Batalhão 316

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Batalhão de Inteligência 3-16 ou Batalhão 316 (teve também outros nomes: Grupo dos 14 (1979-1981)[1] , Special Investigations Branch (Dies) (1982-1983), [1] Batalhão de Inteligência 3-16 (de 1982 ou 1984 até 1986), [1] Intelligence and Counter-Intelligence Branch (desde 1987)[1] foi o nome de uma unidade do exército de Honduras responsável pela realização de assassinatos políticos e tortura de suspeitos de serem opositores do governo durante a década de 1980, considerados "comunistas" ou "subversivos". O nome indicava o serviço da unidade de três unidades militares e dezesseis batalhões do exército hondurenho. [1] A reorganização da unidade sob a denominação "Batalhão de Inteligência 3-16" é atribuída ao general Gustavo Alvarez Martínez.[2] Integrantes do Batalhão receberam treinamento e o apoio dos Estados Unidos e da CIA para a sua formação, tanto em Honduras como em bases militares dos EUA [3] , bem como de Alfredo Mario Mingolla e outros membros do Batalhão de Inteligência 601 da Argentina (incluindo Ciga Correa, que havia colaborado com o DINA chileno para assassinar o general Carlos Prats e treinar, junto com Mohamed Alí Seineldín, o AAA [4] . Pelo menos 19 membros do Batalhão 3-16 foram graduados da Escola das Américas. [5] [6] O Batalhão 3-16 também foi treinado por Pinochet do Chile [4] .


Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]