Barragem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Uma barragem, açude ou represa, é uma barreira artificial, feita em cursos de água para a retenção de grandes quantidades de água. A sua utilização é sobretudo para abastecer de água zonas residenciais, agrícolas, industriais, produção de energia eléctrica (energia hidráulica), ou regularização de um caudal.

História[editar | editar código-fonte]

As barragens foram, desde o início da história da Humanidade, fundamentais ao desenvolvimento da espécie humana. A sua construção visava sobretudo a combater a escassez de água no período seco de forma mais ou menos empírica.[1] [2] Em nível mundial, algumas das barragens mais antigas de que há conhecimento situavam-se, por exemplo, no Egipto, Médio Oriente e Índia. Na Índia, apareceram barragens de aterro de perfil homogéneo com descarregadores de cheias para evitar acidentes provocados pelo galgamento das barragens. Com a Revolução Industrial, houve a necessidade de se construir um crescente número de barragens, o que permitiu o progressivo aperfeiçoamento das técnicas de projecto e construção. Apareceram, então, as primeiras barragens de aterro modernas, assim como as barragens de betão.

Impactos socioambientais[editar | editar código-fonte]

As barragens costumam inundar uma longa extensão de terras habitáveis. Isso faz com que muitas pessoas sejam desalojadas e tribos indígenas, fauna e flora completamente dizimadas. Por isso, deve haver a discussão sobre a real necessidade das barragens, bem como formas de minimizar o seu impacto socioambiental. É o que acontece atualmente, por exemplo, no caso da construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Brasil.

Elementos da barragem e órgãos hidráulicos[editar | editar código-fonte]

Os Elementos da barragem e órgãos hidráulicos são os seguintes[3] :

  • Paramentos ou Barramentos – as superfícies mais ou menos verticais que limitam o corpo da barragem: o paramento de montante, em contacto com a água, e o paramento de jusante.
  • Coroamento – a superfície que delimita superiormente o corpo da barragem.
  • Encontros – as superfícies laterais de contacto com as margens do rio.
  • Fundação – a superfície inferior de contacto com o fundo do rio.
  • Descarregador de cheia ou Vertedouro – o órgão hidráulico para descarga da água em excesso na albufeira em período de cheia, em caso de atingir a cota máxima do reservatório
  • Tomadas de água – os órgãos hidráulicos de extracção de água da albufeira para utilização.
  • Descarregador de fundo – o órgão hidráulico para esvaziamento da albufeira ou manutenção do caudal ecológico a jusante da barragem.
  • Eclusas ou Comportas – órgão hidráulico que regula a entrada e saída de água entre a montante e a jusante da barragem e permite à navegação fluvial vencer o desnível imposto pela barragem.
  • Escada de peixes – órgão hidráulico que permite aos peixes vencer o desnível imposto pela barragem.

Tipos de barragem[editar | editar código-fonte]

Barragem de Jurumirim - Cerqueira César / Piraju.
Barragem da UHE Rio Novo, Avaré.

As barragens são feitas de forma a acumularem o máximo de água possível, tanto através da chuva como também pela captação da água caudal do rio existente. Faz-se a barragem unindo as duas margens aprisionando a água na albufeira (represa artificial das águas correntes ou pluviais, para irrigação). As barragens são muito importantes para o mundo moderno, pois são elas que permitem que haja água potável canalizada nas grande metrópoles mundiais. Contudo, toda a zona onde a barragem e a sua albufeira se encontram e também a área circundante, nomeadamente a jusante, por onde o rio passava, é afectada. É por esse facto que antes de se construir uma barragem é necessário fazer estudos de impacto ambiental. Dessa forma, a barragem deixa passar um caudal ecológico que tem como função preservar os ecossistemas já existentes no rio e respectivas margens.

A construção de uma barragem tem sempre de passar por quatro etapas fundamentais: o projecto, a construção, a exploração e a observação. No projecto é determinado, após estudos no local e estudos relativos à rentabilidade da barragem, o tipo de barragem a construir. Desta forma, podemos dividi-las em dois grupos essenciais relativamente ao material de que são constituídas:

Barragem de betão[editar | editar código-fonte]

As barragens de betão feitas em vales apertados pois a resistência do betão tem algumas limitações relativamente ao comprimento da barragem. Apesar de muito resistentes, estas barragens são também muito vulneráveis a certos tipos de situações. Se houver algum erro de projecção e a barragem fender pode ter consequências catastróficas. Já numa situação de galgamento pela água da albufeira não é tão prejudicial. Podemos definir dois tipos de barragem de betão tendo a forma como são construídas.

