Bases aéreas portuguesas no Ultramar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde setembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Desde 1917 até 1975, a Aviação Militar Portuguesa manteve bases e unidades aéreas em diversos territórios ultramarinos portugueses. A primeira unidade foi a Esquadrilha Expedicionária a Moçambique, enviada para participar nas operações contra os alemães, por ocasião da 1ª Guerra Mundial. Essa esquadrilha foi uma das primeiras unidades de aviação militar de todo o continente africano. No entanto a grande instalação de unidades aéreas no ultramar deu-se a partir de 1961, por ocasião da Guerra do Ultramar, altura em que foram instaladas bases e aeródromos espalhados por todos os territórios africanos portugueses.

Segundo a organização da Força Aérea no Ultramar, estabelecida na década de 1950, foram criados os seguintes tipos de bases:

  • 1) Bases Aéreas (BA) - bases centrais de Região Aérea ou de Zona Aérea;
  • 2) Aeródromos-Base (AB) - bases sede de sector de Região Aérea;
  • 3) Aeródromos de Manobra - aeródromos satélite complementares das BA ou dos AB;
  • 4) Aeródromos de Trânsito - bases de reabastecimento e apoio à rota aérea Lisboa - Cabo Verde - Bissau - S.Tomé - Luanda - Moçambique.
  • 5) Aeródromos de Recurso - aeródromos de emergência e de apoio;
  • 6) outros aeródromos - foram criados muitos aeródromos e pistas de aviação junto a unidades militares de superfície, sobretudo junto às mais isoladas, para apoio às mesmas. Nalguns deles estavam estacionados Destacamentos de Coooperação da Força Aérea, sob controlo operacional do Exército e outros serviam de sede às Formações Aéreas Voluntárias. No entanto, na maioria deles não havia guarnição permanente de pessoal e meios da FAP.

Enquanto que as bases aéreas da Metrópole eram normalmente especializadas num determinado ramo de aviação (caça, luta anti-submarina, transporte, instrução, etc.), a maioria das instalações do Ultramar funcionava como base regional, destinando-se a cobrir um determinado sector aéreo e possuindo esquadras dos diversos tipos necessários à actuação nesse sector, sobretudo de reconhecimento, de apoio de fogo, de transporte e de helicópteros.

Normalmente, só as BA e os AB tinham meios aéreos permanentemente estacionados. Nos outros aeródromos operavam destacamentos das esquadras sedeadas em BA e AB. No entanto, em alguns casos, existiram esquadras sedeadas permanentemente em Aeródromos de Manobra.

Por território, as bases e unidades foram as seguintes:

Angola[editar | editar código-fonte]

Da Aeronáutica Militar:

  • 1918 - Campo do Luambo, sede da Esquadrilha Expedicionária a Angola;
  • 1918 - Campo do Huambo, sede da Esquadrilha Expedicionária a Angola;
  • 1918-1921 - Campo do Huambo, sede da Esquadrilha Inicial Colonial;
  • 1921-1924 - Campo do Huambo, sede do Grupo de Esquadrilhas de Aviação de Angola;

Da Força Aérea Portuguesa:

  • 1960-1975 - Base Aérea Nº 9 (BA9), base aérea central em Luanda;
  • 1960-1975 - Aeródromo-Base Nº 3 (AB3), base aérea de sector no Negage;
  • 1963-1975 - Aeródromo-Base Nº 4 (AB4), base aérea de sector em Henrique de Carvalho;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 95, aeródromo satélite da BA9 em Cabinda;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 31, aeródromo satélite do AB3 em Maquela do Zombo;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 32, aeródromo satélite do AB3 em Toto;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 33, aeródromo satélite do AB3 em Malange;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 41, aeródromo satélite do AB4 em Portugália;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 42, aeródromo satélite do AB4 em Camaxilo;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 43, aeródromo satélite do AB4 em Cazombo;
  • 1969-1975 - Aeródromo de Recurso Nº 44, aeródromo satélite do AB4 no Luso;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Recurso de Cacolo;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Recurso de Vila Teixeira de Sousa;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Recurso de Santa Eulália;
  • ? -1975 - Aeródromo de Recurso de Gago Coutinho;
  • ? -1975 - Aeródromo de São Salvador, sede de Destacamento de Cooperação;
  • ? -1975 - Aeródromo de Cuito-Canavale, sede de Destacamento de Cooperação;

? - 1975 - Aeródromo de Recurso de N´Riquinha

Cabo Verde[editar | editar código-fonte]

  • 1963-1975 - Aeródromo de Trânsito Nº 1, base de reabastecimento na Ilha do Sal;

Guiné[editar | editar código-fonte]

  • 1961-1965 - Aeródromo-Base Nº 2 (AB2), em Bissau;
  • 1965-1974 - Base Aérea Nº 12 (BA12), em Bissau;
  • 1965-1974 - Aeródromo de Manobra de Bafatá;
  • 1965-1974 - Aeródromo de Manobra de Tite;
  • 1965-1974 - Aeródromo de Manobra de Bubaque;
  • 1965-1974 - Aeródromo de Nova Lamego;
  • 1965-1974 - Aeródromo de Cufar;
  • 1965-1974 - Aeródromo de Aldeia Formosa;

Macau[editar | editar código-fonte]

Da Aviação Naval:

  • 1927-1942 - Centro de Aviação Naval de Macau.

Moçambique[editar | editar código-fonte]

Da Aeronática Militar:

  • 1917-1918 - Campo de Mocímboa da Praia, sede da Esquadrilha Expedicionária a Moçambique;
  • 1949-1952 - Centro de Instrução Aeronáutica de Lourenço Marques (passou para a Força Aérea em 1952).

Da Força Aérea Portuguesa:

  • 1952-1955 - Centro de Instrução Aeronáutica de Lourenço Marques;
  • 1962-1975 - Base Aérea Nº 10 (BA10), base aérea central na Beira;
  • 1961-1975 - Aeródromo-Base Nº 5 (AB5), base aérea de sector em Nacala;
  • 1967-1975 - Aeródromo-Base Nº 6 (AB6), base aérea de sector em Nova Freixo;
  • 1962-1975 - Aeródromo-Base Nº 7 (AB7), base aérea de sector em Tete;
  • 1963-1975 - Aeródromo-Base Nº 8 (AB8), base aérea de sector em Lourenço Marques;
  • 1962-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 51, aeródromo satélite do AB5 em Mueda;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 52, aeródromo satélite do AB5 em Nampula;
  • 1967-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 61, aeródromo satélite do AB6 em Vila Cabral;
  • 1967-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 62, aeródromo satélite do AB6 em Marrupa;
  • 1962-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 71, aeródromo satélite do AB7 em Furacungo;
  • 1962-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 72, aeródromo satélite do AB7 em Chicoa;
  • 1962-1975 - Aeródromo de Manobra Nº 73, aeródromo satélite do AB7 em Mutara;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Recurso de Tenente Valadim;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Recurso de Montepuez;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Recurso de Milange;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Recurso de Fingoé;
  • 1963-1975 - Aeródromo de Recurso de Vila Pery.

São Tomé e Príncipe[editar | editar código-fonte]

  • 1961-1975 - Aeródromo de Trânsito Nº 2, base de reabastecimento em S. Tomé.

Timor-Leste[editar | editar código-fonte]

  • 1975 - Aeródromo de Díli, sede do Destacamento de Helicópteros de Timor.