Basílica de São Lourenço Fora de Muros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Basílica de São Lourenço Fora de Muros é o santuário de São Lourenço, diácono romano martirizado. A fachada foi reconstruída depois de um bombardeio aliado em 19 de julho de 1943; os afrescos na parte superior estão perdidos.

A basílica de São Lourenço Fora de Muros (em italiano, San Lorenzo fuori le Mura) é uma das igrejas mais importantes de Roma, e também uma das Sete Igrejas Peregrinas de Roma.

A basílica é o santuário e túmulo de São Lourenço de Huesca, um dos primeiros sete diáconos de Roma, martirizado em 258. O Papa Pio IX, cujo processo de canonização está em curso, também está sepultado na basílica, bem como o primeiro-ministro italiano Alcide De Gasperi, um dos fundadores da União Européia.

Túmulo de Alcide De Gasperi na basílica de São Lourenço. Os afrescos são visíveis acima do túmulo.

O terreno onde hoje está situada a basílica atual foi inicialmente utilizado para a construção de um pequeno oratório por Constantino I. O imperador o erigiu sobre o local onde acreditava-se que São Lourenço havia sido executado. Na década de 580, o Papa Pelágio II encomendou a construção de uma igreja sobre o local, em honra ao mártir. No século XIII, o Papa Honório III iniciou a construção de uma outra igreja na frente da estrutura mais antiga. Essa nova igreja foi adornada com afrescos ilustrando as vidas de São Lourenço e do primeiro diácono martirizado, Santo Estêvão, que está enterrado junto a São Lourenço no confessionário sob o altar principal. Ambas as estruturas foram reunidas como parte de um programa de reurbanização. Escavações revelaram várias outras criptas, encontradas abaixo do nível da rua. O papa Hilário está enterrado numa delas.

A Basílica de São Lourenço Fora de Muros foi sede do Patriarcado Latino de Jerusalém, de 1374 a 1847. Em 1943, durante a Segunda Guerra Mundial, a igreja foi bombardeada por forças aliadas. A restauração foi concluída em 1948, e foram removidas algumas adições feitas no século XIX. Os afrescos da fachada, porém, foram perdidos.