Basílica de Santo Apolinário Novo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Basílica de Santo Apolinário Novo.
Nave.

A Basílica de Santo Apolinário Novo [1] (em italiano: Basilica di Sant'Apollinare Nuovo) é uma basílica em Ravena, na região da Emília-Romanha, na Itália. Foi construída pelo rei ostrogodo Teodorico, o Grande, para ser a capela de seu palácio, durante o primeiro quarto do século VI.

Foi reconsagrada em 561, sob o reino do imperador bizantino Justiniano I, sob o nome "Sanctus Martinus in Coelo Aureo" (São Martim em Céus Dourados). Foi dedicada a Martinho de Tours. De acordo com a lenda, o Papa Gregório I ordenou que os mosaicos da igreja fossem escurecidos para que os visitantes não ficassem distraídos em suas orações. A Basílica foi renoemada em 856, quando as relíquias de Santo Apolinário foram transferidas para a Basílica de Santo Apolinário em Classe.

Quando a UNESCO colocou a igreja na lista de Património Mundial, seus peritos destacaram que "o exterior e o interior da Basílica ilustram graficamente a fusão entre os estilos oriental e ocidental que caracterizam a virada do século V para VI. Esta é uma das construções mais importantes de um período de crucial significação cultural na arte religiosa européia."

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Também conhecida em português como Basílica de Santo Apolinário, o Novo ou Basílica de Santo Apolinário-o-Novo
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Basílica de Santo Apolinário Novo