Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Comandos Anfíbios

Os Comandos Anfíbios (COMANF) são uma força de elite do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil.[1] Eles congregam os fuzileiros navais especificamente preparados para realização de operações especiais. Trata-se do Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais, conhecido como Batalhão Tonelero, cujos membros são ainda mais exigidos nos termos de recrutamento, instrução e adestramento.

Batalhão Tonelero[editar | editar código-fonte]

O Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais, conhecido como Batalhão Tonelero,[2] foi criado em 1971, baseado no Rio de Janeiro, e tem a finalidade principal de, por meio da execução de operações especiais, contribuir para o preparo e a execução do poder naval, efetuando ações de reconhecimento e ações de comandos.[3] [4] Sob sua responsabilidade, está a função de ministrar cursos e estágios voltados ao seu efetivo. A unidade é estruturada em Companhia de Comando e Serviços, Companhia de Reconhecimento, Companhia de Ação de Comandos e o Grupo Especial de Retomada e Resgate (GERR),[5] que tem como missão resgatar pessoal de Marinha ou de interesse da Marinha, mantidos em confinamento ilegal e retomar instalações de Marinha ou de interesse da Marinha, trabalhando em conjunto com os Mergulhadores de Combate (GRUMEC), que se encarregam das ações em ambiente aquático, enquanto o Tonelero atua predominantemente em ações terrestres.

Formação operacional[editar | editar código-fonte]

Para Oficiais, Sargentos e Cabos aprovados no curso de habilitação para promoção a Sargento, é ministrado o Curso Especial de Comandos Anfíbios (CESCOMANF), com duração de 26 semanas, que abrange as disciplinas de técnicas de infiltração; patrulha; explosivos; socorrismo avançado; combate em áreas urbanas; combate corpo-a-corpo; montanhismo; técnicas de sobrevivência no mar e em terra; dentre outras, além de capacitação e adestramento para operar em regiões ribeirinhas e no Pantanal, em montanha e clima frio, em regiões semi-áridas, selva e área urbana. Depois de formados, esses combatentes recebem um brevê representado por uma caveira atravessada por um raio, símbolo que os destaca entre os demais fuzileiros navais.

Para Cabos não estabilizados e Soldados é ministrado o Estágio de Qualificação Técnico Especial de Operações Especiais, com duração de seis semanas, chamado de "Comanfinho". Esse estágio visa a padronização das Ações de Comandos Anfíbios e Operações Especiais, formando os auxiliares dos COMANF, que são adestrados de maneira muito parecida.

Depois de formados, eles farão parte das Companhias Operativas (1º Cia Recon / 2º Cia de Ação de Comandos / GERR), e terão a oportunidade de se aprimorar tecnicamente por meio de outros estágios e cursos, como: Estágio Básico de Paraquedista Militar; Curso de Auxiliar de Precursor Paraquedista; Curso de Auxiliar de DOMPSA; Curso Expedito de Salto Livre; Curso Expedito de Mergulho Autônomo e Estágio Básico de Combatente de Montanha.

Especialização[editar | editar código-fonte]

O adestramento dos COMANF prevê anualmente, exercícios em várias regiões do Brasil,[6] [7] buscando o aperfeiçoamento de suas técnicas de combate e a capacitação para operar em diferentes ambientes e climas.

No Exército Brasileiro realizam diversos cursos e estágios que complementam a formação como o Curso Básico de Paraquedista Militar, Curso de Precursor Paraquedista, Curso de DOMPSA, Curso de Guerra na Selva, Estágio de Operações na Caatinga, Estágio de Operações no Pantanal, entre outros. Na própria unidade realizam o Curso Expedito de Salto Livre (CEXSAL) e o Curso Expedito de Mergulho Autônomo (C-EXP-MAUT).

Alguns militares são designados para estagiarem no exterior, especializando-se em cursos como o "All Arms Commando Course" (Royal Marines), "Comando de Operaciones Especiales" (Marina/Espanha), "Rangers" (US Army) e "Anphibious Reconnaisance Course" (US Marine Corps).

Equipamentos[editar | editar código-fonte]

Nome Origem Tipo
Glock 19  Austria Pistola
Heckler & Koch USP  Alemanha Pistola
Heckler & Koch MP5  Alemanha Submetralhadora
Heckler & Koch G36C  Alemanha Fuzil de assalto
Colt M4  United States Fuzil de assalto
Franchi SPAS-15  Italy Espingarda
Benelli  Italy Espingarda
FN Minimi  Belgium Metralhadora
Barrett  United States Fuzil de precisão
Heckler & Koch PSG1  Alemanha Fuzil de precisão
PGM Hécate II France Fuzil de precisão
M24 Sniper Weapon System  United States Fuzil de precisão
FN FAL  Brazil Fuzil de assalto
M-16 A2  United States Fuzil de assalto

Emprego[editar | editar código-fonte]

Os elementos do Batalhão Tonelero podem constituir uma Força-Tarefa, quando forem o mais alto escalão de execução de uma determinada operação, ou um Grupo-Tarefa, quando estiverem envolvidos em uma força de maior vulto.

Notas

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a Marinha do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.