Venezuela, além de ser o berço de inúmeros artistas e músicos da história cultural nacional. É considerada uma cidade universitária, devido ao grande número de oportunidades de estudo oferecidas por diversas instituições instaladas na cidade, entre os quais o Centro Universitário Ocidental Lisandro Alvarado, o Instituto Pedagógico de Barquisimeto, a Universidade Nacional Experimental Politécnica e a Universidade Politécnica Territorial Andrés Eloy Blanco, posicionadas entre as melhores do país.

O Cardenales de Lara, um dos maiores times tradicionais de beisebol na Venezuela, tem sua sede em Barquisimeto, no estádio Antonio Herrera Gutiérrez, bem como o Club Deportivo Lara, com sede no Estádio Metropolitano de Lara, localizado ao sul da cidade. A cidade possui, ainda, um sistema ferroviário que a interliga a outras regiões do centro-oeste do país, servindo a toda a região. Barquisimeto também possui um sistema de ônibus de trânsito rápido, que é o principal sistema de transporte da cidade.

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros habitantes[editar | editar código-fonte]

O vale onde a cidade está localizada era habitado há séculos por diferentes grupos étnicos indígenas, tais como Axaguas, Caquetios, Gayones e Jirahara, entre os quais predominavam influentemente o Caquetios, cuja língua predomina nos nomes de alguns lugares espalhados hoje pela cidade. Essas tribos faziam parte de uma grande nação que se estendia desde o Mar do Caribe até o rio Orinoco.

A chegada dos primeiros europeus à Barquisimeto foi comandada pelo oficial alemão Nicolas de Federman, da casa de Welser de Augsburg. E em relação a esta viagem, Federmann sugere que os povos indígenas da região "formavam um grande guerreiro de proteção à cidade" e que vivia "às margens de um grande rio." De acordo com Federman, ele e sua expedição foram forçados pelo Caquetios a viver nas montanhas, sendo os únicos a ocuparem e governarem a terra plana e fértil do vale.[2]

Fundação[editar | editar código-fonte]

A fundação de Barquisimeto se inicia como uma vila em 1552, através do oficial Juan de Villegas. Barquisimeto foi a primeira cidade fundada no oeste da Venezuela, funcionando como um centro de operações a partir do qual o processo da conquista começou. Lá, Juan de Villegas recebe uma mensagem urgente de um índio, Damian del Barrio, que lhe conta uma história de seu interesse: nas montanhas de Buria, o rio de mesmo nome, foram encontrados pedaços de ouro. A notícia causou um alvoroço entre os moradores, e a chance de ficar rico rapidamente e facilmente fez com que o trabalho agrícola fosse abandonado por Juan de Villegas. A vila criada na região para exploração do ouro foi chamada de Buria. Esta localidade serviu de apoio para a exploração das minas de ouro. A vila de Buria não durou muito tempo, já que a rápida extinção de minas e doenças mortais atingiram seus habitantes e resultou numa emigração compulsória, fato que ocorreu em 1556.

Ainda em 1556, mais uma vez uma localidade surgiu, desta vez com o nome de Nueva Segovia de Barquisimeto. Quando a pequena localidade começou a solidificar-se no ano de 1561, foi transformada em cinzas pelo tirano Lope de Aguirre e seus homens, vindos do Peru. Lope de Aguirre foi perseguido e morto por um de seus homens. Essa ação causou a mudança da pequena cidade, que se reergueu pela terceira vez. Naquela época, Nueva Segovia conseguiu assentar-se em um lugar conhecido como "Desembocadero Barquisimeto" onde os rios Turbio e Claro se encontram. Infelizmente, ela sofreu graves inundações devido à instabilidade do local escolhido, e novamente o local se moveu.[3] [4] [5]

Finalmente e pela quarta vez, Nueva Segovia de Barquisimeto muda de local em 1563, ocupando as terras altas onde está localizada hoje, onze anos depois de Juan de Villegas fundar o assentamento. É a partir dessa solução que se começa a desenvolver verdadeiramente a cidade, cujas características mais marcantes foram a simetria matemática que são vistas em sua arquitetura colonial, o seu desenvolvimento a partir desse momento foi ininterrupto e crescente.[3] [4] [5]

Era colonial e pré-independência[editar | editar código-fonte]

O primeiro passos da cidade, conforme o relatório descritivo, foram obtidos a partir dos governos dos primeiros prefeitos de Nueva Segovia a partir de 1579, sete anos após a decisão firme de construir a cidade no planalto. Os nomes das ruas naquela época eram: Santiago, Ocean, Damas, Saint Kitts e Tocuyo. Da mesma forma, os relatórios dão conta de que os nomes e sobrenomes de todas os habitantes da cidade à época vêm dos "reinos de Castela" e "Joan de Villegas", um nativo de Segobia. Nota-se que eram apenas 40 casas com um total de cerca de 200 habitantes. A 9 de março de 1779, em uma intensa visita pastoral, chegou à Nueva Segovia o bispo Mariano Martí, para levantar um censo completo, onde observou que a cidade era habitada principalmente por colonos espanhóis. Ele observou que havia 303 ​​casas, 392 famílias e 8.776 habitantes.

Durante a independência, Barquisimeto juntou-se ao movimento de libertação, juntamente com outros heróis da assinatura da Declaração de Independência da Venezuela em 5 de julho de 1811. Barquisimeto foi visitada várias vezes por Simon Bolívar e a cidade foi palco de uma das batalhas da Campanha Admirável, a Batalha de Los Horcones, onde hoje está um monumento em sua comemoração.