  • Barragem de gravidade: nesse tipo de construção a força que mantém a barragem em vigor contra o impulso da água é a gravidade da Terra.[4]
  • Barragem em arco: são construídas em vales mais apertados, podendo desta forma a altura ser maior que a largura. A primeiro barragem desse tipo foi construído pelos romanos na França em meados do século 1 a.C.[5] [6] [7]

Barragem de aterro[editar | editar código-fonte]

Uma barragem de aterro é, como o próprio nome indica, um aterro, ou seja, é uma barreira de terra e/ou rocha que funciona de modo a reter a água. Ao contrário de uma barragem de betão, uma barragem de aterro não suporta bem o galgamento pela água e pode mesmo ter efeitos catastróficos. Já no caso de fendilhação, a barragem de aterro fica mais estável que uma de betão. Podemos definir três grandes grupos de barragens de aterro tendo em conta o material de que são feitas:

Utilizações[editar | editar código-fonte]

Função Descrição Exemplo
Produção de energia A energia hidroeléctrica é uma das energias renováveis de maior importância a nível mundial; em muitos países a força da água dos rios é aproveitada através de barragens. Central Hidroeléctrica de Itaipu, Brasil/Paraguai
Abastecimento As grandes áreas urbanas e industriais têm grandes necessidades de água, nessa medida existem grandes barragens de armazenamento de água para satisfazer as populações. Barragem de Castelo de Bode, Portugal (abastece a Área Metropolitana de Lisboa)
Rega À semelhança das barragens que servem para o abastecimento de grandes áreas urbanas, também existem barragens para abastecer as áreas rurais, não com a função de satisfazer as necessidades das populações, mas sim para a rega dos campos agrícolas Barragem de Alqueva, Portugal
Defesa contra cheias Para controlar a água de grandes chuvadas, existem algumas barragens destinadas a proteger os territórios a jusante das mesmas. Barragem da Aguieira, Portugal
Recreio Não há grandes barragens que tenham sido erguidas exclusivamente para este fim; a construção de uma barragem pode, porém, fomentar actividades ligadas ao recreio/lazer, tais como a prática de desportos náuticos ou a construção de unidades hoteleiras. Barragem de Castelo de Bode, Portugal
Rejeitados Para retenção de rejeitados mineiros. Barragem de Rejeitados (Pirites Alentejanas), Portugal

Os diques são um tipo especial de barragem servindo para a conquista de terra a áreas anteriormente alagáveis, permitindo assim a ocupação humana, nomeadamente para a agricultura (exemplo:Afsluitdijk, Países Baixos).

Exemplos de barragens[editar | editar código-fonte]

Maquete representativa da aplicação de uma turbina de bulbo de um só sentido, numa usina geradora de energia maremotriz.

Existem barragens projetadas para explorar as variações de marés nas entradas das baías que usam turbinas de pás variáveis que tanto atendem o fluxo como o refluxo.

Baseados nessas técnicas de captação da energia através de movimentos oscilantes, ondas do mar, fluxo e refluxo de marés, o governo brasileiro aprovou um projeto de construção de barragens ao longo do rio Madeira para explorar esse efeito e cujo período das oscilações em vez de 6 horas, como é o efeito da gravitação, esse tem a duração de um ano.[8]

Por motivos técnicos, o primeiro leilão dessa nova fonte energia foi adiado para 2008.

Barragens em países lusófonos[editar | editar código-fonte]

Barragens fracassadas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Günther Garbrecht: "Wasserspeicher (Talsperren) in der Antike", Antike Welt, 2nd special edition: Antiker Wasserbau (1986), pp.51-64 (52)
  2. S.W. Helms: "Jawa Excavations 1975. Third Preliminary Report", Levant 1977
  3. O que são Barragens, DEINFRA, Ministério da Integração Nacional, Governo Federal, Brasil.
  4. Brittish Dam society Types of Dam - Gravity Dam
  5. Smith, Norman (1971), A History of Dams, London: Peter Davies, ISBN 0432150900 
  6. Key Developments in the History of Arch Dams. Cracking Dams. SimScience. Página visitada em 18 July 2010.
  7. D.Patrick JAMES, Hubert CHANSON. Historical Development of Arch Dams. From Cut-Stone Arches to Modern Concrete Designs. Barrages.org. Página visitada em 18 July 2010.
  8. Divulgadas regras para leilão da primeira usina do Rio Madeira

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons