Batalha de Avarair

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página está a atravessar um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a dar o seu contributo e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Renato de carvalho ferreira (D C) 17 dias atrás. (Recarregar)

Batalha de Avarair
Vartanantz.jpg
Miniatura do século XV representando a batalha
Data 26 de maio de 451[1]
Local Planície de Avarair, distrito de Mardistão, Vaspuracan
Resultado Vitória pírrica sassânida;[2] vitória estratégica armênia[3]
Combatentes
Rebeldes armênios
Derafsh Kaviani.png
Império Sassânida
Comandantes
Bardanes II Mamicônio
Gevondes de Vanande[4]
Império Sassânida Narses
Império Sassânida Izad Guchnasp
Império Sassânida Ashtate
Forças
66 000 rebeldes[5] 120 000 sassânidas[5]
20 000 armênios leais
Baixas
Pesadas Desconhecidas, mas mais baixas que as armênias

Batalha de Avarair (em armênio/arménio: Ավարայրի ճակատամարտ) ou Batalha de Vartanantz (em armênio/arménio: Վարդանանց Պատերազմ) foi um confronto travado em 26 de maio de 451 entre as tropas rebeldes armênias lideradas por Bardanes II Mamicônio (beatificado como São Vardan (nome em armênio)) e os exércitos sassânidas na planície de Avarair, em Vaspuracan. Embora os sassânida tenham sido vitoriosos no campo de batalha, a batalha provou ser uma grande vitória estratégica armênia, com Avarair pavimentando o caminho para o tratado de Nevarsak (484), que afirmou o direito armênio de professar o cristianismo livremente.[3]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Neste período, a Armênia era uma satrapia do Império Sassânida e os xá persas pretendiam impor o rito do sol e do fogo aos armênios. A Armênia, o primeiro país oficialmente cristão do mundo (desde 301, quando São Gregório Iluminador converteu Tirídates III), fez forte oposição ao abandono de sua fé, criando um impasse. O clero armênio respondeu ao Izdegerdes II com essas palavras:

Cquote1.svg Nada nos moverá de nossa fé, nem anjos e nem homens, nem espadas e nem águas, ou qualquer outra violência imaginável. Nossos bens e nossas posses estão a tua disposição; podes usa-los como bem entenderes. Desde que nos concedas a liberdade de crença, tu serás nosso único senhor na terra, assim como Cristo é nosso único Deus no céu. Se porém exigires de nós mais que isso, eis nossa decisão: nossas vidas estão em tuas mãos…; tu tens a espada, nós a cerviz…Tombaremos como mortais que somos e passaremos às fileiras dos imortais…É inútil querer negociar o que é inegociável. Nossa fé não tem origem humana e nossas convicções sobre ela resultam de uma experiência amadurecida. Somos inseparavelmente unidos ao nosso Deus. Nada poderá romper essa união, jamais e em tempo algum. Cquote2.svg

[6]

Os persas mandaram cerca de 700 magos e sacerdotes para converter a população armênia, mas alguns arcebispos armênios incitaram a população a hostilizar os sacerdotes persas. Irritados com essa atitude e resistência, o rei persa enviou 200 mil soldados para impor a força sua decisão. Com uma força de aproximadamente 66 mil homens e liderados pelo senhor de terras Bardanes II Mamicônio, os armênios contavam com a ajuda do também cristão Império Bizantino para combaterem em pé de igualdade com os persas. A ajuda não veio e o conflito não pôde ser evitado. Na planície de Avarair, os dois povos se combateram e devido a superioridade militar e a deserção de muitos armênios para as linhas inimigas, esperando benefícios políticos, deu a vitória aos persas.

Referências

  1. Izady 1992, p. 76
  2. Pattie 1997, p. 40
  3. a b Burgan 2009, p. 69
  4. Hacikyan 2000, p. 360
  5. a b Bedrosian 1991, p. 7
  6. Loureiro, Heitor. Breve histórico dos primórdios da Igreja Apostólica Armênia. In: Rhema. Juiz de Fora: v. 13, n. 40, 2006.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bedrosian, Margaret. The Magical Pine Ring. [S.l.]: Wayne State University Press, 1991.
  • Burgan, Michael; Thomas G. Urban. Empires of Ancient Persia. [S.l.]: Infobase Publishing, 2009. ISBN 1438127847
  • Hacikyan, Agop Jack. The Heritage of Armenian Literature: From the Oral Tradition to the Golden Age. Detroit: Wayne State University, 2000. vol. 1. ISBN 978-0-8143-2815-6
  • Izady, Mehrdad R.. The Kurds: A Concise Handbook. Washington, D.C.: Taylor & Francis, 1992.
  • Pattie, Susan Paul. Faith in History: Armenians Rebuilding Community. [S.l.]: Smithsonian Institution Press, 1997.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História da Armênia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.