Batalha Naval da Guiné

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Batalha Naval da Guiné
Parte da Guerra de Sucessão de Castela
[[Imagem:Guinea map 1725.jpg|300px]]
Golfo da Guiné, local onde ocorreu a batalha.
Data 1478
Local Oceano Atlântico ao largo de São Jorge da Mina
Desfecho Vitória táctica e estratégica de Portugal face a Castela
Combatentes
PortugueseFlag1475.png Portugal Bandera de la Corona de Castilla.png Castela
Comandantes
Jorge Correa
Mem Palha
Juanoto Boscá
Forças
11 navios 35 navios
Baixas
Nenhuma Totalidade da frota capturada;
Tripulação feita prisioneira.

A batalha naval da Guiné foi o choque naval entre a frota portuguesa e a frota castelhana no contexto da Guerra da Sucessão de Castela, que teve lugar em 1478 perto de São Jorge da Mina (na costa atlântica da Guiné).

Os reis castelhanos haviam preparado duas frotas: uma para o comércio em na costa guineense e uma outra que visava a conquista da Grande Canária. As duas frotas partiram juntas de Sanlúcar de Barrameda até às ilhas Afortunadas separaram ao lá chegarem. A chegada de uma esquadra naval de Portugal provocou a fuga do contingente castelhano nas Canárias, que por isso não conseguiu estabelecer-se efectivamente na ilha. Os portugueses, entretanto, não foram capazes de desembracar na Gran Canaria pelo que decidiram retirarem-se para Portugal, mas no entanto pelo facto de na viagem de regresso terem capturado vários navios carregados com provisões castelhanas, mudaram de rumo dirigindo-se para a Guiné, onde era possível um desembarque castelhano.

A frota castelhana e outros navios mercantes chegaram a São Jorge da Mina sem qualquer problema ou resistência por parte dos portugueses, arrecadando grandes quantidades de ouro e objectos diversos. No entanto, a ganância excessiva do representante comercial da coroa espanhola fez ficar lá por vários meses a frota castelhana o que a levou ao encontro da frota portuguesa. Os espanhóis, que foram enfraquecidos por doenças tropicais e a inactividade, foram atacados de surpresa, sendo derrotados e feitos prisioneiros em Lisboa.

Graças ao ouro conseguido com esta vitória, o rei português Afonso V poderia relançar a guerra por terra contra Castela, onde, além de notícias sobre a derrota causou espanto e críticas do rei católico Fernando II de Aragão. Após o acordo de paz no ano seguinte, o resultado da batalha naval da Guiné foi, provavelmente, decisivo para Portugal por ganhar uma favorável divisão do Atlântico, e a hegemonia do mesmo.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Preparativos castelhanos[editar | editar código-fonte]

No começo de 1478, os reis Católicos começaram a preparar no porto de Sanlúcar duas frotas: uma para comercializar e expulsar os portugueses de São Jorge da Mina, e outra que visava a conquista da ilha da Grande Canária.

De acordo com o cronista castelhano Alfonso de Palencia a frota que tinha como alvo o controlo do Golfo da Guiné teria 11 navios e o das ilhas Canárias 25 navios. As duas armadas saíram juntas da Andaluzia para se protegerem mutuamente separando-se apenas quando chegaram as ilhas Afortunadas. Um outro cronista castelhano, Fernando del Pulgar, afirmava que a frota da com destino a São Jorge da Mina era formada por 35 navios (talvez Fernando del Pulgar tivesse confundido com o número da soma das duas frotas, pois ambas as frotas saíram do porto juntas; Seria muito improvável o envio de tantos navios para tomar um alvo tão remoto e com resistência esporádica como as feitorias portuguesas da Guiné uma vez que essa resistência seria apenas de embarcações vindas de Portugal, que seriam enviadas sob a forma de armadas organizadas).

Os comandantes militares responsáveis pela conquista da Grande Canária eram Juan Rejón e Juan Bermúdez. O comandante da frota da frota da Guiné seria Juanoto Boscá (não há certezas quanto ao comandante da frota da Guiné). De modo a garantir os lucros para a coroa castelhana depois do presumível sucesso da frota, Isabel I de Castela decretou que os navios da coroa de Castela teriam prioridade na venda dos produtos vindos da Guiné em relação a outros navios mercantes.

A reacção portuguesa[editar | editar código-fonte]

D.João II, na altura príncipe João.

O príncipe João (futuro João II de Portugal), ciente dos planos castelhanos, preparou e organizou uma frota rapidamente de modo a surpreender os seus inimigos castelhanos nas Canárias. No entanto o envio desta mesma frota para o Golfo da Guiné era impossível devido a falta de provisões (a falta de provisões deveu-se a rápida organização da armada). Rui de Pina diplomata português, nomeara Jorge Correa e Mem Palha os comandantes da frota, sendo esta responsabilidade repartida entre os dois.

O Combate nas Canárias[editar | editar código-fonte]

As duas frotas castelhanas saíram juntas de Sanlúcar de Barrameda, provavelmente em Abril de 1478. Após terem feito uma paragem em Cádis, rumaram até à costa mauritana chegando à mesma a 4 de Maio, e de lá para a Grande Canária, onde atracou num porto seguro. A frota castelhana com destino a São Jorge da Mina continuou a viagem agregada, mas a com destino às Canárias devido a acção da frota portuguesa foi dispersada imediatamente após à chegada. Como uma parte da expedição castelhana às Canárias foi dedicada a captura de escravos e urzela, apenas 300 soldados castelhanos desembarcaram na Grande Canária. A quanto da chegada de uma embarcação enviada por Fernando II de Aragão com o aviso da eminência da chegada portuguesa, o grosso da frota castelhana com os restantes 1000 soldados (cerca) retirou-se para alto mar. Os portugueses aquando da chegada às Canárias com uma frota de 20 navios e 1600 soldados, acabariam por desembarcar em Porto de Sardina, na Grande Canária para em cooperação com a população autóctone, os Guanches, derrotarem os restantes soldados castelhanos que desembarcaram. No entanto, a 27 de Julho, a chegada de uma tempestade acabou por impedir o fácil desembarque dos soldados portugueses, facto que foi aproveitado pelos andaluzes (a maioria da frota castelhana era composta por andaluzes), que iniciaram uma intensa actividade defensiva que acabou por impedir a manobra portuguesa. Depois de cinco dias de tentativas, os portugueses acabaram por cessar as manobras e retiraram-se de novo para o oceano. No entanto, ao passarem pelas ilhas vizinhas a Grande Canária os portugueses acabaram por avistar forças castelhanas que se encontravam a procura de guanches para escravizar. Em pequeno numero e bastante dispersos os soldados castelhanos (cerca de 200) acabaram por ser facilmente capturados e levados para Portugal em cinco embarcações. No entanto a captura destes soldados não foi o principal prémio. Com eles foram também capturadas várias embarcações (não é possível precisar o numero de embarcações mas pode supor-se que seriam carracas bem armadas visto terem permitido aos portugueses prosseguir para o golfo da Guiné)(Os dados estão muito mal corroborados) Os restantes soldados castelhanos acabariam por sobreviver na Grande Canária praticamente um ano até a chegada de uma nova frota