Batalha de Alam Halfa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha de Alam Halfa
Campanha do Deserto Ocidental
Segunda Guerra Mundial
Alamein1st1942 07.svg
Mapa do campo de batalha, agosto de 1942
Data 30 de agosto5 de setembro de 1942
Local 30° 40′ N 29° 10′ E
Próximo a El Alamein, Egito
Resultado Vitória estratégica defensiva Aliada
Combatentes
Aliados:
Flag of the United Kingdom.svg Grã-Bretanha
Flag of New Zealand.svg Nova Zelândia
Eixo:
Alemanha Nazi Alemanha
Flag of Italy (1861-1946) crowned.svg Itália
Comandantes
Bernard Montgomery Erwin Rommel
Forças
XIII Corps (8º Exército):
4 divisões
Panzer Armee Afrika:
6 divisões
Baixas
1750 mortos, feridos ou capturados
68 tanques
67 aeronaves
2900 mortos, feridos ou capturados
49 tanques
36 aeronaves
400 veículos de transporte

A batalha de Alam Halfa teve lugar de 30 de Agosto a 6 de Setembro de 1942, englobada na campanha do Deserto Ocidental durante a Segunda Guerra Mundial. Os combatentes foram o Afrika Korps, comandado por Erwin Rommel (a Raposa do Deserto) e o 8º Exército Britânico comandado por Bernard Montgomery.[1]

As forças britânicas, retirando-se desorganizadamente após a derrota na batalha de Marsa Matruh, convergiram sobre a linha fortificada de El Alamein e se aprontaram rapidamente para enfrentar o ataque germânico. A RAF intensificou a ação e conseguiu estabelecer supremacia no campo de luta. NA madrugada de 1 de julho, Rommel lançou suas forças ao ataque com a intenção de realizar uma ruptura rápida e inesperada. Os britãnicos, no entanto, conseguiram desbaratar todas as suas tentativas. As forças de Rommel ficaram completamente esgotadas, situação que se agravou com a interrupção quase total de seus serviços de abastecimentos, em virtude dos ataques da aviação inglesa.

A 4 de agosto Winston Churchill chegou ao Egito. Designou o General Alexander para exercer o comando das forças britânicas no Oriente Médio, enquanto que o General Montgomery foi nomeado comandante-em-chefe do VIII Exército. Montgomery trabalhou ativamente no adestramento e preparação de suas forças para levar a cabo o choque decisivo contra as tropas de Rommel. Este resolveu realizar uma última tentativa para quebrar a frente britânica e atingir o delta do Nilo. Seu plano ofensivo foi acertadamente previsto pelos britânicos. Tratava-se novamente de uma manobra de flanqueio pelo sul, na qual interviriam a totalidade das unidades blindadas alemãs e italianas. Montgomery, seguindo um plano anterior, elaborado por Auchinleck, colocou fortes contingentes sobre as posições fortificadas do maciço de Alam Halfa que, pelo sul, fechava o caminho para El Alamein, e aguardou, confiante, o ataque de Rommel.

Este aconteceu na noite de 30 de agosto de 1942. Os tanques germânicos não conseguiram realizar uma penetração rápida através dos campos minados e foram submetidos a devastadores ataques por parte da RAF. A escassez de combustível impediu também o prosseguimento do avanço. Alguns contingentes conseguiram finalmente atingir os pés do maciço de Alam Halfa e ali foram rechaçados pelo britânicos, sofrendo enormes perdas. Ante o fracasso total do ataque, Rommel ordenou às suas forças que empreendessem a retirada. A partir desse momento a iniciativa passava, definitivamente, para as mãos de Montgomery. Rommel, enfermo, abandonou a frente de combate a 24 de setembro e viajou para a Alemanha.

Referências

  1. Buffetaut, Yves. Operation Supercharge-La seconde bataille d'El Alamein (em francês). [S.l.]: Histoire Et Collections, 1995.