Base Aérea de Sintra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Demonstração de helicópteros na Base Aérea n.º 1

A Base Aérea de Sintra MHTE, oficialmente denominada Base Aérea n.º 1 (BA1) – base primeira da Força Aérea Portuguesa – é considerada por todos o “berço da Aeronáutica Militar em Portugal”. É um aeródromo da Força Aérea Portuguesa situado na localidade da Granja do Marquês no concelho de Sintra[1] .

A 8 de Maio de 2005 foi feita Membro-Honorário da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.[2]

Actualmente as unidades aéreas ali estacionadas estão sobretudo vocacionadas para a instrução de Pilotos Aviadores.

No interior das instalações do complexo está localizado:

Meios aéreos actuais[editar | editar código-fonte]

Esquadra 101 - "Roncos"

Opera as aeronaves Aérospatiale Epsilon-TB 30, que tem como missão principal ministrar instrução elementar e básica de pilotagem, e como missão secundária executar testes de selecção em vôo aos candidatos a cursos de pilotagem.

Esquadra 802 - "Águias"

Opera as seguintes aeronaves:

Schleicher ASK 21, planador bilugar de elevada performance e grande manobrabilidade que embora satisfazendo as necessidades ligadas à instrução básica está, pelas suas características, fundamentalmente vocacionado para actividades avançadas do vôo à vela, ao nível de competição. É pois um planador que deve ser essencialmente utilizado para a execução de manobras acrobáticas. O ASK-21 é operado pelo Departamento de Actividades Aéreas do Corpo de Alunos da Academia da Força Aérea.

De Havilland Canada DHC-1 Chipmunk (modificado)

Avião bilugar em tandem, metálico, com trem fixo e travões hidráulicos de disco, dotados de duplo comando. Foi utilizado pela FAP para instrução elementar de pilotagem podendo, pelas suas características de vôo fazer toda a acrobacia e, em boas condições meteorológicas, vôo nocturno e por instrumentos.

Das cerca de 30 unidades que a Força Aérea dispunha, foram seleccionadas 7 unidades que, com vista à execução de missões de reboque de planadores da AFA, foram submetidas a várias modificações, como remotorização mais potente (145 HP para 180 HP); novo bloco de travões; novo rádio; transponder; derivas anti-vrille e pintura original da instrução na Força Aérea, com inscrição e emblema da Academia da Força Aérea.

L-23 Super Blanik

Planador mono e bilugar, de instrução que, pela sua simplicidade e robustez, está especialmente vocacionado para a iniciação ao vôo planado que é dirigida primariamente para a realização de circuitos entre a largada do reboque e a aterragem. Possui equipamento e instrumentação completa em ambos os cockpits. O L-23 Super Blanik é operado pelo Departamento de Actividades Aéreas do Corpo de Alunos da Academia da Força Aérea.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SEREJO,Carlos, Granja do Marquês, Berço da Aeronáutica Militar Portuguesa, editada pela Força Aérea Portuguesa, 2009 - ISBN 978-972-99933-4-3.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Base Aérea nº 1 - Sintra. Página visitada em 15 de abril de 2011.
  2. http://www.ordens.presidencia.pt/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]