Século XIX e início do século XX[editar | editar código-fonte]

Vista de uma via da cidade, no fim do século XIX.
Antiga estação de trem de Barquisimeto (1915).

No início do século XIX, há registros de que a cidade tinha entre oito e dez mil habitantes, e foi possível notar o aumento do crescimento e do progresso, uma vez que não era inferior a três mil o número de casas e edifícios. Os nomes das ruas longitudinais, começando com o lado do rio Turbio eram: Bispo Villarroel, La Paz (mais tarde chamado de Regeneração), Ponte, Islanders (chamado depois de Ayacucho), e Real, que eles chamavam de Libertador. As igrejas eram La Concepcion, que ainda estava na paróquia, Nossa Senhora da Graça, Nossa Senhora de San Juan e San Jose. A praça principal da cidade era a Praça da Igreja de Concepcion. O cemitério da cidade estava localizado em áreas onde atualmente está a igreja Altagracia. Em 1812, um terremoto devastou a cidade, destruindo estruturas importantes, tais como a fachada de várias igrejas e muitas casas. Em 1873, o estado de Lara tinha uma população de 143.818 habitantes, sendo 42.203 habitantes em Barquisimeto, de acordo com informações demográficas dos antigos cronistas da cidade. Com o passar do tempo, mais especificamente em 1891, a cidade tinha 9 blocos de rua e 13 ruas longitudinais, estendendo sua malha urbana para duas avenidas principais em 1922: Liberator Street, que dividiu Barquisimeto a partir de oeste para leste, e Juares, que o separava de norte a sul, suplementado com 11 longitudinais e 21 ruas transversais. As ruas eram pavimentadas. A maioria das calçadas eram de tijolos.

Em fevereiro de 1877, o presidente, o general Antonio Guzmán Blanco construiu o Ferrocaril Bolívar, que ligou Barquisimeto ao centro do país. A estação ferroviária está localizada nos espaços que agora dominam a Catedral de Barquisimeto e este lugar marca o epicentro das atividades comerciais, artísticas, culturais e esportivas da cidade à época. Uma das maiores obras neste período foi, certamente, o Mercado Público, os espaços no National Building que foi construído em 1881 pelo general Jacinto Fabricio Lara, filho do herói da Independência, que ocupou o governo do estado de Lara. Em 1890, o aqueduto foi inaugurado em Barquisimeto, decretado pelo Libertador passando pela cidade em 1821. Em 1896, houve melhora significativa nos serviços de iluminação pública. Em 1897, para reduzir o tempo de circulação de mercadorias e passageiros, Barquisimeto recebeu um bonde aberto, construído pelo engenheiro Andrés Hernández Palacios e gerido pela empresa Bolaño, cujo gerente era Frayle Celestino Garcia. Por iniciativa de Aquilino Juares, governador do estado de Lara, os trilhos atravessavam o Commerce Street. Foi colocado em operação em setembro de 1897. O bonde circulava a partir da Plaza Bolívar (hoje Praça Lara) com uma linha principal para a Catedral (pista 23), em seguida, para o centro comercial, atravessando a Avenida 5 de julho para a estação ferroviária localizada na atual sede da Polícia Geral de Lara.

História recente[editar | editar código-fonte]

O novo século trouxe para a cidade próspero desenvolvimento e melhorias, um enorme aumento de investimentos na construção civil, indústria, comércio e serviços, o que tem sido um crescimento renovado em Barquisimeto, que se consolida como a quinta maior cidade da Venezuela. É por isso que nos últimos anos, têm aparecido em seus pólos de crescimento, vários centros comerciais, hotéis, edifícios de escritórios, residências e centros de negócios. Realizações notáveis ​​do século XXI foram a implementação da recuperação da cidade histórica, o trabalho de grande importância turística, a criação de uma área de negócios e desenvolvimento na área denominada "O Triângulo", a gentrificação Avenida 20, importante núcleo de desenvolvimento comercial da baixa, a implementação de várias infra-estruturas rodoviárias, como modificar a Avenue ciliar para transformá-la em uma via expressa, a construção de vários distribuidores, um sistema de trânsito rápido de ônibus que funciona como sistema de transporte de massa para a cidade, entre outras obras.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Barquisimeto está situada às margens do rio Turbio. A cidade tem uma localização geográfica no centro-oeste da Venezuela, a 363 quilômetros de Caracas, a capital nacional. Barquisimeto é caracterizado também por um terreno quase totalmente plano, o que facilitou a distribuição de ruas numeradas em ordem crescente. Seu clima é agradável nos meses de dezembro a março.

Administração[editar | editar código-fonte]

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Censo do 2011. Instituto Nacional de Estadística (INE).
  2. Aspectos históricos del valle de Barquisimeto y de su secular vocación agrícola (PDF) (em espanhol). Gobierno de Venezuela. Aporrea (1999). Página visitada em 23 de março de 2014.
  3. a b Breve Historia de Barquisimeto (em espanhol). Barquisimeto.com. Página visitada em 24 de março de 2014.
  4. a b Aspectos históricos del valle de Barquisimeto y de su secular vocación agrícola (PDF) (em espanhol). Gobierno de Venezuela. Aporrea. Página visitada em 24 de março de 2014.
  5. a b Fundación de Nueva Segovia (em espanhol). Actual 33. Página visitada em 24 de março de 2014.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Barquisimeto
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Venezuela é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.